s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

TRIVIUM CAP.2 – CRIAÇÃO DE SÍMBOLOS (parte 5)

TRIVIUM CAP.2 – CRIAÇÃO DE SÍMBOLOS (parte 5)

Alexandre Gomes -

Bom, você percebeu que as PALAVRAS são o meio que utilizamos para comunicar OUTRA PESSOA sobre a ESSÊNCIA das coisas que vemos ou imaginamos. Ou ainda, sobre INDIVÍDUOS que conhecemos.

Logo, é fácil para você, guria (ou velhinho…) compreender que PALAVRAS são SÍMBOLOS DE IDEIAS sobre a realidade. Afinal, são as palavras que usamos para descrever o que pensamos para outra pessoa.

Agora vem a parte chata que envolve qualquer estudo: que é COMO isso (ou algo) acontece.

Como CRIAMOS esses SÍMBOLOS.

Afinal, qual a utilidade disso? [essa é a pergunta de todo estudante faz, diante de um tema difícil que não tem paciência ou disposição para aprender].

A UTILIDADE em entender QUALQUER tema/assunto é duplo – no mínimo:

  1. o uso prático/profissional daquele conhecimento ou técnica. Seja para aplicar ativamente ou para usar o que foi aprendido para compreender novos temas, empregando o conhecimento aprendido para alcançar um novo aprendizado.
  2. Para expansão da própria inteligência. É o cérebro tanquinho, malhado, que o Luciano sempre fala. Quando se compreende algo novo, absorvemos uma nova forma de ver o mundo. Nos tornamos capazes de conectar ideias que antes nos pareciam distantes e sem relação.

Enfim, voltando ao nosso assunto de hoje… criar uma ideia universal envolve vários passos. E tais passos tem muito a ver com o indivíduo que está captando as impressões e pensando a respeito delas (as impressões).

Perceba o seguinte: qualquer um de nós vê a realidade através de nossos sentidos externos; observando objetos reais (pedra, carro, gato, casa, árvore). Desses objetos que observamos, criamos quase que instantaneamente um conceito geral de cada objeto.

Ex.: uma criança que vê um gato pela primeira vez, quando encontra um outro gato, entende claramente que se trata também de outro gato (ou seja, um outro ENTE DA MESMA ESPÉCIE).

Uma vez que nossos SENTIDOS EXTERNOS coletaram dados de REALIDADE, nossos sentidos internos (a imaginação, principalmente) criam uma imagem mental, um FANTASMA do OBJETO INDIVIDUAL PERCEBIDO. Fixamos esse fantasma na memória para usarmos quando bem entendermos.

É quando usamos nosso SENTIDOS INTERNOS que deixamos de ser apenas animais, e realmente honramos a capacidade física de articular SONS. Uma vez que temos uma ideia complexa para ser apresentada a outra pessoa – e não sabemos se essa pessoa conhece aquele objeto. Se não conhecer, ter em nossa memória o fantasma daquele objeto é FUNDAMENTAL.

Vamos recapitular! Nossos sentidos EXTERNOS (visão, tato, audição, olfato e paladar) captam aspectos específicos de um objeto; digamos… um filhote de cão que temos em nossas mãos. (ah, sim! O paladar entrou na jogada porque o pequeno não parou de te lamber no rosto e, óbvio, lambeu a sua boca). Bom, com esse conjunto de impressões sensoriais ABSORVIDOS pelos sentidos e enviados para nossa MENTE, entram em ação os SENTIDOS INTERNOS: a imaginação, a memória sensorial. O instinto e o sentido comum (ou sintetizador).

Continuando no exemplo do cãozinho. Através dos sentidos externos você captou dados sobre aquele SER (indivíduo) específico: o cheiro do filhote, o peso do animal e a textura de seu pelo, escutou seus latidos e viu os olhos curiosos direcionados a você, e o gosto da língua após ser lambido na boca – hehehehe.

Quando todos os dados chegaram à sua mente, o processo de criação de um conceito se iniciou. E a universalização do que você viu, passa a valer para todos os cãezinhos, pois na sua IMAGINAÇÃO está uma imagem básica para todos os filhotes de cães, o seu INSTINTO, junto com a MEMÓRIA SENSORIAL irá proteger você de novas lambidas na boca. E tudo isso estará organizado e preservado na sua mente graças ao SENTIDO SINTETIZADOR, que agregou tudo e acrescentou o cuidado com lambidas indesejadas.

O que eu exemplifiquei acima foi o seguinte: o objeto real observado é único e individual, e a percepção que nossos SENTIDOS EXTERNOS constroem é chamado de PERCEPTO.

Nossos sentidos internos recebem o PERCEPTO e com a IMAGINAÇÃO criam o FANTASMA (que é o percepto retido e olhado quando quer que se queira, pois está em nossa mente) – fantasma que também é individual, para que não nos esqueçamos do objeto observado.

Note que tudo isso acontece quase ao mesmo tempo, e que o MAIS IMPORTANTE ainda não foi descrito, mas já aconteceu!

O CONCEITO foi criado logo após o FANTASMA. O conceito é a abstração criada pela MENTE através do reconhecimento da ESSENCIA do objeto observado. Criando assim uma IDEIA que é UNIVERSAL, IMATERIAL e NÃO LIMITADA em algum LUGAR ou TEMPO específico.

Apenas o HOMEM tem o poder dessa abstração intelectual.

Por quê é assim? Bem, você pode ver isso como um indício de que temos uma alma imortal ou uma combinação genética única que nos presenteou com um cérebro mais complexo que todos os outros animais.

Mesmo assim, cabe um alerta:

O conhecimento INTELECTUAL (ou ABSTRATO) é mais claro, mas é menos vívido que o CONHECIMENTO SENSÍVEL ou CONCRETO. Seria bom exemplos para esclarecer, certo? Então vamos a eles!

Eu posso te dizer que o comprimento da circunferência é o dobro do seguinte cálculo: o raio desse círculo vezes o número Pi (π), ou seja, C=2 πR.

Como também posso pegar um barbante, amarrar um prego em cada ponta, esticando uma linha de 63cm, para enfim desenhar um círculo com raio de 10cm. Se você fizer as contas, irá descobrir que o comprimento deste círculo (de raio 10cm) é exatamente 63cm.

Eu também posso contar sobre a vez em que salvei três engenheiros e um estatístico que não se lembravam da famosa fórmula de Bháskara:

Meu professor de Matemática do ginásio gargalharia se soubesse do que aconteceu.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes