s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

Alexandre Gomes -

Continuando o trabalho em resumir (e aprender com) o Trivium, segue agora a primeira parte do resumo do capítulo 2 do livro. Sim, primeira parte porque esse é um capítulo extenso, com várias informações a serem entendidas e resumir tudo de uma vez ia gerar um texto muito longo e a apreensão das lições iria se perder; por isso o resumo virá em partes. Vamos lá!

A LINGUAGEM tem uma FUNÇÃO tripla:

– comunicar o pensamento;

– comunicar a volição (vontade);

– comunicar a emoção.

As volição e emoção (vontades e desejos) podem ser expressas por gritos ou exclamações, que também são chamados de INTERJEIÇÕES. Por exemplo, aquele “ah-há!!” que significa “te encontrei!” ou “aí está você!”, ou um “hã?” que expressa uma dúvida sobre algo. Nenhuma dessas expressões é uma palavra em si, ou de alguma linguagem específica. São expressões internacionais e compreendidas independente da língua nativa de quem fala ou escuta.

Os seres humanos, por serem animais racionais, e capazes de acumular conhecimento, passam a necessitar de algo mais que gritos e exclamações para se expressarem. É necessário articular os sons na forma de frases. É através de sons unidos que são criadas as frases. Tais frases tornam a comunicação possível. Perceba: por sermos racionais, temos algo a dizer. Como também somos seres sociais, temos alguém a quem dizer algo. Por fim, por sermos animais necessitamos de um meio FÍSICO para comunicar ideias de uma mente isolada (de todas as outras) para outra mente igualmente isolada.

Modos de Comunicação:

Há somente dois modos possíveis de comunicar ideias através de um meio material:

Por IMITAÇÃO;

Por meio de um SÍMBOLO.

A IMITAÇÃO é um meio efetivo, mas limitado para expor a essência das coisas. Por exemplo, eu posso desenhar um cachorro para alguém e essa pessoa saberá que eu estou tratando desse animal, e não de uma planta. Porém, quem vê meu desenho de um cachorro não vai entender nada mais além disso: “um cachorro”, se eu desejo dizer algo mais além de mostrar um cachorro, terei que usar outro modo de comunicação para ir até a essência do que quero falar.

O SÍMBOLO é um signo sensível arbitrário, cujo significado é imposto a ele por convenção. Todo SIGNO tem um significado, quer por natureza, quer por convenção.

– SIGNOS NATURAIS: uma nuvem é signo (sinal) de chuva; a fumaça é signo de fogo. Perceba que a ideia é passada claramente para quem a vê, sem a necessidade de um vocabulário, alfabeto ou língua específicos. É quase como a interjeição apresentada acima – só que o que é dito é através de elementos presentes na realidade.

– SIGNOS POR CONVENÇÃO: em um sinal de trânsito, convencionamos que a luz verde é indicativa de movimento, já a luz vermelha, uma ordem para PARAR. Os símbolos por convenção podem ser classificados em dois tipos diferentes: ESPECIAIS E COMUNS.

ESPECIAIS: são signos criados por especialistas e de alcance internacional. Uma tabuada é entendida do mesmo jeito seja por um brasileiro, que lerá em português, bem como por um alemão, que lerá em alemão.

COMUNS (palavras): inventada por pessoas comuns para atender necessidades de comunicação no curso da vida. Por isso é mais adequada para comunicação que as línguas especiais, ainda que seja menos precisa e ambígua, no sentido de que uma palavra pode ter dois ou mais significados. Um exemplo para ambiguidade de significados pode ser o verbo “assistir”, que tem a mesma grafia (signo) seja quando significa ver algo, seja quando significa ajudar alguém. E se formos pro inglês, piora, pois há vários verbos que tem a mesma grafia quando estão no tempo verbal presente ou passado — é só lembrar do verbo ler (to read), que a grafia para o presente [ele] lê (read) é a mesma para [ele] leu (read); apenas com o som da voz diferenciamos, pois no primeiro caso ouvimos rêad (presente) e no segundo caso ouvimos réad (passado).

Para concluir esta primeira parte, vou ilustrar como é comum menosprezarmos a evolução dos signos para expressar ideias e conceitos. Você deve lembrar dos algarismos romanos. Eles são bem bacanas para escrever o número dos séculos, por exemplo. Mas imagine realizar operações básicas com numerais romanos? Um cálculo simples como 235 x 4, em algarismos romanos [CCXXXV x IV], teria que ser feita da seguinte maneira:

CC x IV = DCCC

XXX x IV = CXX

V x IV = XX

Resultado: DCCCCXXXX, que poderia ser reescrito CMXL, que é a versão romana de 940. Viu que trabalheira? Agora imagine essa questão no Enem deste ano…

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes