s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

TRIVIUM: CAP.2 – NATUREZA E FUNÇÃO DA LINGUAGEM (parte 1)

Alexandre Gomes -

Continuando o trabalho em resumir (e aprender com) o Trivium, segue agora a primeira parte do resumo do capítulo 2 do livro. Sim, primeira parte porque esse é um capítulo extenso, com várias informações a serem entendidas e resumir tudo de uma vez ia gerar um texto muito longo e a apreensão das lições iria se perder; por isso o resumo virá em partes. Vamos lá!

A LINGUAGEM tem uma FUNÇÃO tripla:

– comunicar o pensamento;

– comunicar a volição (vontade);

– comunicar a emoção.

As volição e emoção (vontades e desejos) podem ser expressas por gritos ou exclamações, que também são chamados de INTERJEIÇÕES. Por exemplo, aquele “ah-há!!” que significa “te encontrei!” ou “aí está você!”, ou um “hã?” que expressa uma dúvida sobre algo. Nenhuma dessas expressões é uma palavra em si, ou de alguma linguagem específica. São expressões internacionais e compreendidas independente da língua nativa de quem fala ou escuta.

Os seres humanos, por serem animais racionais, e capazes de acumular conhecimento, passam a necessitar de algo mais que gritos e exclamações para se expressarem. É necessário articular os sons na forma de frases. É através de sons unidos que são criadas as frases. Tais frases tornam a comunicação possível. Perceba: por sermos racionais, temos algo a dizer. Como também somos seres sociais, temos alguém a quem dizer algo. Por fim, por sermos animais necessitamos de um meio FÍSICO para comunicar ideias de uma mente isolada (de todas as outras) para outra mente igualmente isolada.

Modos de Comunicação:

Há somente dois modos possíveis de comunicar ideias através de um meio material:

Por IMITAÇÃO;

Por meio de um SÍMBOLO.

A IMITAÇÃO é um meio efetivo, mas limitado para expor a essência das coisas. Por exemplo, eu posso desenhar um cachorro para alguém e essa pessoa saberá que eu estou tratando desse animal, e não de uma planta. Porém, quem vê meu desenho de um cachorro não vai entender nada mais além disso: “um cachorro”, se eu desejo dizer algo mais além de mostrar um cachorro, terei que usar outro modo de comunicação para ir até a essência do que quero falar.

O SÍMBOLO é um signo sensível arbitrário, cujo significado é imposto a ele por convenção. Todo SIGNO tem um significado, quer por natureza, quer por convenção.

– SIGNOS NATURAIS: uma nuvem é signo (sinal) de chuva; a fumaça é signo de fogo. Perceba que a ideia é passada claramente para quem a vê, sem a necessidade de um vocabulário, alfabeto ou língua específicos. É quase como a interjeição apresentada acima – só que o que é dito é através de elementos presentes na realidade.

– SIGNOS POR CONVENÇÃO: em um sinal de trânsito, convencionamos que a luz verde é indicativa de movimento, já a luz vermelha, uma ordem para PARAR. Os símbolos por convenção podem ser classificados em dois tipos diferentes: ESPECIAIS E COMUNS.

ESPECIAIS: são signos criados por especialistas e de alcance internacional. Uma tabuada é entendida do mesmo jeito seja por um brasileiro, que lerá em português, bem como por um alemão, que lerá em alemão.

COMUNS (palavras): inventada por pessoas comuns para atender necessidades de comunicação no curso da vida. Por isso é mais adequada para comunicação que as línguas especiais, ainda que seja menos precisa e ambígua, no sentido de que uma palavra pode ter dois ou mais significados. Um exemplo para ambiguidade de significados pode ser o verbo “assistir”, que tem a mesma grafia (signo) seja quando significa ver algo, seja quando significa ajudar alguém. E se formos pro inglês, piora, pois há vários verbos que tem a mesma grafia quando estão no tempo verbal presente ou passado — é só lembrar do verbo ler (to read), que a grafia para o presente [ele] lê (read) é a mesma para [ele] leu (read); apenas com o som da voz diferenciamos, pois no primeiro caso ouvimos rêad (presente) e no segundo caso ouvimos réad (passado).

Para concluir esta primeira parte, vou ilustrar como é comum menosprezarmos a evolução dos signos para expressar ideias e conceitos. Você deve lembrar dos algarismos romanos. Eles são bem bacanas para escrever o número dos séculos, por exemplo. Mas imagine realizar operações básicas com numerais romanos? Um cálculo simples como 235 x 4, em algarismos romanos [CCXXXV x IV], teria que ser feita da seguinte maneira:

CC x IV = DCCC

XXX x IV = CXX

V x IV = XX

Resultado: DCCCCXXXX, que poderia ser reescrito CMXL, que é a versão romana de 940. Viu que trabalheira? Agora imagine essa questão no Enem deste ano…

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes