s
Iscas Intelectuais
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Conhecimento sempre significou poder. Transitamos ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as ...

Ver mais

O essencial e o acessório
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O essencial e o acessório Em 1984 ocorreu uma ampla reforma curricular nos cursos de ciências econômicas que instituiu uma série de mudanças a serem obedecidas por todos os cursos ministrados no ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Tudo o que é possível de ser tornado coletivo em grande ...

Ver mais

Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Em política, quem pensa em eternidades é atropelado ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia

Ciência e Mito na Pandemia

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as biopolíticas que favorecem as vacinas, ou os tratamentos preventivos, ou os tratamentos alternativos, ou a abertura dos comércios, ou o lockdown. Essas propostas divergentes eventualmente são sustentadas por algum discurso cientificista.

Contudo, é oportuno recordar que, em 2015, Richard Horton, editor-chefe do Lancet – possivelmente o mais importante jornal científico de medicina no mundo -, declarou que talvez metade das publicações científicas sejam fraudulentas. (E nada indica que as coisas tenham melhorado de 2015 para cá).

Escreveu o Dr. Horton:

“O caso contra a ciência é simples: grande parte da literatura científica, talvez metade dela, pode simplesmente ser falsa. Atingida por estudos com amostras pequenas demais, efeitos minúsculos, análises exploratórias inválidas e evidentes confllitos de interesses, juntamente com uma obsessão por seguir tendências da moda – de importância dúbia -, a ciência deu uma guinada na direção das trevas. Como um participante afirmou, ‘métodos ruins geram resultados’. A Academy of Medical Sciences, o Medical Research Council e o Biotechnology and Biological Sciences Research Council colocaram a sua reputação em questão diante de uma investigação a respeito dessas questionáveis práticas de pesquisa. É alarmante o caráter aparentemente endêmico do mau comportamento na pesquisa. Na sua busca por contar uma história convincente, os cientistas freqüentemente demais esculpem os dados para que eles se ajustem à sua teoria preferida de mundo. Ou adaptam as hipóteses para que elas correspondam aos dados. Os editores dos periódicos científicos merecem a sua cota de crítica também. Nós ajudamos e encorajamos os piores comportamentos. Nossa aquiescência ao fator de impacto alimenta uma competição na qual o prêmio é um lugar nos periódicos mais seletos. Nosso amor à ‘importância’ polui a literatura com muitos contos de fada estatísticos. Rejeitamos importantes confirmações. Mas os jornais não são os únicos vilões. As universidades estão numa luta perpétua por dinheiro e talento, metas que favorecem métricas redutivas, como a da publicação de grande impacto. Os procedimentos de avaliação nacional, como os Research Excellence Framework, inventivam más práticas. E cientistas individuais, incluindo os mais antigos líderes, pouco fazem para alterar uma cultura de pesquisa que ocasionalmente se aproxima muito da má-conduta.”

(Richard Horton. “Offline: What is medicine’s 5 sigma?”. The Lancet, 11 de abril de 2015, página 1380. Original disponível aqui)

Isso significa que a ciência não é sagrada; ela não é a voz da Verdade. Devemos ouvir com atenção o que dizem os cientistas – todos os cientistas, dos epidemiologistas aos químicos farmacêuticos, passando por psicólogos e por economistas, tanto os ortodoxos quanto os heréticos. Todavia, e justamente por isso, não é sensato acreditar no mito do “consenso científico”. Ainda menos sensata é a crença de que os programas de pesquisa dos laboratórios farmacêuticos estejam mais interessados na nossa saúde do que nos dividendos dos acionistas.

Como diz Rubem Alves, a ciência hoje se tornou um mito; mas mitos, quaisquer que sejam, não são guias adequados para as decisões políticas que afetam a nossa vida.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche