s
Iscas Intelectuais
Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Como é que a gente age diante do desconhecido, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Uma revisita a um programa de 2013 com um ponto de ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Fôlego novo para a equipe econômica?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Fôlego novo para a equipe econômica? Em março, ficamos sabendo que o crescimento negativo de 4,1% registrado em 2020 havia colocado o Brasil no 21° lugar num ranking de 50 países, segundo ...

Ver mais

Qual é o problema mais grave do Brasil?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Qual é o problema mais grave do nosso país?   Vão dizer que é a corrupção. Vão dizer que é a criminalidade. Que é a desigualdade social, a qualidade dos nossos políticos, a ignorância da nossa ...

Ver mais

Externalidades
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Externalidades negativas ou positivas na economia mundial[1] O termo econômico “externalidade” tem origem no trabalho do economista britânico Alfred Marshall (1842-1924), professor de Economia ...

Ver mais

O nosso Olimpo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Brasileiro em geral não gosta muito de ler, infelizmente. Com a chegada do smartphone então… O celular faz-tudo é primeirão em qualquer aspecto, do prazer ao ócio total. Se os clássicos não ...

Ver mais

Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Não sei quantos anos você tem, mas garanto que perdeu ...

Ver mais

Cafezinho 382 – Fazer o quê?
Cafezinho 382 – Fazer o quê?
“Fazer o quê?” é a marca registrada do fatalismo brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 381 – País-pererê
Cafezinho 381 – País-pererê
Esse é um trecho de um poema de Affonso Romano de ...

Ver mais

Cafezinho 380 – Minha vida naquela rua
Cafezinho 380 – Minha vida naquela rua
Não existe para mim essa história de “encerrar as ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia

Ciência e Mito na Pandemia

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as biopolíticas que favorecem as vacinas, ou os tratamentos preventivos, ou os tratamentos alternativos, ou a abertura dos comércios, ou o lockdown. Essas propostas divergentes eventualmente são sustentadas por algum discurso cientificista.

Contudo, é oportuno recordar que, em 2015, Richard Horton, editor-chefe do Lancet – possivelmente o mais importante jornal científico de medicina no mundo -, declarou que talvez metade das publicações científicas sejam fraudulentas. (E nada indica que as coisas tenham melhorado de 2015 para cá).

Escreveu o Dr. Horton:

“O caso contra a ciência é simples: grande parte da literatura científica, talvez metade dela, pode simplesmente ser falsa. Atingida por estudos com amostras pequenas demais, efeitos minúsculos, análises exploratórias inválidas e evidentes confllitos de interesses, juntamente com uma obsessão por seguir tendências da moda – de importância dúbia -, a ciência deu uma guinada na direção das trevas. Como um participante afirmou, ‘métodos ruins geram resultados’. A Academy of Medical Sciences, o Medical Research Council e o Biotechnology and Biological Sciences Research Council colocaram a sua reputação em questão diante de uma investigação a respeito dessas questionáveis práticas de pesquisa. É alarmante o caráter aparentemente endêmico do mau comportamento na pesquisa. Na sua busca por contar uma história convincente, os cientistas freqüentemente demais esculpem os dados para que eles se ajustem à sua teoria preferida de mundo. Ou adaptam as hipóteses para que elas correspondam aos dados. Os editores dos periódicos científicos merecem a sua cota de crítica também. Nós ajudamos e encorajamos os piores comportamentos. Nossa aquiescência ao fator de impacto alimenta uma competição na qual o prêmio é um lugar nos periódicos mais seletos. Nosso amor à ‘importância’ polui a literatura com muitos contos de fada estatísticos. Rejeitamos importantes confirmações. Mas os jornais não são os únicos vilões. As universidades estão numa luta perpétua por dinheiro e talento, metas que favorecem métricas redutivas, como a da publicação de grande impacto. Os procedimentos de avaliação nacional, como os Research Excellence Framework, inventivam más práticas. E cientistas individuais, incluindo os mais antigos líderes, pouco fazem para alterar uma cultura de pesquisa que ocasionalmente se aproxima muito da má-conduta.”

(Richard Horton. “Offline: What is medicine’s 5 sigma?”. The Lancet, 11 de abril de 2015, página 1380. Original disponível aqui)

Isso significa que a ciência não é sagrada; ela não é a voz da Verdade. Devemos ouvir com atenção o que dizem os cientistas – todos os cientistas, dos epidemiologistas aos químicos farmacêuticos, passando por psicólogos e por economistas, tanto os ortodoxos quanto os heréticos. Todavia, e justamente por isso, não é sensato acreditar no mito do “consenso científico”. Ainda menos sensata é a crença de que os programas de pesquisa dos laboratórios farmacêuticos estejam mais interessados na nossa saúde do que nos dividendos dos acionistas.

Como diz Rubem Alves, a ciência hoje se tornou um mito; mas mitos, quaisquer que sejam, não são guias adequados para as decisões políticas que afetam a nossa vida.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche