s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia

Ciência e Mito na Pandemia

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as biopolíticas que favorecem as vacinas, ou os tratamentos preventivos, ou os tratamentos alternativos, ou a abertura dos comércios, ou o lockdown. Essas propostas divergentes eventualmente são sustentadas por algum discurso cientificista.

Contudo, é oportuno recordar que, em 2015, Richard Horton, editor-chefe do Lancet – possivelmente o mais importante jornal científico de medicina no mundo -, declarou que talvez metade das publicações científicas sejam fraudulentas. (E nada indica que as coisas tenham melhorado de 2015 para cá).

Escreveu o Dr. Horton:

“O caso contra a ciência é simples: grande parte da literatura científica, talvez metade dela, pode simplesmente ser falsa. Atingida por estudos com amostras pequenas demais, efeitos minúsculos, análises exploratórias inválidas e evidentes confllitos de interesses, juntamente com uma obsessão por seguir tendências da moda – de importância dúbia -, a ciência deu uma guinada na direção das trevas. Como um participante afirmou, ‘métodos ruins geram resultados’. A Academy of Medical Sciences, o Medical Research Council e o Biotechnology and Biological Sciences Research Council colocaram a sua reputação em questão diante de uma investigação a respeito dessas questionáveis práticas de pesquisa. É alarmante o caráter aparentemente endêmico do mau comportamento na pesquisa. Na sua busca por contar uma história convincente, os cientistas freqüentemente demais esculpem os dados para que eles se ajustem à sua teoria preferida de mundo. Ou adaptam as hipóteses para que elas correspondam aos dados. Os editores dos periódicos científicos merecem a sua cota de crítica também. Nós ajudamos e encorajamos os piores comportamentos. Nossa aquiescência ao fator de impacto alimenta uma competição na qual o prêmio é um lugar nos periódicos mais seletos. Nosso amor à ‘importância’ polui a literatura com muitos contos de fada estatísticos. Rejeitamos importantes confirmações. Mas os jornais não são os únicos vilões. As universidades estão numa luta perpétua por dinheiro e talento, metas que favorecem métricas redutivas, como a da publicação de grande impacto. Os procedimentos de avaliação nacional, como os Research Excellence Framework, inventivam más práticas. E cientistas individuais, incluindo os mais antigos líderes, pouco fazem para alterar uma cultura de pesquisa que ocasionalmente se aproxima muito da má-conduta.”

(Richard Horton. “Offline: What is medicine’s 5 sigma?”. The Lancet, 11 de abril de 2015, página 1380. Original disponível aqui)

Isso significa que a ciência não é sagrada; ela não é a voz da Verdade. Devemos ouvir com atenção o que dizem os cientistas – todos os cientistas, dos epidemiologistas aos químicos farmacêuticos, passando por psicólogos e por economistas, tanto os ortodoxos quanto os heréticos. Todavia, e justamente por isso, não é sensato acreditar no mito do “consenso científico”. Ainda menos sensata é a crença de que os programas de pesquisa dos laboratórios farmacêuticos estejam mais interessados na nossa saúde do que nos dividendos dos acionistas.

Como diz Rubem Alves, a ciência hoje se tornou um mito; mas mitos, quaisquer que sejam, não são guias adequados para as decisões políticas que afetam a nossa vida.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche