s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

“Eu tomei cloroquina e fiquei curado”.

Quantas vezes não ouvimos ou lemos alguém dizendo isso?

Não duvido: muitos devem ter superado o Covid após o uso da cloroquina.

Isso significa que o uso da cloroquina pode ajudar quem pegou o vírus? Não, não significa.

* * *

Amigos, é um fato: muitos brasileiros têm grande dificuldade na realização de operações lógicas. Creio que essa dificuldade – que explica em parte o QI médio de 87 dos brasileiros (1) – seja agravada pela ausência do estudo da Filosofia na escola.

Afinal, se houvéssemos estudado a lógica da argumentação, que é um conteúdo importante de qualquer boa apresentação escolar à Filosofia, teríamos aprendido que a atribuição da cura à cloroquina não passa de um produto da confusão do intelecto.

* * *

Vamos ao desenho.

Não se sabe ao certo qual é a taxa de letalidade do Covid na população. Em países diferentes, em níveis sociais diferentes, em faixas etárias diferentes, os números variam bastante, e ao que parece ainda não descobrimos quais são exatamente os fatores de risco associados à doença: em que medida são genéticos – e quais os genes envolvidos? Em que medida são ambientais – e quais os elementos mais influentes? Em que medida são comportamentais – e quais os comportamentos mais perigosos? Em que medida são devidos à condição médica da pessoa – e quais as doenças preexistentes mais mortais quando associadas ao Covid?

A despeito da nossa ignorância quanto à dinâmica da letalidade do Covid, já se sabe ao certo que ela é menor que 1% entre os infectados (2). Note-se que isso não significa 1% da população, mas 1% dos que contraíram a doença. Provavelmente o número correto da mortalidade média fica entre 0,5% e 1% dos infectados. Por que não sabemos ao certo esse número? Porque é muito difícil precisar a quantidade real de pessoas que carregam ou carregaram o vírus. Afinal, entre 5% e 80% das pessoas que contraem o Covid não apresentam nenhum sintoma (3), e por essa razão óbvia não vão aos hospitais nem fazem nenhum teste.

Resumindo: é certo que a letalidade do Covid é menor que 1% entre os infectados. Isso significa que uma pessoa com Covid tem mais de 99% de chances de sobreviver.

Se essa pessoa, com teste positivo, tomar cloroquina, terá mais de 99% de chances de superar a doença.

Do mesmo modo, se essa pessoa decidir não tomar cloroquina, mas dançar o Ilariê da Xuxa três vezes por dia, também terá mais de 99% de chances de ficar boa.

No fim, a pessoa poderá dizer que ficou curada após tomar a cloroquina, ou após dançar o Ilariê três vezes por dia. E ela não estará errada.

* * *

Essa pessoa terá ficado curada “após” tomar a cloroquina ou dançar o Ilariê. Mas não “porque” tomou o medicamento ou dançou a música da Xuxa.

Quem crê na existência de uma relação causal entre a cloroquina e a cura, ou entre a dança da Xuxa e a cura, cai na falácia da falsa causalidade: post hoc ergo propter hoc – após isso, portanto por causa disso.

A pessoa vê dois eventos sucessivos e, impropriamente, julga que o segundo foi causado pelo primeiro. Vê o infectado tomando cloroquina e ficando curado, e passa a acreditar que a cura foi causada pela cloroquina. O que seria o mesmo que pensar que a dança do Ilariê cura o Covid.

Isto é: a crença no poder curativo da cloroquina em relação ao Covid revela a insuficiência de certas faculdades intelectuais bastante importantes.

* * *

A ausência do estudo da Filosofia faz muita falta aos brasileiros. Se estudássemos a lógica da argumentação, se conhecêssemos as armadilhas das falácias, jamais acreditaríamos na cura do Covid pela cloroquina, nem em fantasias equivalentes.

Para não sermos injustos, é preciso dizer que a Filosofia voltou ao currículo escolar há alguns poucos anos. Mas já existe – surpresa! – um movimento, em alguns grupos políticos brasileiros, que propõe a sua eliminação. Esse movimento chegou ao MEC no governo Temer, e as atuais bases curriculares nacionais permitem que a Filosofia seja abordada “transversalmente” em outras disciplinas no componente curricular chamado “ciências humanas”. Na prática, a Filosofia ruma novamente ao ostracismo (4).

* * *

A propósito, inúmeros estudos realizados sobre a aplicação da cloroquina em pacientes com Covid chegaram à conclusão de que não somente ela não traz benefícios, como também pode ampliar os riscos dos infectados (5).

* * *

Em tempo: dançar o Ilariê três vezes por dia não tem nenhum efeito colateral. Diferentemente da cloroquina, cujo consumo traz inúmeros riscos (6).

* * *

REFERÊNCIAS:

(1) https://ourworldindata.org/grapher/change-in-average-fullscale-iq-by-country-1909-2013?country=~BRA
(2) https://www.nature.com/articles/d41586-020-01738-2
(3) https://www.cebm.net/covid-19/covid-19-what-proportion-are-asymptomatic/
(4) http://www.anpof.org/portal/index.php/en/artigos-em-destaque/1584-a-bncc-e-o-futuro-da-filosofia-no-ensino-medio-hipoteses
(5) https://sciencebasedmedicine.org/hydroxychloroquine-ebm-sbm/
(6) https://consultaremedios.com.br/difosfato-de-cloroquina/bula/reacoes-adversas

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche