s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Coerência, essa cachorra

Coerência, essa cachorra

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Coerência é o nome do bichinho de estimação da lulada, a seita que virou torcida de presídio. Coerência é muito maltratada; não dão atenção a ela, nem a alimentam. Ao contrário, é sempre espancada por seus donos, transformando uma relação que deveria ser de respeito em um samba do crioulo doido, como batizou Sérgio Porto (aka Stanislaw Ponte Preta, em 1966) uma situação absurda que se auto-alimentava num crescendo totalmente pirado. O nome dessa música satírica já seria o suficiente para crucificar qualquer um por ser racista-nazista-preconceituoso-torturador e parente de Átila, o Huno. Talvez o nome “samba do afro brasileiro dotado mentalmente de forma diversa” salvasse Sérgio Porto da forca, vai saber.

Enfim; Coerência é espancada como regularidade estonteante pela lulada; nem bem recebe uma lambada e lá vem outra. Das fortes.

Coerência levou uma surra fenomenal no caso dos “médicos” cubanos – que não passam de paramédicos, em sua maioria. A insuspeita Folha de São Paulo publicou troca de e-mails/telegramas entre a ditadura cubenta e o desgoverno de Dilma I, a sambista mental, provando que o episódio não passou de outra sórdida negociata entre as duas demências Marx-afetivas. Considerando que a Folha é coalhada por lulistas apaixonados (Jânio de Freitas à frente, como destaque, porta-bandeira e comissão de frente, tudo junto), não resta dúvida sobre a autenticidade dos documentos, publicados na íntegra: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/11/veja-os-telegramas-nos-quais-cuba-e-governo-dilma-negociaram-o-mais-medicos.shtml

Resumidamente, Cuba mandaria uns paramédicos fantasiados de doutores e receberia oito bilhões de dólares do nosso suado dinheiro, mais o Porto de Mariel, também pago por nós. Fica a fantasia de estarem fazendo um enorme bem, por pura caridade desprendida, e o BNDES daqui que ficasse com o prejuízo. Todo mundo feliz e o povo que se dane: https://www.oantagonista.com/brasil/cuba-trocou-mais-medicos-pelo-porto-de-mariel/

Em artigo magistral publicado no Wall Street Journal, Mary O’Grady definiu a coisa toda como “o crime perfeito”, utilizando mão de obra escrava, cuja família fica dentro da ilha-presídio como refém, para que os escravos modernos de Cuba não fujam para Miami: https://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/deu-no-wall-street-journal-trafico-de-medicos-escravos-adotado-por-dilma-8220-e-o-crime-perfeito-8221-cuba-ganha-quase-8-bilhoes-de-dolares-por-ano-e-ainda-posa-de-solidaria/

Agora a ditadura cubenta rompeu esse acordo podre unilateralmente, já com o dinheiro – e o porto – no bolso. E ainda se dizendo chateadinha com a cantilena de nazista-fascista-xenófobo etc. Ué, não era tudo quase de graça, por amor ao povo brazuca? Então acabou o amor? E a caridade? Não dá pra entender. E chutam a pobre Coerência. Pior: Agora se sabe que nunca houve falta de médicos brasileiros, e a lulada mentiu descaradamente para trazer os cubentos como se fossem a salvação da lavoura hospitalar. Picaretas. E tome pancada, Coerência. A lulada diz odiar trabalho escravo e terceirização, mas fez as duas coisas sabujamente, seguindo Lula e sua aluna descerebrada de perto, com o nariz marrom, clamando pelo mestre de araque.

E o último interrogatório de Lula, o presidiário? Arrogante, grosseiro, mal educado, foi extremamente machista com a juíza do caso; chegou a perguntar pra ela de cozinha, pois, em suas palavras, isso é coisa de mulher. Como diria Vicente Matheus, levou uma meia dúzia de 3 ou 4 invertidas que o deixaram tonto. Estranhamente, as feministas de plantão não levantaram uma só voz em defesa da magistrada. Por outro lado, também não a elogiaram como uma mulher verdadeiramente empoderada (palavra ridícula), que chegou aonde chegou por esforço próprio, sem boquinha lulista, nem urinando em público com os peitos de fora e chamando todo mundo de fascista. E tome pancada, Coerência.

Coerência é sempre caçada pelos lulistas; a seita toda diz amá-la, mas só a maltratam. Ela se esconde atrás do sofá ou debaixo da cama, sempre em vão. É trazida à força para o picadeiro vermelho onde batem nela sem dó. Um dia ela foge de vez. Vai sair pela porta aberta e pegar a primeira rua à direita para finalmente ser acolhida por alguém que pense com o cérebro, que não a espanque por interesse, sem servilismo doentio a uma ideologia podre, morta de causas naturais no século XIX e mumificada até a queda do muro de Berlim. Fora o arrivismo, que ninguém é de ferro, camaradas. Fantasiam-se de Lênin, mas a roupa por baixo é de nababo aproveitador, louco por mordomia. E pau na pobre Coerência.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes