s
Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Colonizados

Colonizados

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Colonizados

De que é feita nossa tradição de curtir sofrimento, de rimar amor com dor? Estes dias refazia um velho estudo de música popular brasileira revisitando o tradicional e o clássico nos boleros, da música romântica dos anos 60, no samba e pagode, no pop, no sertanejo, no rock nacional não é raro depararmos com o lamento existencial, com a dor de corno, a fossa, o canto do desespero. A dor de amor, o sofrimento cantado é cult…por estas bandas não é raro que se monte um altar para o sofrimento em verso e proza…”não tenho casa, não tenho carro”; “vou botar placa de venda nesta casa”; “Lá vai ele com a cabeça enfeitada”…

Nosso cancioneiro popular em todos os estilos evidencia que o chamado povo alegre e festeiro adota o sofrimento e o chifre como estilo de vida, e a dor de cotovelo como processo existencial. O ser subjugado, que leva chicotada, que é apático, que aceita tudo, que pode ser humilhado, roubado, espezinhado e que após ser violentado vai cantarolar sua dor existencial em uma melodia, em vários estilos. Curtir sofrer!

Todo subdesenvolvimento cultural, de nossa educação, saúde programado em agenda política de estado, neste cenário pervertido de valores e ideais é ainda parte de nossa mentalidade de seres colonizados, feitos a escravidão que amam seu senhor e o chicote que estala, ardido nas costas. Sobem todos os impostos, cai a qualidade de vida, saúde e educação pioram, desmandos e mais desmandos políticos, conquistas seculares são extirpadas e o povo contente vai as ruas pedir para que se mantenha a corrupção e a péssima gestão da máquina pública, feliz por ter hoje mais de 50% do que ganha destinado a um governo corrupto. Feliz por ter de voltar a viver com uma inflação que esta em disparada. Isto é a tradição de gostar de apanhar na mentalidade de colonizado. Uma persona sombria que virou tradição no Brasil. Ser este que se apaga, que perde sua identidade, que omite sua opinião, que finge que tudo que ocorre , que isto não é com ele. Todavia mensalmente as contas dobram, o custo de vida com a inflação aumenta muito, mas fazer o que? Logo reelegemos os mesmos bandidos que tem ficha suja, envolvidos em escândalos e muita corrupção para depois continuar cantarolando a tristeza como estilo de vida. Casar com a rapariga, pra depois ter assunto quando se leva o chifre. Amar o sofrer que vira sentido de vida.

Hoje isto se reflete em nossa saúde, no judiciário, no serviço público em geral, nas mentiras de promessas de campanha, na loucura dos nossos gestores, e principalmente na população que acaba rindo e fazendo chacota constante da anarquia existente que faz da falta de lei, ou da legislação que aceita a corrupção um hábito. tradição que advém desde o Brasil colônia, em uma terra que se acostumou a ser explorada, devassada, regrada ao chicote, um hábito pernicioso conivente e silencioso. O masoquismo de curtir sofrer, de achar bom virar manchete de jornal internacional diante do maior escândalo de corrupção do planeta terra, e como Gení e o capitão do Zepelim, no final ainda deitar e sorrir…mais uma enrrabada certeira, no meio de tanta sujeira,e todo mundo caladinho, aceitando feliz até o próximo escândalo que promete ser maior que o primeiro…E você curte apanhar deste tanto caladinho?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima