Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Colonizados

Colonizados

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

De que é feita nossa tradição de curtir sofrimento, de rimar amor com dor? Estes dias refazia um velho estudo de música popular brasileira revisitando o tradicional e o clássico nos boleros, da musica romântica dos anos 60, no samba e pagode, no pop, no sertanejo, no rock nacional… não é raro depararmos com o lamento existencial, com a dor de corno, a fossa, o canto do desespero. A dor de amor, o sofrimento cantado é cult… por estas bandas não é raro que se monte um altar para o sofrimento em verso e proza… “não tenho casa, não tenho carro”; “vou botar placa de venda nesta casa”; “Lá vai ele com a cabeça enfeitada”…

Nosso cancioneiro popular em todos os estilos evidencia que o chamado povo alegre e festeiro adota o sofrimento e o chifre como estilo de vida, e a dor de cotovelo como processo existencial. O ser subjugado, que leva chicotada, que é apático, que aceita tudo, que pode ser humilhado, roubado, espezinhado e que após ser violentado vai cantarolar sua dor existencial em uma melodia, em vários estilos. Curtir sofrer!

Todo subdesenvolvimento cultural, de nossa educação, saúde programado em agenda política de estado, neste cenário pervertido de valores e ideais é ainda parte de nossa mentalidade de seres colonizados, feitos a escravidão que amam seu senhor e o chicote que estala, ardido nas costas. sobem todos os impostos, cai a qualidade de vida, saúde e educação pioram, desmandos e mais desmandos políticos, conquistas seculares são extirpadas e o povo contente vai as ruas pedir para que se mantenha a corrupção e a péssima gestão da máquina pública, feliz por ter hoje mais de 50% do que ganha destinado a um governo corrupto. Feliz por ter de voltar a viver com uma inflação que esta em disparada.  Isto é a tradição de gostar de apanhar na mentalidade de colonizado. Uma persona sombria que virou tradição no Brasil.

Ser este que se apaga, que perde sua identidade, que omite sua opinião, que finge que tudo que ocorre, que isto não é com ele. Todavia mensalmente as contas dobram, o custo de vida com a inflação aumenta muito, mas fazer o que? Logo reelegemos os mesmos bandidos que tem ficha suja, envolvidos em escândalos e muita corrupção para depois continuar cantarolando a tristeza como estilo de vida. Casar com a rapariga, pra depois ter assunto quando se leva o chifre. Amar o sofrer que vira sentido de vida.

Hoje isto se reflete em nossa saúde, no judiciário, no serviço público em geral, nas mentiras de promessas de campanha, na loucura dos nossos gestores, e principalmente na população que acaba rindo e fazendo chacota constante da anarquia existente que faz da falta de lei, ou da legislação que aceita a corrupção um hábito, tradição que advém desde o Brasil colônia, em uma terra que se acostumou a ser explorada, devassada, regrada ao chicote, um hábito pernicioso conivente e silencioso. O masoquismo de curtir sofrer, de achar bom virar manchete de jornal internacional diante do maior escândalo de corrupção do planeta terra, e como Gení e o capitão do Zepelim, no final ainda deitar e sorrir… mais uma enrabada certeira, no meio de tanta sujeira, e todo mundo caladinho, aceitando feliz até o próximo escândalo que promete ser maior que o primeiro… E você curte apanhar deste tanto caladinho?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima