s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

Como ser um Diabo da Tasmânia

Como ser um Diabo da Tasmânia

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Como disse certa vez o ex-ministro Pedro Malan, no Brasil até o passado é incerto. Mas o futuro não – ao menos em um caso: Há plena certeza que o tecido social esgarçou e vai rasgar. Toda essa demência politicamente correta, juntamente com os autoproclamados intelectuais e artistas-engajados-militantes revolucionários de internet lutam com toda a fúria digital para transformar o País (e o mundo, se tudo der certo pra eles e errados pra nós) num imenso hospício; caso patológico de dar inveja a Simão Bacamarte, personagem central de O Alienista, obra do grande Machadão. Mas Machado de Assis hoje é bobagem; importante é acuentar o paju, como defende a “mãe” do Enem. Crendeuspai.

​​​O céu é o limite para a imaginação dos inventores de uma nova divisão dos seres humanos; Depois dos aproximadamente 53gêneros classificados pelos brilhantes e resolutosdefensores da mesma liberdade que Stalin defendia, acabando com todos os que ousavam discordar, temos novidade! Gente nem sempre é gente! Democracia é isso aí, pessoal.

​​​Pois bem: Antes que os apressadinhos de sempre venham jogar pedras, sejam elas metafóricas, virtuais ou reais, ninguém tá atacando nenhum tipo de ideologia de gênero. Cada um crê naquilo que lhe convém, e há que se respeitar o modo de pensar das pessoas. E esse respeito é de mão dupla, gostem ou não. Mão dupla no bom sentido, claro. Não pensem bobagem. Olha o assédio. Comportem-se.

​​​Enfim, vamos respeitar as opções de cada um. Mas, mesmo por cima da carne seca, esse povo imaginativo não pode ver uma possibilidade de polemizar que já embarca nela com ganas de combatente; quem discordar é imediatamente tachado de nazista-fascista-misógino-racista-opressor. A ladainha louca, robótica, nunca muda. Porém, sempre há outrodegrau a descer; esses doidos encontram facilmente um jeitinho de alimentar a insanidade geral sob a desculpa da “integração” das minorias. É a hora e a vez, atenção… dos transespécie!

​​​Não, não é brincadeira. Ideologia de gênero é coisa do passado. A onda agora é transgredir. De acordo com a última invenção desse pessoal (ou penúltima; é incrível sua prolífica rapidez insana) a onda é levar a sério pessoas que não são “humanos”. Na verdade, são cachorros, ou aliens, que, infelizmente, são tratados como seres humanos pelos supremacistasmaldososfascistas-racistas-xenófobos; coisas do preconceito reacionário, claro. Não, não é piada, pode crer:  https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2018/11/30/ele-se-veste-como-cachorro-e-diz-nao-ser-uma-pessoa-o-que-e-transespecie.htm

​​​Sim, essas pessoas não são pessoas. São cachorros ou seres vindos do espaço sideral. Taspariu. O pior não é (mais) um movimento que pretende impor ao mundo racional outra demência difundida como forma de justiça social; é ver um dos jornais mais importantes do País dando guarida à loucura como se fosse assunto seriíssimo. Não se espante se logo, logo, surgir o transespécie intergaláctico. Se alguém pode se fantasiar de cachorro pretendendo ser levado a sério (militontos da insanidade e certos paspalhos travestidos de jornalistas aplaudem de pé), por que não “ser” um daqueles personagens do Star Wars? Lembra da antológica cena de Han Solo no bar, cercado de alienígenas? Pois é. Basta escolhero espécime mais exótico e bola pra frente. Seja, acredite; isso é suficiente; esse parece ser o lematresloucado. Chewbacca vive, camaradas! Leve-me ao seu líder!

​​​Impressionante. Comportamento que há pouco tempo demonstraria séria indicação auma urgente consulta psiquiátrica, hoje é incentivado como liberdade de gênero. Diante disso, por que não encarnar uma girafa, um rinoceronte, ou mesmo um tiranossauro? Sim, pois se há os transespécie, porque não haveria os transtempo? Afinal, 60 milhões de anos não podem separar um pobre coitado, vítima oprimida pela sociedade, de sua vida dinossáurica. Olha o preconceito, hein?

​​​Se a moda pegar, sugiro transespéciesda Tasmânia. Os bichos de lá são muito estranhos, será uma super novidade encarnar, por exemplo, uma Equidna. Ou o faminto Diabo da Tasmânia. Já é famoso e seus desenhos animados são muito divertidos.

​​​Pessoas incentivadoras desses pobres coitados, que apresentam claros problemas mentais, a emergirem nessa loucura, piorando suas vidas em nome de uma “liberdade” de espécie (!) alucinada, deveriam responder na justiça por seus atos. Ao menos, aqueles têm a desculpa de não estarem em seus juízo perfeito. Já estes, manipulam os inocentes úteis para “comprovar” suas teses insanas e engrossar as fileiras dos que lutam contra tudo-que-está-aí e pelo “liberou geral”. Não falta muito para pedirem a proibição dos antibióticos. Afinal, vai que aparece alguém que, na verdade, é uma bactéria...

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes