s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Competitividade do Brasil segue em decadência

Competitividade do Brasil segue em decadência

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Competitividade do Brasil segue em decadência

A política comprometendo a nossa competitividade

 “É como uma maratona, se você não corre, a turma toda passa na sua frente. E fomos ultrapassados por muitos porque ficamos parados.”

Carlos Arruda

Duas instituições suíças, o Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum) e o IMDInternational Institute for Management Development elaboraram em parceria aquela que se tornou a mais aguardada e respeitada pesquisa sobre competitividade mundial. Após vários anos de parceria, as duas entidades separaram-se e passaram a publicar separadamente o resultado de suas pesquisas. Ao longo de sua existência, ambas as instituições alteraram não apenas o tamanho de suas amostras, mas também os critérios levados em conta em seus estudos. Diversos foram incorporados ou ganharam relevo com o passar dos anos, da mesma forma que outros desapareceram ou tiveram sua importância reduzida, o que reflete a própria evolução da compreensão do fenômeno do desenvolvimento.

No dia 27 de setembro, o Fórum Econômico Mundial – que conta no Brasil com a parceria da Fundação Dom Cabral (FDC) – divulgou os resultados do levantamento deste ano. Este estudo considera que a competitividade é resultado da interação de muitos fatores em diversas áreas de um país, entre as quais a econômica, a política, a jurídica, a científica e outras. Alguns desses fatores são mais facilmente reconhecidos como determinantes para o aumento da produtividade e, por extensão, da competitividade, como é o caso, por exemplo, da estabilidade macroeconômica. Outros, porém, cuja relação de determinação para a competitividade nacional não é tão direta, como é o caso o acesso e da eficiência da justiça, também têm influência marcante na avaliação da capacidade competitiva.

Dada essa explicação preliminar, o que se constata é que os dados do relatório deste ano não foram nada bons para o Brasil, uma vez que numa amostra contendo 138 países, o País ficou na 81ª posição, a pior desde que o levantamento passou a ter as atuais características.

A tabela que se segue revela o desempenho do Brasil a partir de 2005.

Ano Classificação do Brasil
2005 65ª
2006 66ª
2007 72ª
2008 64ª
2009 56ª
2010 58ª
2011 53ª
2012 48ª
2013 56ª
2014 57ª
2015 75ª
2016 81ª

A tabela revela que o Brasil obteve este ano a pior classificação desde que o levantamento passou a ser feito pelo Fórum Econômico Mundial em parceria com a Fundação Dom Cabral. Mostra, também, que após uma fase ascendente – com pequenas interrupções – que se estende até 2012, quando o País obteve sua melhor classificação (48ª), inicia-se uma decadência que acumula 33 posições nos últimos quatro anos e que foi mais acentuada de 2014 para 2015 quando 18 posições foram perdidas.

Uma leitura atenta do relatório permite um sem número de conclusões. Diante da natureza deste artigo, permito-me destacar três delas:

1ª. Há evidente contaminação da economia pela política, cujas instituições e representantes desfrutam – na sua esmagadora maioria – de baixíssimo grau de confiabilidade, o que foi confirmado pelo elevadíssimo índice de abstenções e votos nulos e brancos nas eleições municipais do último domingo. A propósito, no quesito confiança dos políticos o Brasil ficou com a 138ª e última posição entre todas as nações avaliadas.

2ª. Reafirmando um fenômeno já observado quando da divulgação do levantamento do ano passado – quando foi ainda mais perceptível – a piora concentra-se mais nos indicadores que envolvem o setor público, como fica claro ao verificarmos a posição do Brasil em dois quesitos: ambiente institucional, em que ficamos na 120ª posição; e apuração dos efeitos da regulamentação para as empresas, em que ficamos no penúltimo lugar, com 137ª posição.

3ª. Um dos poucos itens em que o País teve uma melhora foi na percepção da independência do Judiciário, em que o Brasil aparece na 79ª colocação, o que se deve, inegavelmente, às ações da operação Lava Jato.

Na outra ponta da tabela, embora tenham ocorrido pequenas alterações na classificação, os 10 melhores posicionados são os mesmos do levantamento anterior: Suíça, Cingapura, Estados Unidos, Holanda, Alemanha, Suécia, Reino Unido, Japão, Hong Kong e Finlândia.

Um último registro a meu ver digno de destaque diz respeito à ascensão da Índia, que pulou do 55º lugar em 2015 para o 39º em 2016, escalando, portanto, 16 posições. Carlos Arruda, professor da Fundação Dom Cabral e coordenador da pesquisa no Brasil, aponta as reformas levadas a efeito recentemente pelo governo indiano como responsáveis por essa ascensão e, seguindo essa linha de raciocínio, acredita que se a agenda de reformas que o Brasil tem pela frente, incluindo mudanças na Previdência, controle nos gastos públicos, reforma da legislação trabalhista e nas concessões de infraestrutura for executada, poderá ter um efeito positivo na apuração dos resultados já a partir do próximo ano.

Como há uma série de outros indicadores, pesquisados por diferentes organismos multilaterais – independentes ou integrantes do sistema das Nações Unidas – é recomendável estar atento a eles à medida que vão sendo divulgados. No mínimo, para ter uma noção de como está o Brasil em comparação com outros países. 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

MACHADO, Luiz Alberto. A dança dos números. São Paulo: Instituto Liberal, Série Ideias Liberais, Ano 5, Nº 87, 1998.

SCHELLER, Fernando. Competitividade do País atinge ‘fundo do poço’. O Estado de S. Paulo, 28 de setembro de 2016, p. B 7.

Referências e indicações webgráficas

ALVARENGA, Darlan. Brasil cai para a 81ª posição em ranking de competitividade de países. Disponível em http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/09/brasil-cai-para-81-posicao-em-ranking-de-competitividade-de-paises.html.

BRASIL cai seis posições em ranking de competitividade internacional. Disponível em http://www.institutomillenium.org.br/blog/brasil-cai-seis-posies-em-ranking-de-competitividade-internacional/

FUNDAÇÃO Dom Cabral. Brasil chega à sua pior posição competitiva em 20 anos. Disponível em http://www.fdc.org.br/professoresepesquisa/nucleos/Documents/inovacao/Competitividade/Relat%C3%B3rio_Ranking_Competitividade_WEF_FDC_2016.pdf.

MACHADO, Luiz Alberto. Queda no ranking mundial de competitividade. Disponível em http://www.institutomillenium.org.br/artigos/queda-ranking-mundial-de-competitividade/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado