s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Complexo e outros males

Complexo e outros males

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia reiteradamente, invocando-a como mantra para suas asnices nacionaleiras dignas do milênio passado; na sua visão troglodita, significaria uma espécie de medo, uma vergonha, um certo derrotismo de que o brasileiro sofreria em relação aos outros países do mundo, principalmente quanto aos mais ricos. Taspariu. A cegueira dos lulistas é tão intensa que transcende a ideologia mais furada do mundo até alcançar a realidade paralela onde seu guru presidiário reina, e onde Gleisi Hoffman navega. É tão grave o estado demencial que chega a ser difícil separar a insanidade do puro interesse travestido de… insanidade.

O pernambucano Nélson Falcão Rodrigues (1912-1980) foi um dos mais importantes dramaturgos do Brasil, seguido e perseguido por toda e qualquer trupe do ramo; todos sonham em atuar sob seus textos. Polêmico, também foi jornalista, escritor, cronista, e escrevia com uma verve absolutamente invejável. Construía frases impagáveis, dignas de seu, digamos, “antecessor” Barão de Itararé (Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, 1895-1971), humorista, mestre do assim chamado hibridismo linguístico. Deixe de preguiça e veja no Google.

Voltando: Nélson se definia como reacionário; em resposta às críticas, principalmente sobre seus textos de uma realidade dolorosa, uma crueza ímpar, se dizia um sentimental, e um “anjo pornográfico”. Tinha absoluto desprezo pelo comunismo e pela esquerda em geral, e lamentava profundamente a militância comunista do filho. Ironia da vida; dele e de qualquer outro que habite essa nau dos insensatos chamada planeta Terra.

Apaixonado pelo futebol e agoniado com a derrota da seleção para o Uruguai em pleno Maracanã (1950), não se conformava em ver o título de campeão mundial escapar daquela forma. Intuiu sobre parte da culpa ser de nossa incapacidade futebolística ao ombrear com as demais potências no esporte. Teríamos tudo, inclusive os craques, mas esse complexo atávico nos impediria de ganhar. Interessante teoria; mas para o determinado esporte quando ainda não éramos campeões do mundo, e até cabível nos distantes anos 50 do século XX; mas nunca no sentido usado pelo lulismo.

Nélson Rodrigues escreveu (e representa) tudo que a esquerda brasileira odeia. Mas como esses aí nunca leem um livro decente nem ao menos folhearam um de sua autoria – ou de nenhum outro tipo, como o presidiário-chefe da seita declarou. Ler é um hábito chato, bufou em rede nacional. Também afirmou que estudar e falar inglês são bobagens, mas vamos deixar isso pra outra discussão.

Citar Nélson Rodrigues num país onde a mediocridade campeia é chic; para os lulistas, funciona como uma pretensa sofisticação que poucos se dão ao trabalho de conferir através de uma simples leitura; é chato, como prega seu líder presidiário. Daí, para embasar o movimento brilhantemente apelidado de “megalonanico” nas relações internacionais dos tempos lulistas, fantasiaram (e insistem nessa demência) que naquela fase o Brasil “era respeitado lá fora”, e hoje não seria mais em razão do tal complexo de vira-latas. Quem repete isso não conhece o Brasil, nem “lá fora”, e nem a obra de Nélson. Mas papagueia as desculpas genéricas e os ataques tolos a tudo que não seja exatamente o que pregam.

É como citar Macunaíma, o herói sem nenhum caráter, de Mário de Andrade, para definir um sujeito em evidência amoral. O autor nunca disse ou sugeriu isso; referia-se, sim, ao personagem que não tinha nenhuma característica de herói, não tinha jeito nem tipo para isso. Mas como mais vale uma ideia criada do nada do que a leitura de um clássico… Ficamos assim. Outras pérolas virão, principalmente dessa gente que adora Marx, porém nunca leu uma única página de seus livros. Não precisa ser culto, camarada; basta parecer e enganar os trouxas. Assim é, na vida e nas eleições.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes