s
Iscas Intelectuais
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Depois de realizar mais de 1000 palestras no Brasil e ...

Ver mais

Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Isca Intelectual – O Tema da Vitória
Senna foi o típico exemplo de que para saber algo, só ...

Ver mais

5o. Sarau Café Brasil
5o. Sarau Café Brasil
Depois da Pandemia, está de volta o #Sarau Café Brasil, ...

Ver mais

Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Isca Intelectual: o poder da autenticidade
Coisas que só acontecem quando somos autênticos, quando ...

Ver mais

Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Café Brasil 822 – Café ao Quadrado
Convidei o Christian Gurtner, criador e apresentador do ...

Ver mais

Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
Café Brasil 821 – O amor que nunca morre
A Pandemia causou prejuízos em todas as esferas de ...

Ver mais

Café Brasil 820 – My Generations
Café Brasil 820 – My Generations
O conflito de gerações está presente desde o princípio ...

Ver mais

Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
Café Brasil 819 – Num sei por que tô tão feliz
E aí? Como é que você tá, hein? Apanhando da vida? Ela ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Ser ou não ser criativo: eis a questão
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ser ou não ser criativo? Eis a questão  “Criatividade é a inteligência se divertindo.” Albert Einstein Nos eventos voltados ao lançamento do livro Economia + Criatividade = Economia Criativa, ...

Ver mais

Diferentes gerações, diferentes traumas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Inflação e crescimento: diferentes gerações, diferentes traumas “Vejo o Brasil como um país que viveria os ideais do crescimento sustentável. É o lugar mais bonito do mundo e integrar o mundo ...

Ver mais

Segura o Tchan
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O Carnaval de 1996 coroou o sucesso da banda de axé É o Tchan/Gera Samba, liderada por Compadre Washington, com a música-chiclete Segura o Tchan. Além da letra – digamos – exótica, a dançarina ...

Ver mais

Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Cafezinho 491 – Os malabaristas eleitorais
Observando a corrida eleitoral, com os malabarismos que ...

Ver mais

Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
Cafezinho 490 – Seja ignorante, por favor!
A única certeza que podemos ter é que nas questões ...

Ver mais

Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Cafezinho 489 – Lucrando na crise
Há muito tempo compreendi que as pessoas apreendem ...

Ver mais

Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Cafezinho 488 – Quanta porcaria.
Parece que estamos sob um surto psicótico planetário, ...

Ver mais

Conteúdo X Forma

Conteúdo X Forma

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Conteúdo X forma: difícil equilíbrio

 

“Num evento científico, o fulgurante  jogo de luzes atropelou o que deveria ser uma serena discussão de ideias.”

Claudio de Moura Castro

 

Na seção Espaço Aberto da edição do dia 3 de abril do jornal O Estado de S. Paulo, o economista Claudio de Moura Castro, que se especializou em temas relacionados à educação, ciência e tecnologia, escreveu um artigo intitulado “A colisão da ciência com a civilização do espetáculo”, examinando o instável equilíbrio entre conteúdo e forma.

No referido artigo, Moura Castro afirma ter sido estimulado a fazer tal reflexão ao participar de um evento que discutia ciências e suas aplicações. Como é comum em eventos de grande porte dessa natureza, as atrações dividem-se em duas partes: numa delas, as empresas expositoras exibem seus produtos e serviços em stands de diferentes tamanhos; na outra, conferencistas se apresentam em salas e/ou auditórios.

A tendência verificada nos últimos anos aponta para uma crescente preocupação com aspectos ligados à forma, tanto na preparação dos stands como nas próprias conferências, sendo exemplo destas últimas os lançamentos dos produtos da Apple na época de Steve Jobs, transformados em verdadeiras superproduções.

Essa preocupação cada vez maior com a forma, que se vale muitas vezes dos formidáveis efeitos proporcionados pela tecnologia e pela automação, tem provocado uma deturpação no mínimo questionável, qual seja, fazer com que a pessoa fique mais impressionada com a forma do que com o conteúdo que lhe está sendo apresentado.

Tal deturpação não é nova e foi brilhantemente captada por Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 2010, no livro A civilização do espetáculo. No referido livro, Vargas Llosa faz uma dura crítica ao que considera a banalização da educação, da arte, da religião, do sexo, da política, da economia e de tantos outros temas que convergem para a formação de uma cultura baseada no “espetáculo”, entendida como cultura da diversão.

A leitura do artigo de Moura Castro me fez refletir como essa colisão entre conteúdo e forma está presente no nosso cotidiano, nos mais diversos segmentos de atividades, impondo ao receptor da mensagem o desafio permanente de separar o joio do trigo, evitando confundir o essencial com o acessório.

Sem puxar muito pela memória, seguem-se alguns exemplos que ilustram essa colisão.

Conheço inúmeros palestrantes e professores que possuem reconhecido conteúdo, mas que são fraquíssimos como expositores, chegando a dar sono aos ouvintes. Também conheço muitos que, ao contrário, são excelentes expositores, capazes de fazer apresentações dinâmicas e divertidas, porém, com pouco conteúdo, de tal forma que, passado o encanto imediato provocado pela exposição, não sobra quase nada de aproveitável na memória.

Acontece o mesmo com filmes ou peças de teatro, em que muitas vezes os efeitos especiais se superpõem à qualidade do enredo, à atuação dos artistas ou à relevância dos temas.

Vale a pena chamar a atenção para esse possível conflito entre meio e mensagem (ou conteúdo e forma) num ano eleitoral como é o de 2022 no Brasil, para as campanhas dos políticos que disputarão os votos de milhões de brasileiros nas eleições de outubro próximo. Neste caso, com uma agravante: não basta separar o conteúdo da forma; é preciso, mais do que nunca, estar atento a detalhes ligados à credibilidade dos candidatos, à coerência entre discurso e ações, à viabilidade das promessas feitas no calor da disputa e à capacidade que cada candidato possui de atender aos anseios de cada eleitor.

Se a colisão entre conteúdo e forma é capaz de tornar o equilíbrio instável em aulas ou conferências de média e longa duração, o que não dizer desse desafio para políticos que dispõem de pouquíssimo tempo para exercer seu poder de convencimento?

 

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

 Referências

CASTRO, Claudio de Moura. A colisão da ciência com a civilização do espetáculo. O Estado de S. Paulo, 3 de abril de 2022, p. A 6.

LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo: uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Tradução de Ivone Benedetti. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado