s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Continente dividido

Continente dividido

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

América do Sul:

Continente dividido

“Depois de perder força -com as eleições de Mauricio Macri na Argentina e de Jair Bolsonaro no Brasil -a esquerda volta a ganhar espaço na América do Sul. Com a recente vitória de Pedro Castillo no Peru, o tabuleiro geopolítico do subcontinente chegou a uma situação de empate.”

Fernando Jordão

Com a apertada vitória de Pedro Castillo sobre Keiko Fujimori nas eleições presidenciais do Peru consolida-se um quadro extremamente complicado no continente sul-americano, marcado pela combinação de acentuada divisão ideológica e relativa fragilidade de presidentes obrigados a governar sem maioria parlamentar e/ou com baixo apoio popular.

Examinando a situação atual, é razoável afirmar que o continente possui quatro governos de esquerda, no Peru, na Bolívia, no Suriname e na Venezuela, sendo este último caracterizado pelo binômio radicalismo/populismo; dois de centro-esquerda, na Argentina e na Guiana; cinco de centro-direita, no Uruguai, no Chile, no Paraguai, no Equador e na Colômbia; e um de direita, no Brasil.

Tal quadro diverge consideravelmente dos observados em dois diferentes períodos da história recente da região. O primeiro desses períodos corresponde ao do domínio dos regimes autoritários liderados por militares ou coalizões civil-militares iniciados nas décadas de 1960 ou 1970 e que se estenderam pela década de 1980. Mesmo considerando diferenças nos países que passaram por governos militares nesse período – Paraguai, Brasil, Argentina, Uruguai, Peru, Chile, Bolívia e Equador – é possível associar a ascensão ao poder de tais governos ao contexto da Guerra Fria e, nesse sentido, identificá-los à influência norte-americana e ao objetivo prioritário de evitar o avanço da influência socialista no continente[1].

O segundo período em que a América do Sul mostrou claro predomínio de determinada linha político-ideológica foi na primeira década deste século. Começando por Hugo Chávez, que chegou à presidência da Venezuela em 1999, governantes declaradamente de esquerda foram sucessivamente conquistando o poder: no Brasil (Lula, em 2003), Argentina (Nestor Kirchner, em 2003), Uruguai (Tabaré Vasquez, em 2005), Chile (Michelle Bachelet, em 2006), Bolívia (Evo Morales, em 2006), Equador (Rafael Correa, em 2007), e Paraguai (Fernando Lugo, em 2008)[2].

O quadro que se apresenta agora no continente sul-americano revela, além da acentuada divisão político-ideológica, dificuldades socioeconômicas agravadas pela pandemia do novo coronavírus, insatisfações e rebeliões populares no Chile, no Paraguai, na Venezuela e na Colômbia, sem contar seguidos focos de instabilidade provocados pelos presidentes do Brasil e da Argentina.

Como se vê, embora os organismos internacionais e respeitados analistas projetem taxas positivas de crescimento econômico em vários países da região em 2021, a divisão político-ideológica e as dificuldades de governança deverão continuar dominando o cenário por algum tempo.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referência webgráfica

JORDÃO, Fernando. América do Sul vive ‘empate’ entre esquerda e direita. Disponível em https://www.sbtnews.com.br/noticia/mundo/170347-america-do-sul-vive-empate-entre-esquerda-e-direita-veja-mapa.

Referência cinematográfica

Título: Estado de Sítio

Título Original: État de Siege

Direção: Costa-Gavras

Elenco: Yves Montand, Jacques Weber, Renato Salvatori…

Ano de produção: 1973

Duração: 119 minutos

[1] O apoio norte-americano aos governos militares na América Latina se tornou conhecido pelo nome de Operação Condor, formalizada em reunião secreta realizada em Santiago do Chile no final de outubro de 1975. Tal operação consistiu na aliança entre as ditaduras instaladas nos países do Cone Sul na década de 1970 – Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, com presença esporádica de Peru, Equador, Colômbia e Venezuela – para a realização coordenada de ações para neutralizar e reprimir os grupos que se opunham aos regimes militares montados na América Latina. Sob a coordenação da CIA, desempenhou papel importante até a onda de redemocratização ocorrida na década de 1980. Vale a pena assistir ao filme Estado de Sítio, do diretor Costa-Gavras, em especial o trecho em que agentes de países sul-americanos recebem treinamento de tortura ministrados pela CIA.

[2] O avanço dos partidos de esquerda na América Latina teve amplo apoio do Foro de São Paulo, uma organização formada por partidos e movimentos políticos de esquerda latino-americanos e caribenhos, identificados com um posicionamento antineoliberal e anti-imperialista e em favor da integração econômica, social, política e cultural da América Latina e Caribe. É uma grande família da qual fazem parte diversas correntes político-ideológicas, ou famílias, da esquerda latino-americana, criado com forte influência de Fidel Castro, Luiz Inacio Lula da Silva e Hugo Chávez.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado