s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Criativo que se leva muito a sério não merece ser levado a sério

Criativo que se leva muito a sério não merece ser levado a sério

Henrique Szklo - Iscas Criativas -

Muitos dos que trabalham com criatividade no dia-a-dia costumam sofrer de delírios relacionados à sua relevância para a sociedade e para a raça humana, mesmo que não se conheça uma razão palpável para tamanho orgulho. Opinião da mãe não serve. Entendo que o trabalho criativo é muito desgastante. Trabalha-se diariamente com o subjetivo e a dúvida acaba se tornando uma parceira incômoda, porém imprescindível. Sem contar a legião de palpiteiros que se sente no direito de julgar o trabalho, sem que muitas vezes tenham condições nem critério para tanto. Como uma forma de defesa de sua integridade profissional, os criativos acabam por se fechar e, para impedir as pessoas de ultrapassar a linha amarela inadvertidamente, vestem uma carapaça que toma a forma de arrogância, ou prepotência, como queira. Mais do que acreditar no próprio talento, esse comportamento denota justamente o oposto: insegurança. Não gostamos de ouvir opiniões que questionem nosso trabalho, principalmente se lá no fundo concordemos com elas.

Criativos que têm uma segurança relativa com relação à qualidade de seu trabalho, em geral, não desenvolvem esse comportamento beligerante. Não sentem necessidade de criar esse campo de força de antipatia. Os criativos do baixo clero são os que geralmente fazem questão de vestir a fantasia de gênio que tão claramente não lhes cabe.

Quando somos jovens, este deslize é até perdoável. Nos comportamos como idiotas egocêntricos, mas o tempo acaba por nos ensinar a dura lição: você está mais para um reles mortal do que para um deus. Os que resistem ao aprendizado, entretanto, acabam recrudescendo seu modus operandi, desenvolvendo um tipo bem mais grave de distúrbio comportamental: a tendência de se levar muito a sério. Para um criativo, se levar a sério demais é o oitavo pecado capital. A morte da fantasia.

Ser humilde demais é tão deletério quanto ser arrogante

Com razão, ninguém gosta de gente prepotente, mas a humildade em excesso também não faz um bom papel. É bom deixar claro que existem dois tipos de humildade: a segura e a insegura. A humildade segura é justamente relacionada às pessoas que citei acima: têm talento em uma determinada área, mas por serem suficientemente seguras de seu potencial, não saem por aí cuspindo genialidade na cara dos outros.

Já a humildade insegura é a daquele pobre coitado que por diversas razões tem quase vergonha de existir. Não como classe social, condição financeira, origem, capacidade intelectual, educação. São apenas atributos psicológicos que ocorrem por uma infinidade de fatores. Certamente, quando ouvimos que é preciso ser humilde, estão se referindo à humildade segura. Do contrário estaríamos estimulando as pessoas a se rebaixarem para serem aceitos.

O problema é que tanto a arrogância quanto a humildade são comportamentos que independem de nossa vontade consciente. Ninguém é humilde ou prepotente porque quer. Não existe curso de humildade. É um aprendizado que se dá numa longa jornada cognitiva e não por uma simples decisão racional. Terapia também ajuda. Mas tudo, como sempre, começa com a consciência da necessidade de mudar. O resto é sangue e suor.

Existem 3 questões que me fazem acreditar que a pessoa que se leva muito a sério perde sua capacidade de criar:

1) Criar é mergulhar para dentro de si mesmo e voltar para contar o que viu

Quem se leva a sério demais provavelmente tem sérios problemas em lidar com o erro, com as dúvidas. Tem pavor de falhar. Um pequeno deslize pode botar tudo a perder e ferir seriamente seu prestígio (que prestígio?). Não, não se pode permitir tamanha desonra.

Quando você se leva muito a sério, fica claro que está fechando os olhos para metade de você que, diga-se, é tão importante quanto a outra. É fundamental que reconheçamos e prestigiemos nossas qualidades, mas não podemos nos dar ao luxo de enfrentar o lado negro da força. Defeitos devem ser enfrentados e administrados com galhardia e tranquilidade. Não se pode eleva-los à condição de sina maldita nem tampouco ignorá-los. Precisamos olhar direto no olho do monstro se quisermos domesticá-lo. São nossas duas forças lutando exaustivamente para manter-nos vivos. O vento não sopra apenas para um lado. É o tal equilíbrio do universo segundo o taoísmo: Yin e Yang.

Reconheço que é muito difícil lidar com nosso lado repugnante. A maioria das pessoas sequer ousa pensar nisso. Esse contato incômodo se dá mergulhando pra dentro de si mesmo. Nas suas profundezas você vai encontrar belezas inimagináveis, mas principalmente feiuras insuportáveis a olho nu. Lidar com a própria formosura é fácil demais. Já olhar para seu lado sórdido e conseguir manter a altivez é para poucos. É o tal do autoconhecimento que, feliz ou infelizmente, só se dá na base do sacrifício.

O grande criativo, aquele fora da curva, pode até ser arrogante, mas certamente não se leva a sério demais. Nem conseguiria. Ele sabe de coisas que o impede de tamanho delírio. Ao contrário. Sabem que são falíveis e lidam com isso – bem ou mal – mas não se furtam em penetrar a caverna escura. Os gênios criativos da humanidade só chegaram ao panteão por fazer esta viagem com uma frequência assustadora para a maioria de nós mortais. Ao invés de passeios do ego, caminharam até suas almas atormentadas. Não por escolha, mas por necessidade psicológica. Várias pesquisas científicas, a propósito, apontam a alta criatividade como provável resultado de distúrbios mentais. Ou vice-versa.

2) Se levar muito a sério é menosprezar o humor

Em geral, as pessoas muito criativas têm senso de humor apurado. O humor é uma forma de expurgo dos pecados, de exorcismo das perturbações da mente, de diminuição do impacto das frustrações que a vida inevitavelmente nos presenteia. É o antídoto para o desconforto inerente à viagem interna. É a consciência dolorosa de nossa insistente falhabilidade que nos faz prestar mais atenção aos detalhes. O senso de humor tem a função primordial de desafiar e provocar Deus em sua perfeição improvável.

Aquele que não é capaz de rir de si mesmo não passa de um chato

Criativo que se leva a sério demais não admite o humor como virtude e sim como brincadeira, imaturidade. Não se dá conta de que utilizar o humor como ferramenta não quer dizer que o trabalho não seja sério. Ao contrário. É uma ferramenta poderosíssima de transmissão de conhecimento e simplificação de mensagens. Sem contar que ativa os hormônios que nos provocam prazer, como a dopamina.

3) Pessoa que se leva muito a sério não sabe brincar

A pessoa criativa também precisa alimentar o espirito infantil, continuar enxergando brinquedos onde eles não estão mais. Quem se leva muito a sério mantém sua criança interior sufocada, amordaçada em cárcere privado. Finge que ela não existe, que ela morreu. Não valoriza o lúdico, não dá espaço para imaginação e considera esta sua faceta como a negação da maturidade. Por isso, quando precisa criar, consegue apenas desenvolver ideias inofensivas e preguiçosas, na melhor das hipóteses.

Conclusão: o criativo que se leva muito a sério é uma contradição em termos.

 

Artigo postado originalmente no meu blog em fevereiro de 2020

Visite a Escola Nômade para Mentes Criativas

CONTRATE MINHA PALESTRA: whatsapp – 11 98466-0112 com Lena

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo