s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Crime? Tem certeza?

Crime? Tem certeza?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Em que mundo estamos, meu Deus? Até onde chegarão as patrulhas do politicamente correto? Aonde vai essa mania de encontrar “crimes gravíssimos” onde não há nada demais? Não sei quem ganha com isso, mas sei muito bem quem perde: Todo mundo. Chega desse coitadismo jeca, querendo proteger não-sei-quem de não-sei-quê a cada detalhe mínimo da vida. Chega dessa robotização nos costumes que nos empurra, mais e mais, para a idiotia total, para a histeria sem freios.

                        Atenção à foto acima: Para o movimento Negro É, não só é a foto de um criminoso, como é o exato momento do flagrante de delito de racismo, cometido pelo próprio, exaurido e comprovado.

                        Não, não é brincadeira. Não minha, pelo menos.

                       Essa imagem ilustra o cartaz de divulgação da peça “Satã – Um show para Madame”, espetáculo teatral ficto-biográfico revivendo as estripulias do icônico carioca Madame Satã (1900-1976), tido como o primeiro travesti, assumidérrimo, a fazer sucesso nas casas noturnas brasileiras nas décadas de 30 e 40. Pois, segundo o movimento Negro É, o ator/produtor retratado acima, Leandro Melo, é um criminoso contumaz; teve a audácia, o desplante, o desrespeito de ser um ator branco atuando no papel de um personagem histórico negro. E tem mais: com requintes de crueldade, Leandro “ousa” aparecer maquiado na foto, com o rosto metade vermelho e metade preto.

                       Difícil de entender? Pois é. Como advogado, sempre estranhei crimes que precisam ser “explicados” para causar revolta. Se é crime, é automaticamente tão aviltante, tão repulsivo, que dispensa apresentações ao respeitável público. Crime não é atração de circo. Enfim, o mencionado movimento “explica” qual o “crime” de Leandro: Racismo. Sim, nessa visão espantosa, Leandro é um criminoso, um racista. Vejamos a nota explicativa, a bula inquisitória emitida pelo tal grupo, na acusação contra o réu, devidamente condenado de antemão, adiantado no tempo e no espaço: “Não está fácil, se apropriam da história de um homem negro, usam blackface e querem nos ensinar sobre racismo”,

                       Primeiro: Leandro nunca pretendeu se apresentar de rosto pintado de negro. Foi apenas uma situação pictórica para destacar a imagem; tanto que metade de seu rosto era vermelho, obviamente remetendo à dualidade do nome artístico adotado pela personagem central, cujo nome verdadeiro era João Francisco dos Santos.

                       Segundo: Nunca se soube que um ator branco viver um personagem negro fosse racismo. Novidade total.

                       Terceiro: É bom lembrar aos incautos que acusar outrem, pura e simplesmente, de ser racista, portanto imputando-lhe ação delitiva, é calúnia – e isso sim é crime. Deu pra entender? Não é dado a ninguém julgar o próximo, atividade exclusiva do judiciário.

                       Quarto: O inventivo movimento deveria, na verdade, elogiar Leandro por enaltecer e tornar mais conhecida a figura polêmica de Madame Satã que, vivo estivesse, certamente debocharia dessa atitude absolutamente desnecessária, que fomenta justamente o contrário da causa que alega defender.

                       Quinto: O contrário pode? Otelo, o Mouro de Veneza, de Shakespeare, sempre é encenado com um negro como protagonista – mas que originalmente seria um árabe. E o que dizer da conhecida comédia As Branquelas, que semana sim, semana não, passa nas TVs aberta ou fechada? Nela, dois atores negros, totalmente maquiados, se fazem passar por duas jovens brancas, loiras, fúteis, abobalhadas, inúteis. Nunca, ninguém classificou isso como racismo – ainda bem, pois seria ridículo.

                        Sexto e último: Racismo é crime e deve ser combatido a todo tempo, a qualquer custo; mas não significa que por baixo de cada pedra há um racista vampirizando os pobres seres humanos de todas as cores. Muito menos num simples cartaz como esse. Racismo denota intenção; não pode ser travestido de armadilha para abocanhar qualquer desavisado por uma interpretação extremamente imaginativa.

                       Não será a primeira nem a última vez que esse naipe de exagero ocorre; é, infelizmente, comum que se enxergue um crime grave onde não há nada. Já tratei do assunto aqui, a respeito da campanha de uma conhecida marca de uísque: http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/consciencia-branca/

                       A piada é velha (uns garantem sua veracidade); um aluno de Sigmund Freud lhe pergunta se os muitos charutos fumados avidamente pelo famoso professor de psicanálise não seriam o tal símbolo fálico do qual sempre falava. Freud retrucou que, na imensa maioria das vezes, um charuto é apenas um charuto.

                       O politicamente correto está nos tornando insanos. Não se enxerga mais que um cartaz é apenas um cartaz?

crime_tem_certeza_img2

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes