s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Da arte de ser pessimista

Da arte de ser pessimista

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Previsões sempre fascinaram o ser humano. Seja mediante leitura de cartas ou palmas das mãos, seja tentando adivinhar qual será o clima amanhã, sempre surge alguém alegando ter o poder de antever acontecimentos da próxima semana ou do outro mês. Ocorre na meteorologia, na política, na medicina, e até na sala secreta de madame Zoraide, que tudo-sabe-e-tudo-vê em suas cartas de tarô. Alguns são bem intencionados, outros são simplesmente vigaristas. Vendedores de ilusão. Mas uma coisa é certa: Seja sempre um pessimista em suas previsões. O retorno é garantido.

A dinâmica é realmente simples: Se as previsões ruins estiverem corretas, basta inflar o peito e sorrir com aquele ar vencedor, dizendo “Viu? Bem que eu avisei!”. Porém, se a futurologia pessimista não se confirmar, é igualmente simples: Diga que a melhora aconteceu porque ouviram seus conselhos e alteraram a gestão do problema a tempo, além de que – o principal! – caso não o ouvissem, o resultado seria muito pior. Sucesso certeiro com qualquer resultado.

É exatamente essa a atual situação do Brasil. Todo mundo agora é cientista, com soluções infalíveis para a pandemia “coronária” e seus reflexos. Fatos? Que se danem os fatos, essa chatice que impede as boas intenções de funcionarem, dando às más seu lugar merecido na tragédia que já faz parte dos nossos dias. Os fatos, inexoráveis, se tornaram uma espécie de versão, e vice-versa. Isso não é um País, é um hospício.

Não adianta peneirar: Todos os governantes, com as raras exceções de sempre, são culpados por essa insanidade que corrói o País em duas frentes: A derrocada sanitária e a falência financeira. Talvez seja realmente hora para derrotismo total. Bolsonaro cada vez mais perdido, inconsequente, grosseiro, abrindo a boca quando não deve e manipulado pelos malucos filhos numerados. O STF brincando de Deus, como sempre, bem ao feitio da cúpula do Judiciário. Governadores ameaçando os que saírem de casa com uma hecatombe, praticamente um ataque de zumbis prestes a ocorrer. João Dória, governador de SP, anunciou solenemente que, ou suas diretrizes são milimetricamente seguidas, ou haverá pilhas de cadáveres nas ruas. Bruno Covas, prefeito paulistano, não só endossa o exagero doriano como comprou 38.000 (!) caixões para uso exclusivo da capital; o número exagerado diz tudo sobre a teoria do pessimismo – ou da farra resultante da ausência de licitações durante a pandemia. O prefeito de Manaus, pregando o apocalipse há semanas, não revela que o número de vagas nas UTI manauaras é insuficiente há anos. Ex-ministro da Saúde do desgoverno Lula, Arthur Chioro, cravou alto: Um milhão de mortos no Brasil. Demência pura, terrorismo estudado. A Folha de São Paulo apresentou um estudo falso com o mesmo número de vítimas fatais, e nem pediu desculpas quando a mentira foi exposta. O site The Intercept, folhetim lulista de extrema-esquerda, chutou um número estranhamente preciso: 478 mil. Nem Belzebu sabe de onde tiraram essa canalhice histérica. Alguém cobra coerência deles? Jamais: O jogo agora é chamar de herói, de visionário, quem for mais alarmista.

Os pessimistas vivem a repetir que as UTI estão lotadas e a Saúde está à beira do caos, como se estivessem num padrão alemão nos últimos 30 anos. Os hospitais estão em colapso há décadas, mas agora repetem isso como uma novidade habilmente diagnosticada por analistas extremamente sagazes.

Na verdade, o pessimismo se tornou sinônimo de “ciência”; se você discorda de algum dogma ditado pela turma do confinamento, é imediatamente declarado um genocida terraplanista e ponto final. É o esquema Dráuzio Varella: Um médico e repórter nas horas vagas que foi espantosamente guindado à condição de “cientista” só por repetir frases feitas na TV, sempre com um pessimismo exponencial, típico de prazer mórbido.

Nessa crise não tem santo. Todos são culpados, em maior ou menor grau, do presidente aos prefeitos. E não adianta a esquerda delirante ou o bolsonarismo fanático jogar pedra. Ninguém apresenta um plano decente de combate à doença e de retomada da Economia. Sabem apenas apontar um futuro catastrófico para qualquer um que não siga fielmente suas diretrizes. Alegam saber tudo, mas não garantem nada. Cara de pau espantosa.

A situação lembra uma antiga piada: No meio de uma praça, um velhinho dançava nu, usando chapéu de Napoleão e jogando pipocas coloridas para o alto. Perguntado por um policial qual seria a razão daquilo, explicou que era para afastar os rinocerontes assassinos. Surpreso, o guarda disse que não havia ali nenhum rinoceronte assassino. Com aquele sorriso triunfal, o velhinho sacramentou: “Claro, meu método é infalível!”

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes