s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Da urgência

Da urgência

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Da urgência
08/01/2016 00:00:00

Há alguns artigos que venho versando sobre o aspecto de como o cenário mundial foi redesenhado pelo fenômeno da transparência. Como por meio de redes sociais o fenômeno do controle social intenso se deflagrou gerando uma ilusão de onipresença na qual tudo e todos são visíveis. Nada mais é escondido, descrito em meu artigo sobre a transparência.

Associado a este fenômeno mundial a ideia de urgência a partir da década de 1970 toma conta da sociedade como uma marca registrada da pós modernidade. Tudo e todos são para ontem. O teor ansioso da forma de vida descrito por Raul Lopes Pedraza em ansiedade cultural, como uma forma titânica, o abissal arquetípico e o rompimento do cenário da noção de presente. O desdobramento da consciência, a dobra do tempo psíquico como cerne e alicerce de um mercado de consumo que se alastra a todas as situações que vão da religiosidade ao lazer. A tentativa ilusória da consciência pós moderna que se compraz na onipotência e onisciência tentando de forma vil e ineficaz controlar tudo e todos. Captar e devorar, todas as informações, livros, tendências, ritmos, lugares tudo ao alcance de dois toques em um aplicativo. tudo tão longe e tão perto… nas mãos o universo mas para onde mesmo é que se deve ir?

O vazio derivativo deste cenário da ansiedade cultural, nada mais é do que a força motriz do mercado de consumo, visto que um cliente satisfeito não consome e não movimenta o mercado. Insatisfação é o cenário que rege o marketing, as vendas, o consumo: do corpo, da moda; da religião; da segurança; dos imóveis; da tecnologia;… das ideologias políticas; o mercado das ilusões feitas de pseudo realidades, reencenadas na pseudo satisfação. Sorria e mostre se feliz, dentro de um status social que não lhe pertence, em uma vida que não é sua.

Um exemplo claro deste imponderável de nossa vida cotidiana atual esta na urgência programática de nossa política. De um lado uma psicose que em discurso fala de uma realidade de um país de primeiro mundo. O delírio da prosperidade, da marolinha, de bonança econômica… tudo depressa demais, sem planejamento, sem realidade, apenas discursos. Do outro lado a ansiedade, a urgência que chega atropelando tudo e todos… Cronos se manifesta e o rombo aparece gerando o tom de desespero dos últimos dias, o sentimento do pai que foi pra forca, de uma insanidade ideológica, na qual o besteirol é rearticulado discursivamente. Aliados viram inimigos de morte, e o grande capital do banco amigo vira o mote da luta que quer poder a qualquer custo. O fundador do partido o carrasco que pede sua cabeça:Helio Bicudo. O inimigo mora ao lado ou dorme consigo? Cuidado, tem veneno em seu prato de comida. Teu vizinho pode ser quem vai lhe empurrar precipício abaixo! Urgência infelizmente abre as portas da bestialidade, da falta de bom senso, da agressividade, da militância fanática que reproduz absurdos presa ao estado psicótico delineado: realidade para quem?  E esta é a marca de nossa pós modernidade. Sobreviver nestes tempos implica em temperança, prudência, planejamento, paciência senso de realidade e cautela… se quiser sobreviver neste caos instalado…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima