s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Da Virada

Da Virada

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

-Sobre a dissolução parte 1-

A primeira vez que ouvi que a Terra teria seu eixo virado foi em minha puberdade por volta de 1982. Seria um cataclismo de proporções inimagináveis. O mar invadiria a terra, o mundo como conhecemos acabaria e pouco do que existe restaria. Da puberdade à minha vida adulta sempre o mesmo mito ressurge no imaginário coletivo e vários fins apoteóticos apareceriam: na virada de 1999 para 2000; no cataclismo do tsunami no oceano Índico em 2004; em 2012 com o fim do calendário Maia.

Sempre apareceu e existiu  um maluco a bradar que a humanidade está no fim. E sempre existiram discípulos que abobadamente, para destilar sua raiva torciam que o fim chegasse, para então constituir a humanidade prometida, como povo eleito pelos céus. Mas virou?

Novamente nos deparamos com pessoas sem capacidade de percepção real dos movimentos subjetivos do universo, interpretando literalmente as coisas. Falando de portais dimensionais, de alienígenas, de fim de mundo, tentando dar um pequeno sentido à sua vida sem graça, pra poder talvez se diferenciar em alguma coisa não muito bem definida. Tudo bem, vou apanhar na rua pelo chefe da frota intergaláctica de Naimaizum.

Ao fazer uma reflexão sobre nosso momento histórico, em especial com o fim de 2014, vi que mundo do mundo que acreditava e conhecia que ele foi extinto. E nisto tudo virou. Eu um dia acreditei que a política teria conserto, que as manifestações populares talvez acordassem o gigante; que teríamos um governo que iria combater a corrupção; que a esquerda ao chegar no poder não se venderia a bancos, às empresas de telefonia, aos esquemas de lavagem de dinheiro de empreiteiras.

2014 foi um ano problemático. Foi o ano da humilhação:  dos 7 a 1 na derrota no futebol para a Alemanha; foi o ano de estampar a vergonha de ser brasileiro; de assistir diariamente nos noticiários mega esquemas de corrupção; foi o ano em que testemunhamos o fim do judiciário – que beneficiou os políticos do mensalão; foi o ano da certeza da impunidade para bandidos; um ano de arrocho de estagnação do crescimento, de dificuldade econômica; de recorde de arrecadação tributária e ao mesmo tempo do  desaparecimento deste dinheiro público. Ano em que a saúde se torna complicada e que a educação tem seus piores índices na história. Ano em que a esquerda dá lucro a autarquias como a FIFA, isentando a de tributação. 2014 foi o ano do fim, da queda das máscaras, da desculpa que não cola mais, da transparência, da evidência clara do lado oculto de cada um que foi posto em outdoor. Foi o ano de reeleger bandidos e de lhes dar a senha do cofre. Foi o ano em que o embate político evidenciou não existir escrúpulos e que as mentiras prevalecem.

Eu quero comemorar a chegada de 2015 para tentar esquecer o pesadelo de 2014. Talvez abrir uma garrafa de espumante pra gritar comemorando a subida de mais impostos neste  período. Nosso mundo virou, o que hoje ele é não sabemos, mas que os antigos discursos que já não existem, isto é o fato que teremos de lidar…

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima