s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Defendam Douglas também

Defendam Douglas também

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. Douglas pai está preso em Flórida Paulista e pediu para ir ao enterro do filho, assassinado pela dupla de monstros que aterrorizou a tranquila escola. Como preso, teria direito a se despedir do filho. Não pôde. Não havia escolta para levá-lo na viagem de 650 quilômetros até Suzano.

A LEP (lei de execuções penais) regula a vida do condenado durante o cumprimento da pena, até que pague sua dívida com a sociedade. Em seu artigo 120, prevê que o preso pode (atenção, PODE) acompanhar o funeral do cônjuge, filhos, pais ou irmãos. E só; a lista é taxativa. A lei não diz que o preso certamente irá, sob qualquer circunstância, ao funeral de seu ente querido. Então, Douglas pai, paciência. Há que se lamentar por seu filho, assassinado de forma cruel e covarde por dois monstros, mas você cometeu vários crimes e está pagando por ele desde 2010. Não seria possível deslocar toda uma força tarefa policial somente para você, numa distância tão grande, mesmo diante de um massacre de comoção internacional como o da escola estadual Raul Brasil. Triste, mas essa é a vida de um condenado à prisão no Brasil. Se a moda pega, o Brasil teria de bancar toda uma força aérea, um exército de escolta e uma imensa frota de veículos para levar e trazer presos de todos os cantos do País para participar de enterros. Simplesmente impossível, certo?

Mas nem sempre é assim. Não, senhor.

Curitiba dista 424 quilômetros de São Bernardo do Campo, em SP. Distância bem menor que os 650 quilômetros que Douglas pai topou percorrer num caminhão de presos para o último adeus a Douglas filho. Lula, preso na capital paranaense, conseguiu algo que a lei não prevê: Sair da cadeia para o funeral do neto. Essa situação simplesmente não existe no elenco taxativo da LEP. Mas Lula foi. Em avião cedido pelo governo do Paraná, e depois num helicóptero da polícia federal. Para esse deslocamento, o criminoso contou com um aparato de segurança digno de uma visita papal ou de um líder extraterrestre; muitos policiais garantiram seu adeus ao neto, e a abjeta cena de discurso sobre sua delirante “inocência”. O preso Lula, autor do maior desfalque de dinheiro público da história humana, não só foi favorecido por privilégios absolutamente inexplicáveis, nem ao menos sonhados por presos comuns, como ainda usou de forma absolutamente nauseante, revoltante, o cadáver de uma criança inocente para novamente se fazer de vítima diante de uma plateia de fanáticos cada vez mais reduzida.

O uso do funeral para alavancar Lula a qualquer custo ficou claro que seu ex-braço direito, Paulo Okamotto, chamou o velório de “festa”. Como disse meu amigo Carlão, o inconsciente traiu Okamotto. Pra quem não viu a imundície: https://www.youtube.com/watch?v=J6swFX_pBBc

Bom, nada melhor se poderia esperar diante dessa seita, dirigida com mão de ferro por um presidiário que ainda tem muita cana pra puxar.

Mas e os outros antigos defensores dos direitos dos presos? Dos direitos humanos, e de tudo que é sagradíssimo? Deviam se manifestar agora. Quando Lula solicitou sua saída, uma procissão dos melhores juristas do país guiou tese segundo a qual não só seria um direito “garantido” de qualquer preso (não é) como serviria de “exemplo” para que todos os outros engaiolados pudessem fazer o mesmo num momento tão triste. Em resumo, alegaram que faziam a defesa de Lula pensando mesmo nos mais pobres. O sarcasmo, bem como o riso, é livre, mesmo que reveladoramente involuntário como a “festa” de Okamotto.

Engraçado é ver todos aqueles defensores dos pobres caladíssimos diante da ausência de Douglas pai no enterro de Douglas filho. Onde estão os oportunistas defensores dos tais “direitos humanos”? Cadê as Marias do Rosário e tantos outros “lutadores da igualdade”, sempre em defesa das “vítimas da sociedade”? Parece que nesse caso todo mundo concorda que lugar de preso é na cadeia. Ou só às vezes?

Vitimismo oportunista só pode ser teatralmente utilizado pelo lulismo. O resto que se dane, procure seu advogado e vá chorar na cama do presídio. Esse é o recado da seita.

Nessas horas, os riquíssimos medalhões brasileiros que até anteontem bradavam por justiça “aos pobres” desaparecem sem pistas; por Lula, brandiam tratados internacionais, leis canônicas e o código de Hamurabi. Direito interplanetário foi ventilado, sem esquecer precedentes da justiça de Júpiter. Agora, sobra apenas a crueza da realidade. Incrível como, num caso como esse, até o mais aguerrido lulista, “defensor” das minorias só de fachada, quer mais é que pobre se exploda.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes