s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
Café Brasil 787 – Reações ao Cuzão
O Café Brasil anterior, o 786 – O Cuzão, rendeu, viu? ...

Ver mais

Café Brasil 786 – O cuzão.
Café Brasil 786 – O cuzão.
Cara, como é complicada a vida de podcaster, bicho! A ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Menos Marx, mais Mises
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Menos Marx, mais Mises  “Apesar de ainda ser muito pouco conhecido entre os jovens brasileiros em comparação com Karl Marx, o nome do economista austríaco Ludwig von Mises se tornou um dos ...

Ver mais

Você ‘tem fé’ no Estado democrático de direito?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Hoje, num grupo de professores, um velho colega me escreveu que “tem fé” no “Estado democrático de direito” e na “separação dos poderes”. Mas com uma ressalva: ...

Ver mais

Percepções diferentes na macro e na microeconomia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Percepções diferentes na macro e na microeconomia “Na economia, esperança e fé coexistem com grande pretensão científica e também um desejo profundo de respeitabilidade.” John Kenneth Galbraith ...

Ver mais

Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Cafezinho 423 – Capital social? Só se der lucro.
Estamos perdendo aquilo que o cientista político e ...

Ver mais

Cafezinho 422 – A política do ódio
Cafezinho 422 – A política do ódio
Não siga a maioria só porque é maioria. Não siga a moda ...

Ver mais

Cafezinho 421 – A normose
Cafezinho 421 – A normose
É confortante saber que somos normais, não é? Pois é. ...

Ver mais

Cafezinho 420 – A regra dos 30
Cafezinho 420 – A regra dos 30
Pé quente, cabeça fria, numa boa. Mas cuidado porque ...

Ver mais

Destaques da Aula 4 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Destaques da Aula 4 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Eduardo Ferrari - Resumos e Artigos -
Antes de mais nada cabe reforçar que o objetivo desta sequência de textos é chamar atenção para o conteúdo do curso do Professor Olavo de Carvalho, que pode ser acessado na página do Seminário de Filosofia. Os principais pontos da aula de 3h21min serão apresentados em menos de 5 minutos de leitura e não substituem de forma alguma a riquíssima experiência de assistir a uma aula completa do Professor.

No início da quarta aula do COF, em 18 de abril de 2009, o professor Olavo de Carvalho releu o parágrafo de Louis Lavelle que foi objeto de discussão na aula anterior, conforme comentado no Resumo da Aula 3.

Relembrando aqui (para não perder o fio da meada), o texto apresenta a constatação de que, na vida, há momentos de extremo contentamento que se intercalam com outros momentos em que nos sentimos solitários e miseráveis. Segundo Lavelle, quando vivemos os momentos ruins, precisamos ser capazes de reativar na memória e na vida real aqueles sentimentos positivos que vivemos nos momentos de iluminação. Ainda segundo Lavelle, todos os homens vivenciam esses momentos ímpares de pura felicidade, mas acabam deixando-se levar por preocupações e problemas do dia-a-dia, como se esses fossem a própria realidade, o que definitivamente não são. Pela primeira vez ao longo do curso, o professor menciona o conceito de unidade da consciência, construída com informações que acumulamos ao longo da vida, a qual percebemos como sendo o sentido da nossa existência. Essa consciência tende a se distanciar do mundo dos fatos e a se contrapor a eles. É como se tivéssemos impressa na nossa autoconsciência a direção a ser seguida rumo à Verdade. Essa espécie de sabedoria natural se contrapõe então às preocupações e problemas que, embora momentâneos, nos confundem e são considerados por nós como a expressão da realidade, em contrapartida ao nosso mundo interior, constituído de sonhos. Ao contrário, as preocupações externas deveriam ser entendidas como fugazes e irreais e o nosso autoconsciente como a representação mais próxima da nossa verdadeira realidade.
Acredito que a seguinte frase do professor Olavo, sintetiza o que estou tentando explicar: “Tudo aquilo que nos é mais próprio, íntimo e verdadeiro — tudo aquilo que é mais nós mesmos — é então condenado como se fosse uma ilusão, e as situações passageiras e ilusórias são entronizadas como se fossem a verdadeira realidade”. Esse entendimento está diretamente relacionado à definição tradicional de filosofia do Professor: “a busca da unidade do conhecimento na unidade da consciência e vice-versa”.
Em outra vertente, o Professor menciona que, embora a filosofia exija naturalmente muitos estudos, o fundamental é a atitude psicológica, espiritual e moral de continuar no caminho dos estudos com a máxima seriedade, como uma questão de vida ou morte. Isso mesmo, o foco deve ser o momento da morte! O que sobra de importante no momento final? Para ilustrar isso, o professor cita Georges Bernanos: “o risco que nós corremos não é o de morrer, mas o de morrer como imbecis”. Porém, as pressões que recebemos hoje em dia, que podem nos fazer perder o foco são maiores do que em qualquer época anterior da história, como a pressão dos horários, de ter momentos de lazer e vida social ativa, expectativa de ser bem sucedido profissional e financeiramente e ambições muito acima das capacidades. Umas das piores pressões é o medo de se sentir marginalizado e solitário. Esses medos agem como destruidores da unidade interior do ser. A defesa estaria não em vencer a sociedade, mas em impedir que ela o destrua mantendo a sua integridade. Também há pressão da família, dos colegas de trabalho e dos amigos. Ao citar o texto “O Imbecil Juvenil” , Olavo ressalta que um adolescente de quatorze anos teme mais a opinião dos seus colegas do que de seus pais, pois esses não são ameaças para ele enquanto aqueles irão reprová-lo cruelmente caso não siga os comportamentos esperados. Olavo sugere a leitura de livros do François Mauriac (1885-1970), romancista francês que escreveu “O Nó das Víboras (Le Noeud de Vipères)”, sobre a história de um homem muito rico que tendo certeza da própria morte percebe que a família deseja acelerar o processo para ficar logo com a grana dele. Ele então prepara uma espécie de vingança transferindo os seus bens a um terceiro e deixando a eles apenas um texto relatando as misérias que viveram juntos.
Também cita uma frase da autobiografia do Chesterton (1874-1936): “Os meus pais eram pessoas respeitáveis, porém honestas”, dando a entender quer as pessoas respeitáveis seriam as mais desonestas. Também cita como livros maravilhosos “O Apanhador no Campo de Centeio” de J. D. Salinger e Reflexões Autobiográficas, de Eric Voegelin (1901-1985).
Ao responder uma questão de um aluno, sobre ler com qualidade, Olavo menciona que para os fins do COF não é necessário interpretar obras literárias, mas interpretar situações reais à luz dos símbolos que as obras literárias fornecem. Quanto mais lemos mais pontos de comparação temos com a realidade. Ficamos por aqui, desejando que você tenha ficado no mínimo curioso sobre o conteúdo e a profundidade do COF. Imagem de autoria de Rafael Medeiros

Ver Todos os artigos de Eduardo Ferrari