s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Destaques da Aula 4 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Destaques da Aula 4 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Eduardo Ferrari - Resumos e Artigos -
Antes de mais nada cabe reforçar que o objetivo desta sequência de textos é chamar atenção para o conteúdo do curso do Professor Olavo de Carvalho, que pode ser acessado na página do Seminário de Filosofia. Os principais pontos da aula de 3h21min serão apresentados em menos de 5 minutos de leitura e não substituem de forma alguma a riquíssima experiência de assistir a uma aula completa do Professor.

No início da quarta aula do COF, em 18 de abril de 2009, o professor Olavo de Carvalho releu o parágrafo de Louis Lavelle que foi objeto de discussão na aula anterior, conforme comentado no Resumo da Aula 3.

Relembrando aqui (para não perder o fio da meada), o texto apresenta a constatação de que, na vida, há momentos de extremo contentamento que se intercalam com outros momentos em que nos sentimos solitários e miseráveis. Segundo Lavelle, quando vivemos os momentos ruins, precisamos ser capazes de reativar na memória e na vida real aqueles sentimentos positivos que vivemos nos momentos de iluminação. Ainda segundo Lavelle, todos os homens vivenciam esses momentos ímpares de pura felicidade, mas acabam deixando-se levar por preocupações e problemas do dia-a-dia, como se esses fossem a própria realidade, o que definitivamente não são. Pela primeira vez ao longo do curso, o professor menciona o conceito de unidade da consciência, construída com informações que acumulamos ao longo da vida, a qual percebemos como sendo o sentido da nossa existência. Essa consciência tende a se distanciar do mundo dos fatos e a se contrapor a eles. É como se tivéssemos impressa na nossa autoconsciência a direção a ser seguida rumo à Verdade. Essa espécie de sabedoria natural se contrapõe então às preocupações e problemas que, embora momentâneos, nos confundem e são considerados por nós como a expressão da realidade, em contrapartida ao nosso mundo interior, constituído de sonhos. Ao contrário, as preocupações externas deveriam ser entendidas como fugazes e irreais e o nosso autoconsciente como a representação mais próxima da nossa verdadeira realidade.
Acredito que a seguinte frase do professor Olavo, sintetiza o que estou tentando explicar: “Tudo aquilo que nos é mais próprio, íntimo e verdadeiro — tudo aquilo que é mais nós mesmos — é então condenado como se fosse uma ilusão, e as situações passageiras e ilusórias são entronizadas como se fossem a verdadeira realidade”. Esse entendimento está diretamente relacionado à definição tradicional de filosofia do Professor: “a busca da unidade do conhecimento na unidade da consciência e vice-versa”.
Em outra vertente, o Professor menciona que, embora a filosofia exija naturalmente muitos estudos, o fundamental é a atitude psicológica, espiritual e moral de continuar no caminho dos estudos com a máxima seriedade, como uma questão de vida ou morte. Isso mesmo, o foco deve ser o momento da morte! O que sobra de importante no momento final? Para ilustrar isso, o professor cita Georges Bernanos: “o risco que nós corremos não é o de morrer, mas o de morrer como imbecis”. Porém, as pressões que recebemos hoje em dia, que podem nos fazer perder o foco são maiores do que em qualquer época anterior da história, como a pressão dos horários, de ter momentos de lazer e vida social ativa, expectativa de ser bem sucedido profissional e financeiramente e ambições muito acima das capacidades. Umas das piores pressões é o medo de se sentir marginalizado e solitário. Esses medos agem como destruidores da unidade interior do ser. A defesa estaria não em vencer a sociedade, mas em impedir que ela o destrua mantendo a sua integridade. Também há pressão da família, dos colegas de trabalho e dos amigos. Ao citar o texto “O Imbecil Juvenil” , Olavo ressalta que um adolescente de quatorze anos teme mais a opinião dos seus colegas do que de seus pais, pois esses não são ameaças para ele enquanto aqueles irão reprová-lo cruelmente caso não siga os comportamentos esperados. Olavo sugere a leitura de livros do François Mauriac (1885-1970), romancista francês que escreveu “O Nó das Víboras (Le Noeud de Vipères)”, sobre a história de um homem muito rico que tendo certeza da própria morte percebe que a família deseja acelerar o processo para ficar logo com a grana dele. Ele então prepara uma espécie de vingança transferindo os seus bens a um terceiro e deixando a eles apenas um texto relatando as misérias que viveram juntos.
Também cita uma frase da autobiografia do Chesterton (1874-1936): “Os meus pais eram pessoas respeitáveis, porém honestas”, dando a entender quer as pessoas respeitáveis seriam as mais desonestas. Também cita como livros maravilhosos “O Apanhador no Campo de Centeio” de J. D. Salinger e Reflexões Autobiográficas, de Eric Voegelin (1901-1985).
Ao responder uma questão de um aluno, sobre ler com qualidade, Olavo menciona que para os fins do COF não é necessário interpretar obras literárias, mas interpretar situações reais à luz dos símbolos que as obras literárias fornecem. Quanto mais lemos mais pontos de comparação temos com a realidade. Ficamos por aqui, desejando que você tenha ficado no mínimo curioso sobre o conteúdo e a profundidade do COF. Imagem de autoria de Rafael Medeiros

Ver Todos os artigos de Eduardo Ferrari