s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Direita, volver!

Direita, volver!

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Direita, volver!

“O que testemunhamos hoje no Ocidente não são as dificuldades temporárias de um desenvolvimento progressivo; não se trata de ‘pausa’, mas de retrocesso. É o desmanche do mundo pós-1989. E o traço mais dramático da transformação em curso não é o surgimento de regimes autoritários, mas o fato de que, em muitos países ocidentais, é a própria natureza da democracia que está mudando.”

Ivan Krastev

No início de março, o colega Rubens Figueiredo publicou o artigo O dia em que o Brasil deu seta para a direita, tomando por base o livro O Brasil dobrou à direita – Uma radiografia da eleição de Bolsonaro em 2018.

A leitura do referido artigo me remeteu imediatamente ao livro Por que virei à direita, no qual três intelectuais – João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé e Denis Rosenfield – explicam os motivos de sua adesão ao pensamento conservador e liberal. Os relatos dos três intelectuais são corajosos e interessantes. Porém, a meu juízo, todos eles se preocuparam mais em apontar e condenar os problemas dos princípios políticos da esquerda ou mesmo nos péssimos resultados de experiências concretas de governos de esquerda, do que em valorizar os princípios conservadores e liberais, associados no texto ao pensamento de direita.

Como foi publicado em 2012, estávamos em pleno governo de Dilma Rousseff, eleita depois de dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, numa época de forte influência do PT e das ideias de esquerda. Um contexto completamente diferente do atual, em que o Brasil – e diversos outros países – são ou foram até recentemente governados por políticos e/ou partidos claramente de direita.

Nesse sentido, foi muito gratificante a leitura de A grande regressão, uma coletânea de artigos organizada por Heinrich Geiselberguer, que tem por subtítulo um debate internacional sobre os novos populismos e como enfrentá-los.

Embora políticos e regimes populistas existam à esquerda e à direita, todos os artigos do livro focalizam os novos populismos de direita, a brutalização da cultura política e o surgimento de demagogos autoritários.

A primeira coisa que me despertou a atenção foi o fato de muitos autores mencionarem em seus respectivos capítulos o clássico A grande transformação, de Karl Polanyi, que eu havia acabado de reler. Escrito em 1944, A grande transformação é um clássico da história econômica. Como assinala Donatella dela Porta, professora de ciência política e diretora do Centre on Social Movement Studies na Scuola Normale Superiore em Florença, no capítulo “Política progressista e regressiva no neoliberalismo tardio”:

O neoliberalismo e sua crise podem ser entendidos dentro de um contexto que o economista político Karl Polanyi descreveu como o duplo movimento no avanço do capitalismo: primeiro a sociedade vivencia um estímulo à mercantilização, seguida pela emergência de contramovimentos que buscam a seguridade social. Em sua obra fundamental, A grande transformação, Polanyi trata da primeira onda de liberalismo, no século XIX, mas os paralelos com a transformação neoliberal ocorrida nas últimas décadas do século XX também são evidentes. Polanyi alertou contra a transformação do trabalho, da terra e do dinheiro em mercadoria, que, se não fosse reprimida, acabaria destruindo a sociedade. […] Em sua análise, Polanyi se concentrou em uma série de formatos específicos que os contramovimentos (isto é, a mobilização de pessoas que se sentem traídas pelas mudanças tais como as produzidas pelo neoliberalismo) podem assumir. Esses contramovimentos, ele alegava, na verdade são movimentos reativos – ou seja, a postura deles é defensiva e conservadora.

Outo fator que me chamou positivamente a atenção no livro foi o fato de alguns autores não se limitarem a isso, mas procurarem apontar formas de enfrentar e solucionar os problemas decorrentes da adoção dessas práticas. É o caso, por exemplo, de David Van Reybrouck, escritor, dramaturgo, jornalista, arqueólogo e historiador belga. No seu capítulo intitulado “Caro presidente Juncker”, questiona, na forma de uma carta, os processos usuais de escolha dos governantes, normalmente eleições, plebiscitos e referendos, considerando-os inadequados ao momento. Para ele, “a delegação de poderes a representantes eleitos talvez tenha sido necessária no passado – quando as comunicações eram lentas e as informações, limitadas –, mas está em total descompasso com a maneira como os cidadãos interagem uns com os outros atualmente”.

Para corroborar sua posição, Van Reybrouck recorre a dois argumentos que estimulam a reflexão. Ambos vão ao âmago da democracia. No primeiro, toma por base o que está ocorrendo com a União Europeia, especialmente com o fenômeno do Brexit e outras ameaças de defecção.

O senhor sabe por que certa fase do projeto europeu chegou ao fim? Porque no passado, a União Europeia sempre esteve baseada no consenso: um consenso forjado entre s elites dominantes, que então o impunham às massas eleitorais. Mas a democracia tem menos a ver com consenso do que com conflito. E, para que ela funcione, importa menos solucionar os conflitos do que aprender a conviver com eles. A democracia procura lidar com os conflitos antes que eles degenerem em violência. Assim, em sua raiz, a democracia é a celebração do conflito – mas, no âmbito da EU, isso só acontece em doses mínimas. A leis europeias sempre pareceram mais ser fruto de acordos de cavalheiros do que produto de soluções conciliatórias a que as massas chegavam a duras penas.

No segundo, recorre a um acontecimento ocorrido na Irlanda e que poderia servir de exemplo para muitos outros países.

Vamos lá, presidente, o senhor precisa levar os europeus a sério. Deixe-os falar. Por que educar as massas se elas continuam sem poder falar? Veja o exemplo da Irlanda, a democracia mais inovadora da Europa. Há algumas semanas, um grupo de cem cidadão irlandeses, selecionados aleatoriamente, tomou posse na Assembleia dos Cidadãos. Eis aí um país que confia em seus cidadãos, em vez de temê-los. Durante um ano, eles discutirão cinco tópicos, entre os quais aborto, consultas populares e mudanças climáticas. Poderão ouvir tosos os especialistas que tenham interesse em consultar. Trata-se da segunda iniciativa desse tipo: entre 2-13 e 2014, em procedimento similar, um grupo de cidadãos irlandeses formulou recomendações de políticas públicas no tocante a ampla gama de assuntos, incluindo o casamento entre pessoas de mesmo sexo. O grupo elaborou uma proposta de reforma constitucional, posteriormente submetida a plebiscito. Foi a primeira vez na história moderna que uma Constituição foi modificada após as deliberações de uma amostra aleatória de cidadãos. Isto, sim, é praticar a democracia no século XXI.

Acabei me detendo apenas em dois dos dezesseis capítulos contidos no livro, o que não quer dizer que tenham sido os únicos que me agradaram. Longe disso. Diversos outros me levaram a refletir sobre as razões da proliferação de populistas de direita que chegaram quase simultaneamente ao poder em países da Europa, Ásia e Estados Unidos, como, por exemplo, Recep Tayyip Erdogan, na Turquia, Viktor Orbán, na Hungria, Andrzej Duda e Jaroslav Kaczynski, na Polônia, Narandra Modi, na Índia e Donald Trump, nos Estados Unidos. Entre os vários artigos, destaco o de autoria do búlgaro Ivan Krastev, presidente do Centro de Estratégias Liberais em Sófia, que tem o título de “Futuros majoritários” e o de Wolfgang Streeck, diretor do Instituto Max Planck, com o título de “O retorno dos reprimidos como início do fim do capitalismo neoliberal”.

A versão brasileira do livro inclui um capítulo final, de autoria do Prof. Renato Janine Ribeiro, intitulado “O Brasil voltou cinquenta anos em três”. Nele, Janine Ribeiro examina o que ele chama de retrocessos que tiveram lugar a partir do governo de Michel Temer e que seriam aprofundados no governo de Jair Bolsonaro (o artigo foi escrito em janeiro de 2019).

Num momento em que tantos temem pelo futuro da democracia no Brasil e em diversas partes do mundo, considero mais do que oportuna a leitura de A grande regressão.

 

 Iscas para ir mais fundo no assunto

 Referências bibliográficas e webgráficas

COUTINHO, João Pereira, PONDÉ, Luiz Felipe e ROSENFIELD, Denis. Por que virei à direita. São Paulo: Três Estrelas, 2012.

FIGUEIREDO, Rubens. O dia em que o Brasil deu seta para a direita. Disponível em https://espacodemocratico.org.br/artigos/o-dia-que-o-brasil-deu-seta-para-a-direita/.

GEISELBERGER, Heinrich (Organizador). A grande regressão: um debate internacional sobre os novos populismos e como enfrentá-los. São Paulo: Estação Liberdade, 2019.

NICOLAU, Jairo. O Brasil dobrou à direita: uma radiografia da eleição de Bolsonaro em 2018. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. Tradução de Fanny Wrobel. Rio de Janeiro: Campus, 1980.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado