s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Do respeito à lei

Do respeito à lei

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Não é preciso ser jurista pra ver o quanto é estapafúrdia a tese de anulação dos atos de Cunha, o do impeachment em especial, para o gosto do governo e do PT, dado o seu afastamento do mandato e da presidência da Câmara, decisão liminar do ministro Teori Zavascki referendada pelo pleno do STF nesta quinta.

O argumento matreiro – e por que não golpista – da AGU de José Eduardo Cardoso, não se sustenta legal e factualmente.

No momento da aceitação do pedido impeachment, Eduardo Cunha gozava de suas prerrogativas de presidente da Câmara. Não exercê-las para o acolhimento ou não do pedido de impeachment, é que seria “desvio de função”, como alega Cardoso no seu desesperado ofício de atestar como ilegal e imoral tudo o que escancare as ilegalidades de Dilma.

Além do mais, há um fato inegável que foram os votos de 376 deputados pela admissibilidade do pedido de impedimento.

A Câmara poderia recusar. Não o fez. Fez, sim, o contrário, levando o processo ao Senado. Tudo ritualizado pelo Supremo, detentor de todas as informações.

Anular as decisões de Cunha, dentro de suas prerrogativas, seria o mesmo que imaginar a anulação de todos os atos de Dilma se ela for afastada definitivamente ou condenada.

Anularam-se os de Collor? Não. Porque não se cassou sua candidatura, teoricamente o único caso capaz de invalidar um eleito.

Mesmo assim, até que se afaste ou se condene alguém, o réu se mantém no seu direito de defesa ou no exercício de seus direitos e prerrogativas. E isso é legal e regido por legislação própria que não condena ninguém até que sejam obedecidos todos os ritos e procedimentos do processo legal.

Ignorar isso tudo na defesa de teses estapafúrdias ao arrepio da lei, sob o desespero da causa perdida, é ignorar a Constituição, o Estado Democrático de Direito, o modus operandi do Congresso e, por que não dizer, a lógica.

Dilma, por ora, e os parlamentares até o final de seus mandatos foram eleitos e estão no exercício de suas funções até que a lei os tire de lá, goste-se ou não deles.

Assim como Cunha esteve até ontem.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto