s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Documentira

Documentira

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Até anteontem, os Estados Unidos eram o império do mal, a síntese de tudo de ruim que há no universo; um inferno habitado por seres inumanos, que massacram sul-americanos por puro prazer sádico, e cujo produto da indústria cinematográfica não passava de lixo enlatado a serviço da colonização mental de cucarachas abaixo do Equador. Em suma, o grande satã do Norte usava seus péssimos filmes como ferramenta imperialista, e devia ser combatido a qualquer custo.

Da noite para o dia, tudo mudou. Hollywood, a Meca do cinema, bem como seu prêmio maior, o Oscar, passaram a ser tratados pela lulada como apoteose do progressismo, liberdade e bom gosto. A partir de agora (veremos por quanto tempo), os EUA não servem só para Fernando Haddad, Manuela D’ávila, Márcia Tiburi e tantos lulistas-caviar fazerem compras. Agora, o cinema ianque e o american way of life são a quintessência da Justiça, tanto política quanto social. Vai durar pouco, mas assim é hoje.

O motivo? Um panfleto vermelhoide denominado “Democracia em Vertigem”, dirigido (!?) por Petra Costa (militante lulista confessa e milionária herdeira do grupo Andrade Gutierrez) foi indicado ao Oscar de melhor “documentário”. A lulada está em êxtase. Só rindo. Não é Documentário, nem sonho, nem mesmo pesadelo. É puro(a) Documentira. Típica destes tempos, nos quais a lulada repete uma mentira milhões de vezes para torná-la não uma verdade, mas pelo menos uma desculpa esfarrapada palatável para terminar qualquer discussão; por exemplo, a “falta de provas” nas condenações de Lula, o santo que enriqueceu, bem como seus filhos, por puro milagre.

Pois bem: O Documentira. Essa nova vertente de cinema, inspirada na escola soviético-cubana da mentira contada em escala industrial, foi construída sobre um ajuntamento de desculpinhas no intuito de fazer crer que o impeachment da pior presidente da História do Brasil foi apenas uma manobra suja, maldade dos ricos e poderosos. O Documentira (ou só Docu, pra facilitar) se esquece, convenientemente, que a lulada aplaudiu em pé o impeachment de Fernando Collor em 1992, e que o procedimento é legítimo. Também finge esquecer que os ricos e poderosos do País, de banqueiros a empreiteiros, apoiaram Lula e Dilma por 16 anos – sem olvidar toda a descoberta da Lava Jato. Bancos, empreiteiras, Petrobrás, políticos comprados (vendidos?) através de mesadas generosas de dinheiro público… Na visão do Docu, tudo isso é mentira. Dilma caiu porque estocava vento muito bem, e só.

Seguindo a cartilha lulista de desinformação a qualquer custo, só devotos da seita foram ouvidos no Documentira, embora todos os adversários sejam acusados de participar de um imaginário “golpe” que uniu judiciário, congresso, jornais, TV, população… ou seja, um complô de quase todos contra a pobre Dilminha, inocente em seu castelo construído com ferrugem vinda de Pasadena.

Docu não se lembra dos quatro anos de recessão brutal, do desemprego de 14% da população, dos empréstimos a fundo perdido fornecidos a ditaduras caloteiras, pedaladas fiscais, discursos ininteligíveis em Dilmês castiço, inflação de 11%, juros altíssimos pagos ao bancos em razão da dívida pública, nem da falência da Petrobrás. Tudo isso é bobagem. Detalhes tão pequenos de nós… duzentos milhões, Roberto.

O mais interessante, como lembrou o jornalista Josias de Souza, é quando Docu chega ao fim: Termina com um discursinho ridículo do condenado Lula da Silva durante a campanha de Fernando Haddad, o poste 2, à presidência. Diz o sujeitinho, nas derradeiras cenas, numa frase ridícula, piegas, ao estilo Che Guevara, que podem matar as rosas, mas não vão impedir a chegada da primavera, jactando a vitória deles nas eleições. Infelizmente, Docu não veio com o final completo, real: O povo rejeitou Haddad na presidência e Dilma no Senado. Para eles, veio apenas o inverno merecido.

Muito provavelmente, Docu não vai ganhar nada no Oscar, e a lulada poderá voltar ao ódio antiamericano eterno. Como sempre, vão alegar que “foi uma vitória”, e todas as outras desculpas que dão quando perdem. Lembrando o grande Roberto Campos, para a esquerda não há derrotas, só sucessos mal explicados.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes