s
Iscas Intelectuais
Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Café Brasil 768 – A Expedição Franklin
Como é que a gente age diante do desconhecido, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Café Brasil 767 – Sexo bom – Revisitado
Uma revisita a um programa de 2013 com um ponto de ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Fôlego novo para a equipe econômica?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Fôlego novo para a equipe econômica? Em março, ficamos sabendo que o crescimento negativo de 4,1% registrado em 2020 havia colocado o Brasil no 21° lugar num ranking de 50 países, segundo ...

Ver mais

Qual é o problema mais grave do Brasil?
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Qual é o problema mais grave do nosso país?   Vão dizer que é a corrupção. Vão dizer que é a criminalidade. Que é a desigualdade social, a qualidade dos nossos políticos, a ignorância da nossa ...

Ver mais

Externalidades
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Externalidades negativas ou positivas na economia mundial[1] O termo econômico “externalidade” tem origem no trabalho do economista britânico Alfred Marshall (1842-1924), professor de Economia ...

Ver mais

O nosso Olimpo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Brasileiro em geral não gosta muito de ler, infelizmente. Com a chegada do smartphone então… O celular faz-tudo é primeirão em qualquer aspecto, do prazer ao ócio total. Se os clássicos não ...

Ver mais

Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Cafezinho 383 – Dicas do tio Lu
Não sei quantos anos você tem, mas garanto que perdeu ...

Ver mais

Cafezinho 382 – Fazer o quê?
Cafezinho 382 – Fazer o quê?
“Fazer o quê?” é a marca registrada do fatalismo brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 381 – País-pererê
Cafezinho 381 – País-pererê
Esse é um trecho de um poema de Affonso Romano de ...

Ver mais

Cafezinho 380 – Minha vida naquela rua
Cafezinho 380 – Minha vida naquela rua
Não existe para mim essa história de “encerrar as ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são baseados em conjuntos de sintomas clínicos, e não em medidas objetivas de laboratório.” Aqui lemos um eco distante da crítica à instituição psiquiátrica feita por Thomas Szasz no artigo “The myth of mental illness” (de 1961!). https://www.technologyreview.com/2013/05/03/113597/nimh-will-drop-widely-used-psychiatry-manual/

Só que em vez de criticar por inteiro a idéia de doença mental, como fizera Szasz, Thomas Insel simplesmente decidiu estabelecer critérios científicos para diagnosticar esse tipo de “doença”.

Insel passou anos trabalhando com neurociência e com a genética das desordens mentais. Foram 20 bilhões de dólares que, segundo o próprio, só serviram pra financiar muitos artigos científicos inúteis. https://www.wired.com/2017/05/star-neuroscientist-tom-insel-leaves-google-spawned-verily-startup/

Agora ele se volta para as questões comportamentais. Mas existe uma petição de princípio aí: ele tentará, por exemplo, buscar os sinais da bipolaridade em pessoas diagnosticadas como bipolares. Fará um estudo de como 600 indivíduos usam o celular para descobrir padrões ligados à depressão, psicose e mania. Descobrirá e quantificará comportamentos que serão registrados como “doenças”, exatamente no sentido do DSM, mas agora com suporte matemático “objetivo”.

* * *

Como a ausência da cultura filosófica cria lacunas na pesquisa científica! Insel busca descobrir o que já está dado como princípio. A partir da suposição de que essas “doenças” realmente existem, estabelecerá, de modo “científico”, os comportamentos a elas associados.

A tese de Thomas Szazs, diferentemente da de Thomas Insel, é a de que existem “doenças”, ou seja, alterações na estrutura fisiológica que causam sofrimento e algum tipo de incapacidade, mas não existem “doenças mentais”. Aquilo a que chamamos de “doenças mentais” ou são comportamentos causados por mudanças na estrutura fisiológica, e neste caso são doenças “comuns”, ou não têm causas orgânicas rastreáveis e não podem ser identificadas por testes clínicos, mas somente pelo preenchimento de uma lista de comportamentos. Neste caso, Szasz afirma que não se tratam de “doenças”, mas de problemas de natureza psicossocial. Em suma: as “doenças mentais” ou são doenças comuns, fisiológicas, ou não são doenças; de qualquer modo, não há “doenças mentais” propriamente ditas.

* * *

Mas qual é a relevância dessa posição?

Ora, se não há “doenças mentais”, o DSM não faz sentido: ele não descreve “doenças”, mas classifica comportamentos. O problema, então, não é, como diz Thomas Insel, a baixa cientificidade do DSM: o problema é a sua própria existência, de acordo com a qual não existe nenhum ser humano mentalmente são – isto é, todos os seres humanos somos doentes mentais, e portanto precisamos todos nos submeter à instituição médica e à indústria farmacêutica.

* * *

Simão Bacamarte também descobriu que todos os habitantes de Itaguaí eram loucos. Todavia, ao contrário dos psiquiatras da American Psychiatric Association, ao menos teve o bom-senso para perceber que havia algo de errado com esse julgamento e que, no fim das contas, quem estava com as idéias perturbadas não eram os outros, mas ele mesmo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche