s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são baseados em conjuntos de sintomas clínicos, e não em medidas objetivas de laboratório.” Aqui lemos um eco distante da crítica à instituição psiquiátrica feita por Thomas Szasz no artigo “The myth of mental illness” (de 1961!). https://www.technologyreview.com/2013/05/03/113597/nimh-will-drop-widely-used-psychiatry-manual/

Só que em vez de criticar por inteiro a idéia de doença mental, como fizera Szasz, Thomas Insel simplesmente decidiu estabelecer critérios científicos para diagnosticar esse tipo de “doença”.

Insel passou anos trabalhando com neurociência e com a genética das desordens mentais. Foram 20 bilhões de dólares que, segundo o próprio, só serviram pra financiar muitos artigos científicos inúteis. https://www.wired.com/2017/05/star-neuroscientist-tom-insel-leaves-google-spawned-verily-startup/

Agora ele se volta para as questões comportamentais. Mas existe uma petição de princípio aí: ele tentará, por exemplo, buscar os sinais da bipolaridade em pessoas diagnosticadas como bipolares. Fará um estudo de como 600 indivíduos usam o celular para descobrir padrões ligados à depressão, psicose e mania. Descobrirá e quantificará comportamentos que serão registrados como “doenças”, exatamente no sentido do DSM, mas agora com suporte matemático “objetivo”.

* * *

Como a ausência da cultura filosófica cria lacunas na pesquisa científica! Insel busca descobrir o que já está dado como princípio. A partir da suposição de que essas “doenças” realmente existem, estabelecerá, de modo “científico”, os comportamentos a elas associados.

A tese de Thomas Szazs, diferentemente da de Thomas Insel, é a de que existem “doenças”, ou seja, alterações na estrutura fisiológica que causam sofrimento e algum tipo de incapacidade, mas não existem “doenças mentais”. Aquilo a que chamamos de “doenças mentais” ou são comportamentos causados por mudanças na estrutura fisiológica, e neste caso são doenças “comuns”, ou não têm causas orgânicas rastreáveis e não podem ser identificadas por testes clínicos, mas somente pelo preenchimento de uma lista de comportamentos. Neste caso, Szasz afirma que não se tratam de “doenças”, mas de problemas de natureza psicossocial. Em suma: as “doenças mentais” ou são doenças comuns, fisiológicas, ou não são doenças; de qualquer modo, não há “doenças mentais” propriamente ditas.

* * *

Mas qual é a relevância dessa posição?

Ora, se não há “doenças mentais”, o DSM não faz sentido: ele não descreve “doenças”, mas classifica comportamentos. O problema, então, não é, como diz Thomas Insel, a baixa cientificidade do DSM: o problema é a sua própria existência, de acordo com a qual não existe nenhum ser humano mentalmente são – isto é, todos os seres humanos somos doentes mentais, e portanto precisamos todos nos submeter à instituição médica e à indústria farmacêutica.

* * *

Simão Bacamarte também descobriu que todos os habitantes de Itaguaí eram loucos. Todavia, ao contrário dos psiquiatras da American Psychiatric Association, ao menos teve o bom-senso para perceber que havia algo de errado com esse julgamento e que, no fim das contas, quem estava com as idéias perturbadas não eram os outros, mas ele mesmo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche