s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 777 – Polarização Política
Café Brasil 777 – Polarização Política
Se você não vive em Plutão, já sacou como a polarização ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Cafezinho 404 – Mantenha-se lúcido.
Que tal recuperar a lucidez? Perceber as mentiras, os ...

Ver mais

Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Cafezinho 403 – A teoria do banheiro mijado.
Eu nunca me conformei de, ao entrar num banheiro, me ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são baseados em conjuntos de sintomas clínicos, e não em medidas objetivas de laboratório.” Aqui lemos um eco distante da crítica à instituição psiquiátrica feita por Thomas Szasz no artigo “The myth of mental illness” (de 1961!). https://www.technologyreview.com/2013/05/03/113597/nimh-will-drop-widely-used-psychiatry-manual/

Só que em vez de criticar por inteiro a idéia de doença mental, como fizera Szasz, Thomas Insel simplesmente decidiu estabelecer critérios científicos para diagnosticar esse tipo de “doença”.

Insel passou anos trabalhando com neurociência e com a genética das desordens mentais. Foram 20 bilhões de dólares que, segundo o próprio, só serviram pra financiar muitos artigos científicos inúteis. https://www.wired.com/2017/05/star-neuroscientist-tom-insel-leaves-google-spawned-verily-startup/

Agora ele se volta para as questões comportamentais. Mas existe uma petição de princípio aí: ele tentará, por exemplo, buscar os sinais da bipolaridade em pessoas diagnosticadas como bipolares. Fará um estudo de como 600 indivíduos usam o celular para descobrir padrões ligados à depressão, psicose e mania. Descobrirá e quantificará comportamentos que serão registrados como “doenças”, exatamente no sentido do DSM, mas agora com suporte matemático “objetivo”.

* * *

Como a ausência da cultura filosófica cria lacunas na pesquisa científica! Insel busca descobrir o que já está dado como princípio. A partir da suposição de que essas “doenças” realmente existem, estabelecerá, de modo “científico”, os comportamentos a elas associados.

A tese de Thomas Szazs, diferentemente da de Thomas Insel, é a de que existem “doenças”, ou seja, alterações na estrutura fisiológica que causam sofrimento e algum tipo de incapacidade, mas não existem “doenças mentais”. Aquilo a que chamamos de “doenças mentais” ou são comportamentos causados por mudanças na estrutura fisiológica, e neste caso são doenças “comuns”, ou não têm causas orgânicas rastreáveis e não podem ser identificadas por testes clínicos, mas somente pelo preenchimento de uma lista de comportamentos. Neste caso, Szasz afirma que não se tratam de “doenças”, mas de problemas de natureza psicossocial. Em suma: as “doenças mentais” ou são doenças comuns, fisiológicas, ou não são doenças; de qualquer modo, não há “doenças mentais” propriamente ditas.

* * *

Mas qual é a relevância dessa posição?

Ora, se não há “doenças mentais”, o DSM não faz sentido: ele não descreve “doenças”, mas classifica comportamentos. O problema, então, não é, como diz Thomas Insel, a baixa cientificidade do DSM: o problema é a sua própria existência, de acordo com a qual não existe nenhum ser humano mentalmente são – isto é, todos os seres humanos somos doentes mentais, e portanto precisamos todos nos submeter à instituição médica e à indústria farmacêutica.

* * *

Simão Bacamarte também descobriu que todos os habitantes de Itaguaí eram loucos. Todavia, ao contrário dos psiquiatras da American Psychiatric Association, ao menos teve o bom-senso para perceber que havia algo de errado com esse julgamento e que, no fim das contas, quem estava com as idéias perturbadas não eram os outros, mas ele mesmo.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche