s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

É milagre, Crivella?

É milagre, Crivella?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Rio de Janeiro continua lindo Gil, e complicado; mais do que isso, espantoso. Não dá pra entender a razão pela qual os fluminenses elegem gente (latu sensu, ófi córsi) como Anthony Garotinho, sua esposa Rosinha, Sérgio Cabral e outros desse naipe. A bola da vez (no mau sentido) é o notório Marcelo Crivella, eleito prefeito dos cariocas.

Sim, claro… nós paulistas não podemos apontar o dedo sujo; afinal, elegemos Paulo Maluf, Fleury Filho, Fernando Haddad e outros da classe dos imperdoáveis sem explicação plausível.

Mas os fluminenses (principalmente os cariocas) parecem insistir nessa mania de rolar morro abaixo (no bom e no mau sentido) através de administrações variando do sofrível ao inaceitável. Com um agravante: Alguns dos mencionados se acreditam bafejados por Deus, arautos do Senhor, uma espécie de caixa postal (e também registradora) dos Céus. Nós paulistas, ao menos, somos vítimas de meros amantes declarados do vil metal. Até agora. Os praianos dirigentes vizinhos querem também arregimentar a fé dos populares, numa versão tupiniquim da estratégia Hearts & Minds utilizada pelos americanos na guerra do Vietnã – se bem que no caso de Garotinho & Cia eles acrescentaram fé, bolsos e carteiras ao rol de vitórias a alcançar perante o inimigo otário – opa, digo, eleitores. Isso simplesmente não pode continuar. Não dá mais. Religião não é política – ou ao menos não deveria ser. A César o que é de César, como deixou claro o grande Sábio.

Crivella partiu pro regaço: Sem medo de ser feliz, foi gravado prometendo (e cometendo) favores especiais a colegas pastores de sua religião, igreja e base eleitoral garantindo passe livre para furar a fila dos doentes à espera de cirurgia na cidade do Rio (entre outros absurdos), para que todos se locupletassem com a gratidão que inevitavelmente viria dos pobres coitados tangidos como gado por essa gente. O áudio vazou, graças a Deus (ou ao diabo, segundo Crivella) e pudemos conhecer a real face desse senhor que utiliza qualquer tipo de manobra arrivista. Muito corretamente, a oposição municipal encurralou o santo pecador em seu milagre da multiplicação de cirurgias, e Crivella está por um triz de ser impichado do cargo de prefeito. Exatamente como Michel Temer fez no Congresso, está tentando fugir da justiça humana (afinal, afirma ter o monopólio da divina) distribuindo cargos e favores para os oportunistas de plantão (com trocadilho para um certo plantonista do judiciário) na tentativa de manter-se no cargo. A tática não é nova, mas costuma funcionar, para indignação dos honestos.

Falando nessa rara e estreita fatia dos honestos, mantenho há anos boa amizade com um xará e colega do Rio, carioca da gema; como ele não deixa de lembrar, com toda a razão, a cidade é uma das mais lindas do mundo – mas a feiúra moral de seus governantes está desmentindo até a Natureza. A que ponto chegamos, xará. Vocês não merecem, nem nós, nem ninguém.

Antes que os apressadinhos de sempre se manifestem, ninguém está pregando sublevação religiosa, ou modernas Cruzadas, volta da Inquisição, intolerância a algum tipo de crença, muito menos outra Noite de São Bartolomeu (se não conhecer, deixe de ser preguicento e localize no Google). Mas é inacreditável que se utilize qualquer religião para justificar imundícies praticadas por políticos injustificáveis. Trata-se de uma – medianamente – nova ideologia disfarçada, na qual Deus deixa de ter qualquer participação, apesar dos veementes álibis contrários. Que o digam os milhares de cariocas prejudicados, morrendo nas filas à espera de uma cirurgia renal, oftalmológica, ortopédica ou outra qualquer. Justiça para eles. Humana, terrena, mundana, comum, dos homens, mas Justiça, não ilusões metafísicas gerando óbolos polpudos e votos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes