Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

É milagre, Crivella?

É milagre, Crivella?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Rio de Janeiro continua lindo Gil, e complicado; mais do que isso, espantoso. Não dá pra entender a razão pela qual os fluminenses elegem gente (latu sensu, ófi córsi) como Anthony Garotinho, sua esposa Rosinha, Sérgio Cabral e outros desse naipe. A bola da vez (no mau sentido) é o notório Marcelo Crivella, eleito prefeito dos cariocas.

Sim, claro… nós paulistas não podemos apontar o dedo sujo; afinal, elegemos Paulo Maluf, Fleury Filho, Fernando Haddad e outros da classe dos imperdoáveis sem explicação plausível.

Mas os fluminenses (principalmente os cariocas) parecem insistir nessa mania de rolar morro abaixo (no bom e no mau sentido) através de administrações variando do sofrível ao inaceitável. Com um agravante: Alguns dos mencionados se acreditam bafejados por Deus, arautos do Senhor, uma espécie de caixa postal (e também registradora) dos Céus. Nós paulistas, ao menos, somos vítimas de meros amantes declarados do vil metal. Até agora. Os praianos dirigentes vizinhos querem também arregimentar a fé dos populares, numa versão tupiniquim da estratégia Hearts & Minds utilizada pelos americanos na guerra do Vietnã – se bem que no caso de Garotinho & Cia eles acrescentaram fé, bolsos e carteiras ao rol de vitórias a alcançar perante o inimigo otário – opa, digo, eleitores. Isso simplesmente não pode continuar. Não dá mais. Religião não é política – ou ao menos não deveria ser. A César o que é de César, como deixou claro o grande Sábio.

Crivella partiu pro regaço: Sem medo de ser feliz, foi gravado prometendo (e cometendo) favores especiais a colegas pastores de sua religião, igreja e base eleitoral garantindo passe livre para furar a fila dos doentes à espera de cirurgia na cidade do Rio (entre outros absurdos), para que todos se locupletassem com a gratidão que inevitavelmente viria dos pobres coitados tangidos como gado por essa gente. O áudio vazou, graças a Deus (ou ao diabo, segundo Crivella) e pudemos conhecer a real face desse senhor que utiliza qualquer tipo de manobra arrivista. Muito corretamente, a oposição municipal encurralou o santo pecador em seu milagre da multiplicação de cirurgias, e Crivella está por um triz de ser impichado do cargo de prefeito. Exatamente como Michel Temer fez no Congresso, está tentando fugir da justiça humana (afinal, afirma ter o monopólio da divina) distribuindo cargos e favores para os oportunistas de plantão (com trocadilho para um certo plantonista do judiciário) na tentativa de manter-se no cargo. A tática não é nova, mas costuma funcionar, para indignação dos honestos.

Falando nessa rara e estreita fatia dos honestos, mantenho há anos boa amizade com um xará e colega do Rio, carioca da gema; como ele não deixa de lembrar, com toda a razão, a cidade é uma das mais lindas do mundo – mas a feiúra moral de seus governantes está desmentindo até a Natureza. A que ponto chegamos, xará. Vocês não merecem, nem nós, nem ninguém.

Antes que os apressadinhos de sempre se manifestem, ninguém está pregando sublevação religiosa, ou modernas Cruzadas, volta da Inquisição, intolerância a algum tipo de crença, muito menos outra Noite de São Bartolomeu (se não conhecer, deixe de ser preguicento e localize no Google). Mas é inacreditável que se utilize qualquer religião para justificar imundícies praticadas por políticos injustificáveis. Trata-se de uma – medianamente – nova ideologia disfarçada, na qual Deus deixa de ter qualquer participação, apesar dos veementes álibis contrários. Que o digam os milhares de cariocas prejudicados, morrendo nas filas à espera de uma cirurgia renal, oftalmológica, ortopédica ou outra qualquer. Justiça para eles. Humana, terrena, mundana, comum, dos homens, mas Justiça, não ilusões metafísicas gerando óbolos polpudos e votos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes