s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

E se fosse diferente?

E se fosse diferente?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A esquerda em geral, e oportunistas em particular, usaram a morte da vereadora carioca Marielle Franco, assassinada a tiros em 14/03, como palanque; e da forma mais vitimista possível. É óbvio que os assassinos devem ser encontrados, julgados e apodrecer na cadeia; mas usaram a morte dessa pobre mulher como munição contra algo que classificam como “extrema direita” – inexistente no Brasil. Se “ser de direita” já é praticamente um crime de pensamento, que dirá pertencer ao seu extremo. Enfim: Tratam a morte de Marielle como crime político maquinado por Temer, FHC e qualquer outro que não goste de Lula ou seu séquito de babões. Esqueceram convenientemente que crime político, queima de arquivo, foi a morte de Celso Daniel, que ia abrir a boca sobre fatos que só descobrimos com o advento da Lava Jato. Mas isso é outro assunto, morto e enterrado, com ou sem trocadilho.

Não se sabe quem matou Marielle, mas suponhamos, como alega a extrema esquerda (essa sim em índices epidêmicos aqui na Banânia), que os mandantes do crime foram Sérgio Moro, Donald Trump, FHC, Temer, o fantasma de Médici e outros que o momento possa sugerir, e que foi executado pela CIA, FBI, Exército Brasileiro e Polícia, todos juntos, babando de alegria por exterminar uma pobre mulher por puro prazer.

Vamos supor que esse bando de assassinos monstruosos, golpistas e sei-lá-mais-o-que sejam identificados como responsáveis pelo crime. E suponhamos que isso ocorra neste mês. Um inquérito policial seria aberto e que, em meio a perícias, análises de filmes, objetos, cápsulas de balas e testemunhas variadas, bem como inquiridos todos os bandidões neonazistas-racistas-genocidas-misóginos declarados, a investigação fosse concluída em um ou dois anos. Gleisi Hoffman, Lindbergh Farias, Maria do Rosário, Paulo Pimenta e toda a claque lulista estaria pedindo prisão imediata de todos eles, se possível sua decapitação com um machado pouco afiado pra aumentar o suplício dos infelizes. De preferência com Jean Wyllys recitando discursos de Fidel Castro ao megafone, à sombra de uma estátua de Stalin, esse apóstolo incompreendido.

E suponhamos que o ministério público denuncie esses vilões de filme de terror, sendo a denúncia aceita, e depois de uns 400 recursos de seus advogados (que a extrema esquerda vai chamar de bandidos, cafajestes, imundos, defensores de assassinos e etc), julgados, saia uma sentença em uns 10 ou 12 anos. Daí, novos recursos, uns 893 no mínimo, com juízes xingados e agredidos publicamente mas contando com o apoio de jornais-TVs-mídias (todas obviamente escravos dos EUA e odiando pobres, índios e nordestinos) e em mais uns 14 anos o processo chegaria, em 27 carretas, ao STJ, com todos os monstruosos assassinos e mandantes livres como pássaros. Mais uns 5 anos, e as carretas, agora em número de 43, levariam esse mar de papel ao STF, aguardando mais uma chuva de recursos, alguns deles importados do direito  islandês e tasmaniano. Lá, depois de uma intoxicação de papel, liminares, discursos e perorações intermináveis, bem como a leitura do parecer escrito por um ET advogado vindo de Saturno, o processo seria finalizado com uma sessão corrida de 17 dias, na qual 2 dos 11 ministros morreriam de exaustão, e outros 4.645 espectadores de pura chatice. Então, finalmente, em 2051, viria a condenação final. Ufa. Mas nada de prender ninguém. A lulada, Dilma à frente, recorreria à ONU, à banda da marinha da Bolívia e à associação de bairros de Piratininga denunciando demora proposital no julgamento. Os russos aplaudiriam o discurso de Dilminha, achando que ela falava em coreano; os coreanos do norte também, mas crendo que ela discursava em russo. Sucesso total.

No transcurso de todos esses anos, a extrema esquerda gritaria, berraria, esgoelaria, aqui e no exterior, nas ruas e nas mídias “progressistas” guevaristas-lulistas-cubânicas que essa demora toda era só para inocentar tais monstros, que os juízes eram comprados e os promotores nazistas, a polícia federal formada por torturadores sem coração; artistas “engajados”, militantes “ativistas” exigiriam o enforcamento imediato de todos – depois de linchados, obviamente – porque essa coisa de julgamento não passa de mania burguesa, muito chata. As luletes cacarejariam sobre a demora ser apenas álibi para atingir a prescrição e a impunidade, esse terror legalizado, aproveitado só por bandidos. Histéricos, repetiriam todo santo dia que bandido não pode ficar fora da cadeia, ou seja, prisão imediata dos assassinos; se desse, escalpelados. Até serem lembrados que a justiça estava cumprindo exatamente o que eles defendiam como privilégio exclusivo de Lula: Prisão só em ultimíssima instância, depois de percorridos todos os Tribunais e consultado o fantasma de Lênin no terreiro de Pai Chávez de Ogumzovitch.

Aí, nos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos dos embargos, a plêiade nazi-imperialista seria totalmente inocentada. Motivo? A alegação, acolhida, de não serem criminosos; apenas fizeram o que todo mundo faz, vítimas de uma sociedade corrupta contaminando as pessoas, originalmente puras como anjos.

Sinal trocado, como na matemática ginasiana, essa insanidade, esse hospício jurídico, é tudo que a esquerda defende em prol de Lula como fosse a coisa mais correta do mundo. Mas aí seria justiça de primeiríssima qualidade, companheiro. Injustiça é só no caso de “nós” (eles) perderem, e “eles” (nós) vencermos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes