s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Economia comportamental em evidência

Economia comportamental em evidência

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Economia comportamental em evidência

Richard Thaler é laureado com o Nobel de Economia

Richard Thaler

“Para fazer uma boa análise em economia, deve-se ter em mente que as pessoas são humanas.”
Richard Thaler

Pinceladas iniciais

Com a concessão do Nobel a Richard Thaler, no dia 9 de outubro último, o Banco Central da Suécia, responsável pela indicação do Prêmio Nobel de Economia, reforçou o prestígio da linha de pesquisa conhecida como economia comportamental.

Antes de examinar especificamente as contribuições de Thaler, gostaria de fazer duas observações preliminares, referentes à premiação: (i) uma vez mais o Nobel de Economia foi concedido a um professor da Universidade de Chicago, aquela que foi mais vezes laureada com o referido prêmio; (ii) representou também, uma vez mais, o reconhecimento da relevância da economia comportamental, pela qual foram anteriormente laureados Herbert Simon, em 1978, Vernon Smith e Daniel Kahneman em 2002, e Angus Deaton, em 2015, especialista numa ramificação da economia comportamental, as finanças comportamentais.

Ainda nessas primeiras pinceladas, creio que vale a pena fazer uma interessante observação acerca das peculiaridades da economia, notadamente no que se refere ao perigo das rotulações.

A Universidade de Chicago, que, como já mencionei, é uma das que mais vezes teve seus economistas laureados com o Nobel, é considerada reduto do pensamento liberal e, mais especificamente, da corrente monetarista. Nos meios acadêmicos, a expressão “Escola de Chicago” é na maior parte das vezes associada à corrente monetarista. No entanto, Robert Lucas, que revolucionou a teoria macroeconômica, recebendo o Nobel em 1995 “pela sua formulação da teoria das expectativas racionais sobre o comportamento dos diferentes participantes nas atividades econômicas”, adotou uma perspectiva bem diferente da monetarista, embora baseada na racionalidade das decisões dos agentes econômicos (homo economicus). Poucos anos depois, Vernon Smith, da mesma universidade, dividiu o Nobel de Economia com o psicólogo Daniel Kahneman, chamando a atenção para o fato de que nem sempre as decisões dos agentes são as mais racionais.

Economia comportamental

A economia comportamental, que possui uma série de ramificações, entre as quais psicologia econômica, finanças comportamentais, neuroeconomia e até teoria dos jogos, constitui-se numa linha de pesquisa que aproxima fortemente a economia e a psicologia. Carlos Eduardo Mauro, economista formado pela FAAP e que dirige o Laboratório de Economia Comportamental e Experimental (BEO Lab) da Escola de Negócios da Universidade Católica do Porto, em Portugal, em artigo assinado com a Profª Ana Salomé, alerta:

O comportamento humano é tão determinante para a economia, quanto a água é para a água de coco. “Ação Humana” e “Agente Econômico” são conceitos centrais na ciência econômica. Qualquer economista, na sua missão de explicar, prever e/ou alterar comportamentos humanos, tem de associar-se a uma concepção de agência humana. Os modelos e as políticas baseadas na concepção de agência racional, que produz inferências acerca de como os agentes pensam, as razões das suas ações, ou como vão agir, falham com frequência, pelo que deveremos ser permeáveis a pensamentos diferentes sobre o que leva os agentes a agir.

Na sequência, esclarece:

A economia comportamental fornece um conjunto psicologicamente mais realista de instrumentos de compreensão da ação humana, permitindo-nos explicar comportamentos previamente identificados como irracionais pela chamada Economia Neoclássica, que, diferentemente do que se imaginava, são frequentes, economicamente relevantes e previsíveis. Os economistas comportamentais olham os seres humanos, na sua dimensão real, para lá de paradigmas categóricos sobre a racionalidade e idealistas quando ao agente. Não dizem que somos irracionais, tampouco dizem que somos racionais de modo apriorístico e generalizado.

Em síntese, a economia comportamental questiona um dos princípios básicos da corrente econômica predominante na ciência econômica (mainstream), segundo o qual o agente econômico é um ser racional, perfeitamente informado e centrado em si próprio, um ser que deseja riqueza, evita trabalho desnecessário e tem a capacidade de decidir de forma a atingir seus objetivos.

A maior contribuição de Richard Thaler

Além de ter incorporado às suas análises econômicas pressupostos psicologicamnte realistas às decisões dos agentes econômicos, explicando que tais decisões são afetadas pela racionalidade limitada, pelas referências sociais e pela falta de autocontrole, Thaler desenvolveu a teoria da contabilidade mental, na qual fica clara a influência da neuroeconomia.

De acordo com a contabilidade mental, as pessoas simplificam a tomada de decisões financeiras por meio de contas separadas em suas mentes, verificando sempre o impacto individual de cada decisão e não o efeito geral. Dessa forma, Thaler foi muito feliz ao descrever como organizamos e tomamos decisões criando contabilidades diferentes na nossa mente que, não raras vezes, nos enganam e nos fazem perder dinheiro.

Principais expoentes

Afora os já mencionados laureados com o Nobel – Herbert Simon, Daniel Kahneman, Vernon Smith, Angus Deaton e, agora, Richard Thaler – a economia comportamental tem entre seus principais expoentes Dan Ariely, autor do best seller Previsivelmente irracional, Alain Samson, Chris Starmer, Shlomo Bernatzi e Dean Karlan.

Na aplicação da economia comportamental à formulação de políticas públicas, merecem destaque as contribuições de Cass Sunstein, Daniel Read e Nick Chater.

No Brasil, as professoras Flávia Ávila (UnB e ESPM) e Ana Maria Bianchi (FEA-USP), ofereceram enorme contribuição aos estudos da economia comportamental ao organizarem o livro Guia de Economia Comportamental e Experimental, reunindo contribuições de nomes destacados tanto no cenário nacional como internacional.

Guia de Economia Comportamental e Experimental

Vale mencionar, além dos autores incluídos no referido livro, as pesquisas e publicações do já citado Carlos Eduardo Mauro (radicado há anos em Portugal). E, por fim, mas não menos importante, para efeito de ampla divulgação muito têm contribuído as intervenções de Samy Dana no Jornal da Globo, baseadas nas finanças comportamentais.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

ARIELY, Dan. Previsivelmente irracional: as forças ocultas que formam as nossas decisões. Tradução de Jussara Simões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

ÁVILA, Flávia e BIANCHI, Ana Maria (Organizadoras). Guia de Economia Comportamental e Experimental. São Paulo: EconomiaComportamental.org, 2015.

DELFIM NETTO, Antonio e ARAÚJO, Aloísio P. Robert Lucas, o Prêmio Nobel que todos aguardavam. Ideias Liberais, ano III, nº 38, 1995.

GUANDALINI, Giuliano. Um tapinha não dói. Veja, 18 de outubro de 2017, p. 64.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Tradução de Cássio de Arantes Leite. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

MAURO, Carlos Eduardo e SALOMÉ, Ana. Economia Comportamental. Economistas, revista do Conselho Federal de Economia – COFECON, ano VII, nº 19, março de 2016, pp. 58-62.

SHILLER, Robert J. e AKERLOF, George. O espírito animal: como a psicologia humana impulsiona a economia e a sua importância para a economia global. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

THALER, Richard e SUNSTEIN, Cass. Nudge: o empurrão para a coisa certa. Tradução de Marcello Lino. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

Referências e indicações webgráficas

Damos importância demais ao presente (e isso é um erro): este Nobel explica o por quê. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2017/10/10/economia/1507644381_971684.html.

Richard Thaler e a economia comportamental. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=PUojUi0bMyk.

Richard Thaler ganha o prêmio Nobel de Economia 2017. Disponível em http://www.cofecon.gov.br/2017/10/09/richard-thaler-ganha-o-premio-nobel-de-economia-2017/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado