s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
John Williamson e o “Consenso de Washington” “O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria ...

Ver mais

Comércio Eletrônico no Brasil e que fazer em 2021
Michel Torres
No início de abril passávamos pela primeira experiência de fechamento do comércio na maioria das cidades no Brasil em função da pandemia do COVID-19. Esse grande desafio global estava apenas ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
“Notícia” é tudo aquilo que o jornalista ou editor ...

Ver mais

Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Não tenho tempo de vida para amizades supérfluas.

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial

Efeito da pandemia na economia mundial

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Efeito da pandemia na economia mundial

“O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro caísse mais de 10%, assim como o da Grã-Bretanha e o da França que caíram próximo disso.”

Bruno Musa

 À medida que os diferentes países vão divulgando suas taxas de crescimento econômico em 2020, torna-se mais claro o terrível impacto da pandemia do coronavírus na economia mundial.

Embora nem todos os países tenham apresentado números definitivos, a China deverá ser o único país com desempenho positivo em 2020, ainda que num patamar muito distante do que o mundo se acostumou a ver desde as reformas introduzidas por Deng Xiaoping a partir de 1979. Por mais de três décadas, o país teve um crescimento médio em torno de 10% ao ano, caindo para algo em torno de 6,5% a 7,5% nos últimos anos, naquilo que se convencionou chamar de novo normal.

Como se pode ver na tabela 1, os outros 11 países considerados na amostra registraram crescimento econômico negativo, apesar dos esforços de seus governos que despejaram volumes consideráveis de recursos na economia por meio de programas emergenciais, cujos impactos fiscais só serão conhecidos daqui para frente.

O desempenho do Brasil de -4,10%, embora melhor do que as previsões de meados do ano passado que chegavam a -8 ou 9%, revela a prorrogação de um longo período com crescimento pífio, muito abaixo do potencial, razão pela qual o País encontra-se num patamar inferior ao do início da década passada, como bem observou o Prof. Roberto Macedo em seu artigo Prossegue a tragédia do PIB brasileiro, publicado dia 4 de março em O Estado de S. Paulo[1]. 

Tabela 1

Desempenho comparado

Países Selecionados

País Crescimento do PIB 2020[2] Crescimento do PIB 2009[3]
China 1.97%* 9,10%
Estados Unidos -3,50% -2,60%
Brasil -4,10% -0,20%
Japão -4,80% -5,20%
Alemanha -4,90% -4,70%
Rússia -5,05% -7,90%
Colômbia -6,80% 0,80%
Bolívia -7,33%* 6,10%
México -8,50%* -6,30%
Reino Unido -9,90% -5,00%
Espanha -11,00% -3,70%
Argentina -12,31%* 0,90%
*Dados não fechados. Estimativas do Banco Mundial.
Elaboração do autor

Os dados deixam claro que o impacto da pandemia da Covid-19 foi muito mais severo do que o da crise econômico-financeira de 2007/2008, que teve origem no sistema hipotecário norte-americano (conhecida como crise da subprime), alastrando-se posteriormente para diversas outras economias, considerada, na época, a mais grave crise da economia mundial desde a Grande Depressão iniciada com o crash da Bolsa de Nova York em 1929 e que se prolongou por praticamente toda a década de 1930.

Observando-se os dados referentes a 3009 na tabela 1, constata-se que além da China, que manteve um crescimento de 9,10% – alavancando o desempenho médio da economia mundial –, três outros países da amostra, Colômbia, Bolívia e Argentina, também apresentaram crescimento econômico positivo. Se a amostra fosse maior, seria possível constatar o bom desempenho de outros países, como a Índia, por exemplo, que em 2009 já dava os passos iniciais do crescimento acelerado dos anos seguintes, em alguns dos quais superou o crescimento chinês, despertando a atenção de analistas e organismos multilaterais[4].

Mesmo considerando que os maus desempenhos de 2009 e 2020 têm motivações diferentes, parece inegável que se pode atribuir ao processo de globalização parcela da responsabilidade pela disseminação da crise. Se em 2009, o efeito pôde não ter sido tão sentido em países menos sujeitos às oscilações do sistema financeiro internacional, agora em 2020 o efeito provocado pelo elevado volume de viagens internacionais explica a rápida trajetória de contaminação, sobretudo em países cujas populações viajam com frequência, profissionalmente ou a lazer.

Considerando que a motivação para viajar não deverá desaparecer, retornando aos patamares pré-pandemia – ou algo próximo disso – assim que as pessoas se sentirem mais seguras, é fundamental que o mundo esteja preparado para enfrentar esse tipo de efeito colateral da globalização, que nós, economistas, costumamos chamar de externalidade negativa.

 

 Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências bibliográficas e webgráficas 

DRÈZE, Jean e SEN, Amartya. Glória incerta: a Índia e suas contradições. Tradução de Ricardo Doninelli Mendes e Laila Coutinho. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MACEDO, Roberto. Prossegue a tragédia do PIB brasileiro. O Estado de S. Paulo, 4 de março de 2021, p. A 3.

MUSA, Bruno. ‘Com pandemia PIB cai 4,1% no Brasil em 2020’. Entrevista para revista Voto. Disponível em https://www.revistavoto.com.br/com-pandemia-pib-cai-41-no-brasil-em-2020/.

[1] Não há dúvida de que o péssimo desempenho dos anos de 2015 e 2016, na gestão da presidente Dilma Rousseff, teve contribuição decisiva para isso.

[2] Os dados referentes a 2020 têm como fonte o Banco Mundial e os Bancos Centrais e estão disponíveis em https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/03/03/desempenho-do-pib-do-brasil-em-2020-supera-o-de-latinos-e-europeus-mas-pais-deve-ficar-para-tras-este-ano.ghtml.

[3] Os dados referentes a 2009 foram obtidos no Index Mundi e estão disponíveis em https://www.indexmundi.com/g/g.aspx?c=ch&v=66&l=pt.

[4] No excelente livro Glória incerta, Jean Drèze e Amartya Sen chamam a atenção para o fato de que as expressivas taxas de crescimento econômico da Índia não devem mascarar as enormes desigualdades sociais e regionais, responsáveis pela manutenção de um contingente considerável da população vivendo em níveis de extrema pobreza.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado