Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Eles podem, nós não?

Eles podem, nós não?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ninguém mais se lembra do caso Salman Rushdie, aquele escritor britânico de origem indiana. Em 1989 o Aiatolá Ruhollah Khomeini, psicopata mandatário da teocracia iraniana, acusou Rushdie de crime de apostasia, condenando-o à morte por seu livro Versos Satânicos; lançou contra ele uma fatwa, sentença religiosa que obrigava qualquer muçulmano a matá-lo com licença do Aiatolá doidão, como se fossem uma gangue de James Bonds de turbante que não bebem uísque. Os politicamente corretos embrionários e a esquerda em geral apoiaram, em menor ou maior grau, a demência pseudo-islâmica. Ali começava uma nova e triste tendência: A união das esquerdas com o Islã e os pais (avós?) da ridícula onda politicamente correta, todos contra os cristãos. A censura assassina dava o tom: Qualquer livro, sátira, cartum, discurso, desenho, comentário ou pensamento que essa gente classificasse como “ofensiva”, deveria ser vingado com sangue cristão, preferencialmente ocidental e católico. Era a morte do livre pensamento e o nascimento de facções terroristas muçulmanas, cujo único intuito era destruir o homem-branco-ocidental-cristão-democrata. Declaração da barbárie, em poucas palavras.

Anos depois, veio o caso Charlie Hebdo, jornal satírico francês que enfrentava tudo e todos; católicos, conservadores, judeus, comunistas, qualquer um era alvo das piadas do semanal de comicidade ácida e anárquica – até o dia em que os coitados “ousaram” fazer piada com Maomé. Em 2006, republicaram charges originalmente criadas um ano antes por outro jornal dinamarquês. Os cartuns eram até leves, comparados aos que eles faziam ridicularizando católicos (um deles, na capa, mostrava vários cardeais sodomizando-se mutuamente numa roda durante a eleição papal), mas foi o suficiente para gerar sentença de morte coletiva contra os integrantes do jornal. Depois de vários pequenos atentados, veio a chacina de 2015, deixando 12 mortos (sendo dois policiais) e cinco feridos graves. O mundo livre imediatamente externou sua revolta contra essa insanidade.

Mas só o mundo livre; no Brasil, a lulada apoiou e até comemorou secretamente o atentado terrorista. Afinal, a “culpa”, alegavam, era dos jornalistas que “não respeitaram” os muçulmanos, que “zombaram” da fé islâmica, e por isso mereciam mesmo morrer. Desnecessário lembrar que artistas (aqueles mesmos de sempre) recriminaram o “exagero” dos franceses; alguns, menos contidos, defenderam abertamente os terroristas islâmicos, alegando que os cartunistas pediram pra morrer. É bom lembrar que Dilma, mesmo lamentando levemente o ataque, pediu “diálogo” com os terroristas do Estado Islâmico durante discurso (risos) na ONU em 2015. Bom, nada absurdo pra quem defendeu, da mesma tribuna, a estocagem de vento. Valha-me Senhor.

Essa mesma lulada e esses mesmos artistas acham muito natural e louvável que algo que chamam de “arte” ofenda católicos e demais cristãos, conspurcando a imagem de Jesus e de Nossa Senhora. Aí, segundo eles, trata-se de “liberdade de pensamento” e outras imbecilidades. E quem defende o contrário é “nazista”, “fascista” “censor”. Então tá.

Antes que algum apressadinho de sempre venha lançar as mesmas pedras também de sempre, é bom deixar claro que ninguém aqui defende a censura, de nenhum tipo. Mas é incrível que essa gente classifique sátira aos muçulmanos como crime, e contra os cristãos como “liberdade de expressão” ou “arte”. É um excelente exemplo da demência do politicamente correto, que é pouco mais que massa de manobra de uma esquerda que faliu no mundo inteiro, mas continua viva no Brasil, com o inacreditável apoio de setores da Igreja Católica.

Em resumo: Atacar cristãos, na visão convenientemente míope dessa gente, é coragem, arte, liberdade. Contra qualquer outra religião, é crime passível de execução. Uma piada sobre qualquer religião sincrética ou maometana, e o mundo acaba; Caetanos Velosos e Sabatéllicos da vida e lulistas da morte se uniriam contra o “racismo e a intolerância”, uivando de ódio contra os “fascistas”. Mas se for contra cristão, se achincalha Jesus, soca a botina que é tudo lindo e maravilhoso. Taí as exposições de “arte” em Porto Alegre e Em São Paulo, que tanta polêmica causaram e comprovam essa constatação.

Essa gente é contra censura – a eles. Contra nós, é justiça caetânica, mais sem sentido que letra de Djavan. Mais: Vamos ver se os “corajosos” fariam o mesmo com a figura de Maomé. Principalmente em um país muçulmano. Pimenta no Islã dos outros é refresco, militante?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes