s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Eles podem, nós não?

Eles podem, nós não?

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ninguém mais se lembra do caso Salman Rushdie, aquele escritor britânico de origem indiana. Em 1989 o Aiatolá Ruhollah Khomeini, psicopata mandatário da teocracia iraniana, acusou Rushdie de crime de apostasia, condenando-o à morte por seu livro Versos Satânicos; lançou contra ele uma fatwa, sentença religiosa que obrigava qualquer muçulmano a matá-lo com licença do Aiatolá doidão, como se fossem uma gangue de James Bonds de turbante que não bebem uísque. Os politicamente corretos embrionários e a esquerda em geral apoiaram, em menor ou maior grau, a demência pseudo-islâmica. Ali começava uma nova e triste tendência: A união das esquerdas com o Islã e os pais (avós?) da ridícula onda politicamente correta, todos contra os cristãos. A censura assassina dava o tom: Qualquer livro, sátira, cartum, discurso, desenho, comentário ou pensamento que essa gente classificasse como “ofensiva”, deveria ser vingado com sangue cristão, preferencialmente ocidental e católico. Era a morte do livre pensamento e o nascimento de facções terroristas muçulmanas, cujo único intuito era destruir o homem-branco-ocidental-cristão-democrata. Declaração da barbárie, em poucas palavras.

Anos depois, veio o caso Charlie Hebdo, jornal satírico francês que enfrentava tudo e todos; católicos, conservadores, judeus, comunistas, qualquer um era alvo das piadas do semanal de comicidade ácida e anárquica – até o dia em que os coitados “ousaram” fazer piada com Maomé. Em 2006, republicaram charges originalmente criadas um ano antes por outro jornal dinamarquês. Os cartuns eram até leves, comparados aos que eles faziam ridicularizando católicos (um deles, na capa, mostrava vários cardeais sodomizando-se mutuamente numa roda durante a eleição papal), mas foi o suficiente para gerar sentença de morte coletiva contra os integrantes do jornal. Depois de vários pequenos atentados, veio a chacina de 2015, deixando 12 mortos (sendo dois policiais) e cinco feridos graves. O mundo livre imediatamente externou sua revolta contra essa insanidade.

Mas só o mundo livre; no Brasil, a lulada apoiou e até comemorou secretamente o atentado terrorista. Afinal, a “culpa”, alegavam, era dos jornalistas que “não respeitaram” os muçulmanos, que “zombaram” da fé islâmica, e por isso mereciam mesmo morrer. Desnecessário lembrar que artistas (aqueles mesmos de sempre) recriminaram o “exagero” dos franceses; alguns, menos contidos, defenderam abertamente os terroristas islâmicos, alegando que os cartunistas pediram pra morrer. É bom lembrar que Dilma, mesmo lamentando levemente o ataque, pediu “diálogo” com os terroristas do Estado Islâmico durante discurso (risos) na ONU em 2015. Bom, nada absurdo pra quem defendeu, da mesma tribuna, a estocagem de vento. Valha-me Senhor.

Essa mesma lulada e esses mesmos artistas acham muito natural e louvável que algo que chamam de “arte” ofenda católicos e demais cristãos, conspurcando a imagem de Jesus e de Nossa Senhora. Aí, segundo eles, trata-se de “liberdade de pensamento” e outras imbecilidades. E quem defende o contrário é “nazista”, “fascista” “censor”. Então tá.

Antes que algum apressadinho de sempre venha lançar as mesmas pedras também de sempre, é bom deixar claro que ninguém aqui defende a censura, de nenhum tipo. Mas é incrível que essa gente classifique sátira aos muçulmanos como crime, e contra os cristãos como “liberdade de expressão” ou “arte”. É um excelente exemplo da demência do politicamente correto, que é pouco mais que massa de manobra de uma esquerda que faliu no mundo inteiro, mas continua viva no Brasil, com o inacreditável apoio de setores da Igreja Católica.

Em resumo: Atacar cristãos, na visão convenientemente míope dessa gente, é coragem, arte, liberdade. Contra qualquer outra religião, é crime passível de execução. Uma piada sobre qualquer religião sincrética ou maometana, e o mundo acaba; Caetanos Velosos e Sabatéllicos da vida e lulistas da morte se uniriam contra o “racismo e a intolerância”, uivando de ódio contra os “fascistas”. Mas se for contra cristão, se achincalha Jesus, soca a botina que é tudo lindo e maravilhoso. Taí as exposições de “arte” em Porto Alegre e Em São Paulo, que tanta polêmica causaram e comprovam essa constatação.

Essa gente é contra censura – a eles. Contra nós, é justiça caetânica, mais sem sentido que letra de Djavan. Mais: Vamos ver se os “corajosos” fariam o mesmo com a figura de Maomé. Principalmente em um país muçulmano. Pimenta no Islã dos outros é refresco, militante?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes