s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Filé do Moraes

Filé do Moraes

Minas Kuyumjian - Memórias do Fracasso -

FILÉdomoraes

 

FILÉ DO MORAES

 

 

O filé do Moraes, prato famoso em São Paulo e hoje também em muitas cidades brasileiras, é um “tarugo” de filé mignon de 500 gramas, mal passado e alho e óleo. Foi criado em 1929 pelo português Salvador Domingos Vidal, que com seu irmão Manuel Pereira fundou, em 1914, na rua Conselheiro Crispiniano (centro de São Paulo), o “Restaurante Esplanadinha”, chamado pelos frequentadores de ‘Bife Sujo’ – pois funcionava 24 horas por dia e a limpeza era precária, feita com os clientes sendo atendidos. Contam que Salvador era mal educado, se recusava a servir chope sem colarinho e quem insistisse ouvia impropérios.

 

Em 1929, Salvador Vidal entrou como sócio do “Bar, Café e Confeitaria Moraes”, na praça Júlio Mesquita, e o restaurante mudou para o local. Segundo fontes da própria empresa é a razão do nome do prato. Segundo outras fontes o nome “filé do Moraes” deve-se ao chapeiro do restaurante, que tinha este nome e os clientes habituais do balcão gritavam para ele: “Solta um filé, Moraes!”.

 

Era um restaurante com estilo de botequim, frequentado por boêmios e artistas, pois o pessoal que saia dos shows e recitais do Teatro Municipal e do Avenida Dancing, onde se dançava pagando uma tarifa pelo tempo, iam jantar ali. Existe a lenda de que Adoniram Barbosa compôs seu clássico “Trem das Onze” tomando chope, sentado numa mesa do restaurante.

 

O medalhão de filé era cortado na frente do cliente e grelhado três minutos de cada lado. Ficava tostado na superfície e rosado por dentro. Só era temperado com sal e pimenta branca depois de pronto. O alho era colocado numa panela de água quente por dois minutos para amolecer e depois os dentes eram cortados ao meio e dourados numa frigideira e espalhados sobre o filé com um pouco de óleo usado na sua fritura.

 

Na década de 1960 a empresa trocou o nome para “Restaurante Moraes – O Rei do Filé”. Na época do Plano Cruzado, em outubro de 1986, chegou a ser fechado porque não conseguiam atender a clientela em razão do tabelamento de preços e da falta de carne. Mas foi reaberto quando o mercado voltou à normalidade.

 

Hoje o restaurante pertence a empresários que não são da família dos fundadores e funciona em São Paulo em dois endereços: na praça Júlio Mesquita (desde 1929) e na Alameda Santos.

 

RECEITA ORIGINAL

 

500 g de filé mignon num único pedaço

8 dentes grandes de alho

Óleo de amendoim ou de canola

Sal

Pimenta-do-reino moída na hora

 

Coloque os dentes de alho numa panela pequena com água fervente e afervente por um minuto. Retire, descasque e corte ao meio cada dente de alho. Leve uma frigideira alta (ou uma pequena panela) ao fogo, com um terço de sua altura de óleo e deixe ficar muito quente. Coloque as metades de alho na frigideira e frite rapidamente, até que dourem. Retire e reserve sobre papel toalha, sem abafar.

 

No mesmo óleo, frite o filé por 3 minutos de cada lado (se quiser mais bem passado, deixe mais 2 minutos). Retire a carne e só então tempere com sal e pimenta. Sobre o filé, espalhe o alho e um pouquinho do óleo da fritura.

 

Sirva com batatas fritas ou brócolis ao dente refogado em azeite.

E, sempre, com uma salada crua de agrião que, se quiser, o freguês tempera na mesa.

 

Ver Todos os artigos de Minas Kuyumjian