s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Forjado na derrota

Forjado na derrota

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Forjado na derrota

“A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.”

Pat Conroy

Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por conta da quarentena, ela me falou que estava lendo um livro do qual eu provavelmente iria gostar por ser relacionado com o basquete. Na primeira oportunidade em que nos vimos rapidamente depois disso, ela me emprestou o referido livro, cujo título é A última temporada.

Ao ler os comentários da quarta capa e das orelhas, meu interesse cresceu enormemente, de tal forma que rapidamente me dediquei à sua leitura.

Que feliz surpresa!

Em síntese, trata-se de uma autobiografia, narrada a partir da última temporada do autor no campeonato de basquete universitário norte-americano como jogador da rigorosa academia militar de Charleston, Carolina do Sul.

Pat Conroy, o autor, descreve a infância e a juventude que viveu em diferentes lugares do país, em razão das sucessivas transferências de seu pai, um violento ex-fuzileiro naval, que fora também jogador de basquete, e que descarrega todas as suas frustrações na mulher e em seu filho mais velho.

Depois de considerável sucesso em equipes colegiais, que justificaram o sonho de uma bolsa como jogador de alguma das principais equipes universitárias dos Estados Unidos, Conroy acabou, sem antes sofrer algumas decepções, tendo que se contentar em estudar e jogar pela equipe da academia militar, única a lhe conceder a indispensável bolsa de estudos de que necessitava para frequentar a universidade, dadas as limitações financeiras de sua família.

O começo na academia não teve nada de animador. Muito pelo contrário. Conroy teve de experimentar as atrocidades impostas aos calouros que eram famosas na instituição e que acabaram provocando o abandono da academia de alguns dos mais promissores companheiros da equipe de basquete.

Além da sua própria quase desistência, Conroy descobriu que o treinador do time de basquete era quase uma reedição de seu pai, pois tinha uma relação extremamente fria com os atletas, criticando-os e desestimulando-os na maior parte do tempo e, com isso, gerando a insegurança e a perda de confiança de muitos jogadores.

Tal perda de confiança atingiu o próprio Conroy e, em consequência disso, ele chegou à sua última temporada acreditando que, a exemplo do que ocorrera nas três primeiras temporadas, ele continuaria sendo um reserva com poucas chances no time titular.

Diante disso, recebeu com surpresa a notícia de que fora escolhido para ser o capitão naquela temporada em que a equipe, que já não era muito forte, acumulou uma série maior de derrotas do que de vitórias. Durante a temporada, sua liderança foi se consolidando enquanto, por um lado, convivia com suas dúvidas a respeito do que faria no futuro e, de outro, procurava neutralizar o efeito negativo das atitudes do técnico sobre seus companheiros, restituindo-lhes a confiança e a autoestima.

Numa narrativa que tem como pano de fundo a sucessão de jogos da última temporada da equipe, Conroy prende a atenção do leitor, quer pela descrição detalhada dos jogos, quer pelo seu amadurecimento nas relações familiares e, principalmente, com seu técnico, seus companheiros de equipe e seus professores, em especial aqueles que o estimularam a seguir a carreira de escritor, o que não é comum numa academia militar.

Duas coisas me marcaram profundamente neste livro, cuja leitura recomendo a qualquer apreciador de esportes – e, em especial, para quem teve a oportunidade de estudar nos Estados Unidos. A primeira tem a ver com a coincidência com a minha própria trajetória, pois fui armador das equipes em que atuei enquanto jogador de basquete e acabei me tornando, entre outras coisas, autor de centenas de artigos e de alguns livros, um dos quais, Das quadras para a vida, escrito em parceria com meu filho, focalizando as lições aprendidas nas quadras aplicadas às nossas relações pessoais e profissionais. A segunda relaciona-se com a maneira pela qual o autor revela como foi forjando seu espírito a partir de uma temporada pontilhada mais de fracassos do que de sucessos.

O trecho escolhido por mim para concluir este artigo ilustra bem esse aspecto: “Não há um lado negativo na vitória. Seu sabor é eternamente fabuloso. Mas não existe professor mais seletivo ou transformador do que a derrota. O grande segredo do esporte é que você pode aprender mais com a derrota do que com a vitória”.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

CONROY, Pat. A última temporada. Tradução de Roberto Muggiati. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MACHADO. Luiz Alberto e MACHADO, Guga. Das quadras para a vida: lições do esporte nas relações pessoais e profissionais. São Paulo: Trevisan Editora, 2018.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado