s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Forjado na derrota

Forjado na derrota

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Forjado na derrota

“A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.”

Pat Conroy

Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por conta da quarentena, ela me falou que estava lendo um livro do qual eu provavelmente iria gostar por ser relacionado com o basquete. Na primeira oportunidade em que nos vimos rapidamente depois disso, ela me emprestou o referido livro, cujo título é A última temporada.

Ao ler os comentários da quarta capa e das orelhas, meu interesse cresceu enormemente, de tal forma que rapidamente me dediquei à sua leitura.

Que feliz surpresa!

Em síntese, trata-se de uma autobiografia, narrada a partir da última temporada do autor no campeonato de basquete universitário norte-americano como jogador da rigorosa academia militar de Charleston, Carolina do Sul.

Pat Conroy, o autor, descreve a infância e a juventude que viveu em diferentes lugares do país, em razão das sucessivas transferências de seu pai, um violento ex-fuzileiro naval, que fora também jogador de basquete, e que descarrega todas as suas frustrações na mulher e em seu filho mais velho.

Depois de considerável sucesso em equipes colegiais, que justificaram o sonho de uma bolsa como jogador de alguma das principais equipes universitárias dos Estados Unidos, Conroy acabou, sem antes sofrer algumas decepções, tendo que se contentar em estudar e jogar pela equipe da academia militar, única a lhe conceder a indispensável bolsa de estudos de que necessitava para frequentar a universidade, dadas as limitações financeiras de sua família.

O começo na academia não teve nada de animador. Muito pelo contrário. Conroy teve de experimentar as atrocidades impostas aos calouros que eram famosas na instituição e que acabaram provocando o abandono da academia de alguns dos mais promissores companheiros da equipe de basquete.

Além da sua própria quase desistência, Conroy descobriu que o treinador do time de basquete era quase uma reedição de seu pai, pois tinha uma relação extremamente fria com os atletas, criticando-os e desestimulando-os na maior parte do tempo e, com isso, gerando a insegurança e a perda de confiança de muitos jogadores.

Tal perda de confiança atingiu o próprio Conroy e, em consequência disso, ele chegou à sua última temporada acreditando que, a exemplo do que ocorrera nas três primeiras temporadas, ele continuaria sendo um reserva com poucas chances no time titular.

Diante disso, recebeu com surpresa a notícia de que fora escolhido para ser o capitão naquela temporada em que a equipe, que já não era muito forte, acumulou uma série maior de derrotas do que de vitórias. Durante a temporada, sua liderança foi se consolidando enquanto, por um lado, convivia com suas dúvidas a respeito do que faria no futuro e, de outro, procurava neutralizar o efeito negativo das atitudes do técnico sobre seus companheiros, restituindo-lhes a confiança e a autoestima.

Numa narrativa que tem como pano de fundo a sucessão de jogos da última temporada da equipe, Conroy prende a atenção do leitor, quer pela descrição detalhada dos jogos, quer pelo seu amadurecimento nas relações familiares e, principalmente, com seu técnico, seus companheiros de equipe e seus professores, em especial aqueles que o estimularam a seguir a carreira de escritor, o que não é comum numa academia militar.

Duas coisas me marcaram profundamente neste livro, cuja leitura recomendo a qualquer apreciador de esportes – e, em especial, para quem teve a oportunidade de estudar nos Estados Unidos. A primeira tem a ver com a coincidência com a minha própria trajetória, pois fui armador das equipes em que atuei enquanto jogador de basquete e acabei me tornando, entre outras coisas, autor de centenas de artigos e de alguns livros, um dos quais, Das quadras para a vida, escrito em parceria com meu filho, focalizando as lições aprendidas nas quadras aplicadas às nossas relações pessoais e profissionais. A segunda relaciona-se com a maneira pela qual o autor revela como foi forjando seu espírito a partir de uma temporada pontilhada mais de fracassos do que de sucessos.

O trecho escolhido por mim para concluir este artigo ilustra bem esse aspecto: “Não há um lado negativo na vitória. Seu sabor é eternamente fabuloso. Mas não existe professor mais seletivo ou transformador do que a derrota. O grande segredo do esporte é que você pode aprender mais com a derrota do que com a vitória”.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

CONROY, Pat. A última temporada. Tradução de Roberto Muggiati. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MACHADO. Luiz Alberto e MACHADO, Guga. Das quadras para a vida: lições do esporte nas relações pessoais e profissionais. São Paulo: Trevisan Editora, 2018.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado