Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Go Ronda, go!

Go Ronda, go!

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Eu nunca perdi uma madrugada para ver UFC.

Na deste último domingo, eu fiz isso e não contabilizo como perda, embora talvez não faça de novo.

Confesso que o marketing da luta entre Ronda Rousey e a brasileira Bethe Correia, a performance técnica da brasileira como desafiadora, o fato em si de ser uma brasileira, mas sobretudo Ronda e seu peculiar estilo de quem luta como gente grande e depois sorri como uma menina, tudo isso me deixou interessado.

Aprender nunca é demais.

E havia ali, por mais estranho que seja, valores humanos em jogo. Nesta luta, especialmente.

Pra quem não sabe do caso, explico:
Uma declaração insuportavelmente infeliz de Bethe, que disse que Ronda iria apanhar tanto e perder que, talvez depois, quisesse se suicidar (o pai de Ronda se suicidou, quando ela ainda era uma criança, depois de descobrir ser vítima de uma doença degenerativa), me fez de um espectador imparcial, por pouco conhecer do esporte, a um torcedor momentâneo de Ronda.

Li todas as trocas de farpas entre as lutadoras. Achei exagerado o linguajar excessivamente grosseiro da brasileira, mas tentei tomar isso como “do negócio”, uma tática, etc, a exceção, como expliquei, da frase sobre o suicídio.

A americana, mesmo dura, me pareceu mais contida, apesar da mãe que falou de golpes para quebrar o braço da oponente.

Eu sempre questionei essa troca de caras feias e declarações duras de arrogância e superioridade entre lutadores, herdada do boxe norte-americano, porque elas só valem, se valem, para quem ganha.

Ronda, eu vi, foi pra luta pra defender muito mais que seu cinturão. Foi em memória do pai. Ali tinha muito mais que técnica, talento e a estratégia de uma lutadora campeã bem treinada.

Tinha nela aquela raiva, que sai sabe-se lá de que lugar dentro de nós,que nos faz muito mais fortes. Ela lutou pela dignidade do pai, dela e da família que, embora tenha havido tentativa de desmentidos de Bethe, foi de alguma forma atacada.

Bethe foi infeliz e saiu do octógono com a vergonha não de quem perdeu uma luta, mas sim de quem perdeu uma grande oportunidade de ficar calada. De ter sido mesquinha. E tudo isso em meros 34 segundos e uma lona.

Por este aspecto, “go Ronda”!

PS.: e o que é o público de UFC na arena ficar gritando “Vai morrer, vai morrer”? Não consigo acompanhar um esporte assim.
Isso me lembrou da história dos romanos jogando cristãos aos leões para delírio da torcida.
Sinistra essa gente em pleno século 21.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto