s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Go Ronda, go!

Go Ronda, go!

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Eu nunca perdi uma madrugada para ver UFC.

Na deste último domingo, eu fiz isso e não contabilizo como perda, embora talvez não faça de novo.

Confesso que o marketing da luta entre Ronda Rousey e a brasileira Bethe Correia, a performance técnica da brasileira como desafiadora, o fato em si de ser uma brasileira, mas sobretudo Ronda e seu peculiar estilo de quem luta como gente grande e depois sorri como uma menina, tudo isso me deixou interessado.

Aprender nunca é demais.

E havia ali, por mais estranho que seja, valores humanos em jogo. Nesta luta, especialmente.

Pra quem não sabe do caso, explico:
Uma declaração insuportavelmente infeliz de Bethe, que disse que Ronda iria apanhar tanto e perder que, talvez depois, quisesse se suicidar (o pai de Ronda se suicidou, quando ela ainda era uma criança, depois de descobrir ser vítima de uma doença degenerativa), me fez de um espectador imparcial, por pouco conhecer do esporte, a um torcedor momentâneo de Ronda.

Li todas as trocas de farpas entre as lutadoras. Achei exagerado o linguajar excessivamente grosseiro da brasileira, mas tentei tomar isso como “do negócio”, uma tática, etc, a exceção, como expliquei, da frase sobre o suicídio.

A americana, mesmo dura, me pareceu mais contida, apesar da mãe que falou de golpes para quebrar o braço da oponente.

Eu sempre questionei essa troca de caras feias e declarações duras de arrogância e superioridade entre lutadores, herdada do boxe norte-americano, porque elas só valem, se valem, para quem ganha.

Ronda, eu vi, foi pra luta pra defender muito mais que seu cinturão. Foi em memória do pai. Ali tinha muito mais que técnica, talento e a estratégia de uma lutadora campeã bem treinada.

Tinha nela aquela raiva, que sai sabe-se lá de que lugar dentro de nós,que nos faz muito mais fortes. Ela lutou pela dignidade do pai, dela e da família que, embora tenha havido tentativa de desmentidos de Bethe, foi de alguma forma atacada.

Bethe foi infeliz e saiu do octógono com a vergonha não de quem perdeu uma luta, mas sim de quem perdeu uma grande oportunidade de ficar calada. De ter sido mesquinha. E tudo isso em meros 34 segundos e uma lona.

Por este aspecto, “go Ronda”!

PS.: e o que é o público de UFC na arena ficar gritando “Vai morrer, vai morrer”? Não consigo acompanhar um esporte assim.
Isso me lembrou da história dos romanos jogando cristãos aos leões para delírio da torcida.
Sinistra essa gente em pleno século 21.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto