s
Iscas Intelectuais
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Café Brasil 755 – Alfabestismo digital
Conhecimento sempre significou poder. Transitamos ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

DSM-5: Thomas Insel, Thomas Szasz e Simão Bacamarte
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Em 2013, o neurocientista Thomas Insel criticou o lançamento do DSM-5. Ele escreveu que “diferentemente das definições de isquemia cardíaca, linfoma e Aids, os diagnósticos do DSM são ...

Ver mais

Ciência e Mito na Pandemia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Neste tempo de controvérsias de todos os tipos a respeito do Covid-19, é preciso perceber que há vários grupos econômicos com forte interesse em um ou outro tipo de biopolítica – as ...

Ver mais

O essencial e o acessório
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O essencial e o acessório Em 1984 ocorreu uma ampla reforma curricular nos cursos de ciências econômicas que instituiu uma série de mudanças a serem obedecidas por todos os cursos ministrados no ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Cafezinho 361 – Big Brother Brasil-sil-sil
Tudo o que é possível de ser tornado coletivo em grande ...

Ver mais

Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Cafezinho 360 – Sobre políticos e educadores
Em política, quem pensa em eternidades é atropelado ...

Ver mais

Honestidade: de diferencial a pré-requisito

Honestidade: de diferencial a pré-requisito

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Honestidade: de diferencial a pré-requisito

  Luiz Alberto Machado[1]

Em minha primeira contribuição para esta coluna do Instituto Não Aceito Corrupção vou recorrer ao argumento central de um artigo escrito em meados da década de 1990 e a um fato ocorrido mais ou menos na mesma época com o objetivo de estabelecer um paralelo com o processo – se não de eliminação, pelo menos – de redução da corrupção ainda existente no Brasil.

O referido artigo tinha por título Qualidade, de diferencial a pré-requisito. Nele, examinei alguns desafios que se impunham ao Brasil nos planos macro e microeconômicos depois de muito tempo como um país extremamente fechado e com níveis de inflação inaceitáveis em países civilizados.

Argumentei, na ocasião, que no plano macroeconômico o Brasil enfrentava um duplo desafio: num plano mais abrangente, a exemplo de todos os outros países, fazer a transição rumo a uma economia globalizada; num plano mais localizado, a transição da instabilidade para a estabilidade.

Mais de duas décadas depois, não se pode negar que a estabilidade foi uma conquista memorável. Considerando-se que o cenário dos anos 1980 e início dos 1990 combinava, em doses variáveis, estagnação, elevada inflação crônica e forte pressão das dívidas – interna e externa – seria difícil imaginar uma transição tão rápida para a estabilidade. Tal fato torna-se ainda mais relevante se lembrarmos que a segunda metade da década de 1980 foi marcada por uma sucessão de planos de estabilização mal sucedidos, o que deixou como herança uma sociedade frustrada e desiludida.

Saindo do plano macro e ingressando mais no microeconômico, ressaltei um aspecto fundamental em termos de estratégia de marketing empresarial, à época ainda não percebido por muitas empresas que continuavam se utilizando de um discurso cada vez mais obsoleto. Quando, cada vez mais, as empresas precisavam estar aptas a oferecerem bens e serviços capazes de encantar o consumidor, muitas continuavam operando com o pensamento de que a palavra qualidade ainda se constituía no objetivo máximo a ser alcançado. Isto, na verdade, já se tornara coisa do passado. No mundo globalizado, os padrões de qualidade são uniformizados e os bens e serviços são classificados de acordo com padrões internacionais. Assim, qualidade havia deixado de ser diferencial e havia passado a ser pré-requisito. Sem padrões internacionais de qualidade, as empresas não podiam sequer participar do cada vez mais seletivo comércio internacional. E a palavra que tomou o lugar da qualidade como fator diferencial foi a palavra encantamento, ou seja, o objetivo das empresas passa a ser o fornecimento de bens ou serviços que vão além das expectativas dos consumidores. Daí a importância crescente da criatividade, pois é através da inovação que muitas empresas têm conseguido surpreender e encantar os consumidores, oferecendo-lhes algo que supera suas próprias expectativas.

É bem verdade que a liderança assim conquistada passou a não durar muito tempo, pois, graças ao benchmarking, as concorrentes logo se colocavam em pé de igualdade. Mas esse já seria assunto para outro artigo…

O fato teve lugar num think tank com o qual colaborei por muitos anos. Uma das atividades desenvolvidas por esse think tank relacionava-se à produção editorial: livros, folhetos e artigos dirigidos, essencialmente, a formadores de opinião.

Numa das reuniões do conselho editorial, a pauta versava sobre as características de um candidato ideal a partir da perspectiva liberal. Os participantes da reunião foram apresentando as propostas de características que consideravam marcantes para serem incluídas no texto quando alguém sugeriu a palavra “honesto”. Imediatamente, fiz objeção à inclusão daquela característica por considerar que “honestidade” não era uma exigência exclusiva de um candidato liberal, mas um pré-requisito necessário a qualquer postulante de um cargo eletivo.

Fui voto vencido, uma vez que embora os outros integrantes do conselho concordassem comigo, a realidade brasileira mostrava que era preciso insistir – e muito – nessa tecla, em razão do grande número de pessoas com elevados indícios de corrupção e falta de ética não apenas pleiteando candidaturas nos diversos partidos, mas também exercendo cargos principalmente nos âmbitos legislativo e executivo.

Feitas essas considerações, constato que se a estabilidade econômica se tornou um valor consolidado, a ponto de ser um compromisso assumido por políticos das mais variadas colorações partidárias e se a busca pelo aperfeiçoamento contínuo tornou-se uma prática comum às empresas de ponta do País, na busca do encantamento e fidelização de seus clientes, o mesmo não se pode dizer a respeito da honestidade como padrão de referência de nossos políticos. O volume de desmandos, negociatas e malversação de recursos públicos noticiados diariamente envolvendo ocupantes de cargos em nível municipal, estadual e federal revela que a população ainda se encontra longe de colocar a honestidade como pré-requisito na hora de fazer a escolha de seus candidatos.

Talvez minha expectativa seja ingênua. Mas minha esperança é que com (i) a melhora – lenta, é verdade – no nível da nossa educação, (ii) a ação contundente da nossa imprensa investigativa e (iii) a própria pressão das redes sociais, ocorra a conscientização progressiva da população no sentido de deixar de considerar a honestidade um diferencial para transformá-la num pré-requisito nos futuros processos eleitorais.

[1] Economista pela Universidade Mackenzie (1977), mestre em Criatividade e Inovação pela Universidade Fernando Pessoa (Portugal, 2012) e assessor da Fundação Espaço Democrático.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado