s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 753 – A sala dos professores
Café Brasil 753 – A sala dos professores
Professor...professor...professor... houve um tempo em ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”  “A desindustrialização brasileira é resultado das intervenções equivocadas que fizemos. E o pior é que o setor empresarial, as lideranças do setor ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Uma sociedade repleta de gente com excesso de confiança ...

Ver mais

Cafezinho 352 – O drama da esquina
Cafezinho 352 – O drama da esquina
Não espere os grandes dramas nacionais para agir.

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
Cafezinho 350 – Sob o domínio do medo
No mundo de hoje, caótico, competitivo e apressado, ...

Ver mais

Indiferença

Indiferença

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

        Indiferença

 

Uma cena que vivi no último domingo. Recebia um amigo analista de São Paulo Denis Canal Mendes para um curso sobre análise e saúde mental. Aula sexta à noite, sábado e folga ao domingo. Após o trabalho saímos pela cidade para comer, rir, conversar sobre as coisas da vida, espairecer.

Domingo saímos e fomos a um bar famoso na grande Goiânia cheio de pessoas, vários telões, reggae ambiente descontraído. Amigos reunidos e o amigo Denis percebe uma situação…

No meio das pessoas uma jovem chorando, pelo visto há muito tempo, sozinha, isolada, mal. Rosto inchado e lágrimas evidentes. O vazio no meio de tantas pessoas… “os bares estão repletos, de almas tão vazias” cantadas por Criolo ecoou fundo nesta hora. Ninguém presente se importava com ela.  Ela ali há horas… O que você faria? Qual seria sua atitude? Ali uma jovem mulher sofria e ninguém se incomodava sequer a reparavam. Muita roupa de marca, cabelos com estilo, muita tecnologia para dizer que se vive e nada de coração… Muito vazio…

Adorei a postura de meu amigo Denis que aproximou se da jovem, conversou com ela alguns minutos, a tranquilizou, voltando a nosso convívio assim que a percebeu mais serena. “você esta precisando de alguma coisa, posso te ajudar em algo”? Gentileza, carinho atenção ajudam em um momento de desespero. Mas por que vivemos uma sociedade regida pela indiferença?

Uma queixa comum que hoje é recorrente em meu consultório e no de vários colegas, e que muito incomoda é a frieza hoje existente, a apatia, a indiferença diante do sofrimento alheio.  Indiferença que esta em nossas instituições, na política, família, religião, judiciário, na violência urbana, no tiro certeiro do bandido que quer assaltar pra gastar o dinheiro na boite mais tarde; a mesma indiferença de todos que vão a um bar de classe média alta, que se sentam ao lado de quem sofre, e nada fazem. Nosso egoísmo pós-moderno, nossa solidão no meio de tantas redes sociais, é a solidão repleta que nada satisfaz que se compraz na ilusão… “bares tão repletos de almas tão vazias”…

A imagem da mulher e a situação daquele bar é um símbolo que incomoda, evidencia a solidão, a tristeza, a apatia das pessoas, a indiferença de nossos dias, cheio de pessoas apoderadas, narcisistas, egoístas, sem carinho, compaixão, ruinas vivas de sua própria afetividade desconstruída pelo orgulho e vaidade. Muito racionalismo, frieza, pessoas interesseiras, egoísmo a solta. O vazio de nossa pós-modernidade. O sofrimento habitual de boa parte das pessoas que vive a fragmentação da afetividade, a dificuldade de estar junto, amar, receber abraço e ser gentil. Muita rede social, sorriso de plástico, bebida e ao lado a agonia… E o que você faria ao ver alguém sofrendo na mesa ao lado? Você se importa comigo, com os que você diz amar, com os outros?

Fiquei muito feliz por ver a atitude de meu amigo Denis e seu exemplo para todos nós.  Com pequenos gestos podemos acolher quem sofre e mostrar nossa educação e humanidade com respeito ao próximo. Este é um caminho de crescimento espiritual, social, afetivo… obrigado Denis por esta maravilhosa lição!

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima