Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Irmãos cara de pau

Irmãos cara de pau

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Tudo bem, o Brasil todo tá cansado de saber que ministério é apenas moeda de troca política; bons tempos em que servia só para alavancar os assuntos, prioridades e planejamento de cada pasta. Hoje é puro interesse, mas também não precisa exagerar, Torquato e Luislinda.

Semana passada o ministro da Justiça, Torquato Jardim, fez uma declaração bombástica, mesmo para brasileiros, acostumados aos caos eterno: Afirmou que a cúpula da Polícia Militar do Rio de Janeiro tinha (tem?) vários comandantes ligados ao narcotráfico, e que milícias e comércio também estavam sob um manto de “proteção” mafiosa dirigida por eles, tudo ao comando da batuta dos grandes traficantes da área. Como era de se esperar, a PM do Rio reagiu com ênfase, pedindo explicações e provas; o ministro alegou ter “informações” sobre isso e confirmava a denúncia. O governo fluminense exigiu que as tais provas fossem apresentadas, e Torquato recuou, alegando ter externado apenas uma “posição pessoal” sobre o tema. Como se estivesse num concurso de dança ou no Masterchef. Taspariu. Ministro não dá opinião, malandro.

Resumo da ópera do malandro: O ministro acusou, os acusados chiaram, o ministro recuou, e ficou tudo por isso mesmo. Uma acusação gravíssima, que num país decente levaria à queda do acusador ou dos acusados num instante, mas aqui vira assunto de rodapé e deixa-pra-lá.

Ou Torquato tinha razão e se calou por medo, ou não tinha razão e se fingiu de morto quando percebeu o tamanho da besteira cometida. Significa que há mais dois motivos fortíssimos para investigar isso até o final. Ou nos rendemos de vez ao crime, seja velado ou exposto.

E a coleginha de Torquato, Luislinda Valois, ministra da Igualdade Racial, esse utilíssimo ministério, do qual todos conhecem as enormes, gloriosas conquistas? Em qualquer país decente, essa pasta seria mera secretaria adjunta ao ministério da Justiça e fim de papo. Mas aqui, quando Caetanos e Sabatellas exigem, tudo é dado, divino e maravilhoso, painho. O presidente tem medo até de Gisele Bundchen, como ficou claro no caso Renca (Reserva Nacional de Cobre e Associados), quando a bela deu mostra de total ignorância em geologia e outros assuntos, mas saiu vencedora.

Enfim: Luislinda, mais Luis que linda, resolveu reclamar do mísero salário de somente, apenas, R$ 33 mil. Alegou ser esse montante insuficiente pra pagar sua maquiagem e suas roupas (não, não é brincadeira), e comparou sua vida sofridíssima à de um escravo do século retrasado; afirmou que deveria receber dois salários agregados (de desembargadora aposentada e de ministra, algo totalmente ilegal) e que quem trabalha sem receber é escravo – sim, ela se classifica como escrava -; candidamente, numa petição de 200 laudas, solicitou aumento salarial para R$ 62.000,00, valor que ela considera “justo”, mesmo sendo totalmente ilegal. Pois é.

Luislinda fez uma coisa tão feia que ninguém, mesmo seus mais aguerrido defensore, deu a cara a tapa. Se fez de coitada (novamente) e, à guisa de desculpas, se fingiu de bobinha, classificando o caso como mero “requerimento”. Não, minha senhora; foi uma senha para a ilegalidade. É inacreditável que a ministra de uma pasta que traz no nome a palavra “igualdade”, exija para si uma barbaridade dessas diante de uma população carente de tudo e que, em boa parte, sobrevive com um salário mínimo. E não conta com carro de luxo, motorista, seguranças armados, jatinhos, empregados, assessores, secretárias, cartão corporativo, despesas pagas e outras regalias nababescas das quais a autodenominada “escrava” goza sem nenhum peso na consciência. Ainda teve o desplante de reclamar que as pessoas ficam se preocupando com “miudezas”, como seu salariozinho pretendido de 62 paus. Pelamor.

Bom lembrar que não foi a primeira derrapada grave da desembargadora aposentada; em fevereiro, ela anexou à sua biografia o título de “embaixadora da paz na ONU”. O problema é que o cargo não existe, e ficou tudo por isso mesmo. Bom, num país onde Dilma inventou um mestrado e um doutorado pela Unicamp e ninguém disse mais nada, pode tudo. Até dobrar meta sem meta.

A imediata demissão desses dois desastres ministeriais é uma medida necessária, mas que Temer não tomará, juntando-se às outras dezenas de medidas que ele esquece no porão imundo.

A não ser que a política de interesses e compadrios, que muda como a maré, exija. Aí, lembrarão desses escândalos num instante – não como motivo de demissão, mas como álibi. É de lascar.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes