s
Iscas Intelectuais
Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Como se proteger da manipulação das mídias
Como se proteger da manipulação das mídias
Descubra o passo a passo para se proteger das mentiras, ...

Ver mais

Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Café Brasil 774 – Adversário x Inimigo
Publiquei um post em minha página do Facebook, dizendo ...

Ver mais

Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
Café Brasil 773 – Falando sobre nação – Revisitado
O Brasil é um grande país, que precisa de um povo unido ...

Ver mais

Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Café Brasil 772 – ComunicaAgro – Live com Tejon
Um dia, descobri que grande parte dos ouvintes do ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Conhecendo a história do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Conhecendo a história do Brasil… por meio dos que contaram a história “A história é a justiça imparcial, mas tem a mania de chegar tarde.” Roberto Campos[1] Em artigo intitulado Livros para ...

Ver mais

Tributo a Jaime Lerner
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tributo a Jaime Lerner Recebi, com enorme tristeza, a notícia do falecimento de Jaime Lerner, ocorrido em Curitiba, dia 27 de maio. Seu trabalho como urbanista é merecedor de reconhecimento tanto ...

Ver mais

Macrotendências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Macrotendências: mudanças em curso  “As mortes totais causadas pelo terrorismo em todo o mundo despencaram 59% desde seu pico em 2014. No Ocidente, a ameaça presente é menos da violência islâmica ...

Ver mais

Criatividade, empreendedorismo e inovação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Anterioridade e importância da criatividade para o empreendedorismo e a inovação “Existe criatividade sem inovação, mas não existe inovação sem criatividade”. Bill Shephard Joseph Schumpeter ...

Ver mais

Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Cafezinho 394 – Seu trabalho não nos interessa
Isso é o que eu chamo de “celebrar o fracasso”: ...

Ver mais

Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Cafezinho 393 – Velhos Ranzinzas
Se no reino animal é a degeneração física que torna os ...

Ver mais

Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Cafezinho 392 – Eu vou matar a rainha
Tem tanta mentira em volta da gente, que acabamos ...

Ver mais

Cafezinho 391 – A suspensão da descrença
Cafezinho 391 – A suspensão da descrença
'Suspender a descrença' é aceitar temporariamente como ...

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta.

Todos sabemos: em período de pandemia, é preciso ficar em casa, cumprindo com o máximo de rigor a clausura, para que possamos nos proteger mutuamente.

Esse é o aspecto evidente da frase das campanhas do tipo “fica em casa!”.

* * *

Porém, nestes nossos tempos estranhos uma estrutura hermenêutica oculta se ilumina toda vez que alguém pede que não saiamos à rua. Sob esse pedido surge, dialeticamente, um outro significado que nega o que está explícito: toda vez que pedimos que se “fique em casa”, imediatamente pressupomos a existência de uma rede social composta por pessoas que não têm o direito de ficar em casa.

O confinamento de parte da população somente é possível se outra parte da população permanecer em seu trabalho pronta para servir a quem está isolado. Para que uma parte da população possa, por meio do isolamento, proteger a sua vida e a vida dos seus, a outra parte precisa se sacrificar. A exigência de que todos se isolem corresponde, dialeticamente, à exigência do sacrifício de um outro. Essa conclusão é incontornável.

* * *

A possibilidade de manter a clausura é um privilégio: privilégio de quem possui um emprego estável, possui recursos, possui reservas. Quem pode cumprir um isolamento rigoroso, evitando o contato com as ruas e com os outros, é o integrante da classe média e alta, é a elite econômica e intelectual.
O pobre – que precisa conquistar a cada dia o pão, pois não tem carteira assinada, não é funcionário público, não tem reservas – não tem o direito de manter o claustro. Pelo contrário: ele precisa servir a quem pode se isolar.

Ele precisa guardar a portaria, faxinar, cozinhar no restaurante ou na casa do patrão, entregar de moto a comida japonesa, cuidar da internet, da água, da luz, do gás, dirigir os ônibus, os táxis e os übers, controlar o trânsito, levar o lixo, manter a ordem – para o benefício da classe que se salvaguarda no lar.

* * *

Amigos, vocês vão entender o que eu digo: na reunião de trabalho, defendemos a manutenção do isolamento, criticamos as propostas de volta ao trabalho, denunciamos uma “política genocida”. Mas quando toca a campainha fechamos o Zoom para receber o motoboy do Ifood que veio trazer o nosso sushi. E, com todo o cuidado, passamos álcool em todos os pontos da embalagem em que ele pode ter tocado.

Em outras palavras: a defesa deste modelo de isolamento, um modelo em que somente a elite – econômica ou intelectual – pode se isolar, é ideológica. Quando defendemos o isolamento, defendemos o nosso privilégio, o privilégio da elite. Afinal, para que exista este isolamento, os miseráveis precisam nos prover de todos os luxos e confortos. Nessa ideologia que incorporamos e naturalizamos, há vidas – a nossa – que valem mais do que as outras – a do outro, miserável e invisível.

Sob o pedido para que “todos” fiquem em casa, há implícita a ordem para que um “ninguém”, um outro indistinto e esquecido, continue a servir. Amigos, quem podemos – e desejamos – sacrificar para que nos salvemos?

* * *

É necessário perceber que, nesse pedido para que guardemos o claustro, existe a exigência implícita do sacrifício do outro – e o silêncio sobre essa exigência. Para que possa se salvar, uma classe exige, sem que se possa levantar uma única objeção, o sacrifício da outra.

De fato, a linguagem do “fica em casa!” opera, dialeticamente, com duas funções: uma função positiva e uma função negativa. A frase, imperativa, tem o seu reflexo espelhado como um imperativo negativo: ela carrega a exigência de que as classes baixas façam exatamente o contrário do que se pede.

Neste sentido, a exigência do isolamento é uma expressão radical de elitismo social: sob a aparência do interesse no bem comum, sob a roupagem da responsabilidade comunitária, se esconde o monstro da objetificação e da instrumentalização do ser humano.

* * *

Então o isolamento social deveria ser abandonado? Não. De fato, eu defenderia a sua radicalização.

Para que pudéssemos praticar essa radicalização, isto é: para que houvesse verdadeiramente um isolamento geral, seria necessário tomarmos consciência das nossas atitudes. Não faz sentido permanecermos em nossos apartamentos, por exemplo, enquanto pedimos um jantar pelo aplicativo. Vocês percebem, amigos, quão elitista é essa nossa atitude? Que com ela estamos estabelecendo que o outro pode arriscar a sua saúde na rua, mas nós não? – ou, em outros termos, que a vida do outro vale menos do que a nossa? Vocês percebem que, ao exigirmos que o porteiro esteja a postos, que a assistência técnica da internet esteja trabalhando, que o gari leve o nosso lixo, estamos estabelecendo uma hierarquia social – determinando o nosso valor e a nossa indispensabilidade e, ao mesmo tempo, a falta de valor e a dispensabilidade de quem é mais pobre do que nós?

Um verdadeiro isolamento – e não um isolamento somente das classes superiores da sociedade – exigiria a interrupção de todos os serviços. Todos, exceto os realmente essenciais: os hospitais, a polícia. Um confinamento assim demandaria, por conseguinte, que nos tornássemos mais responsáveis para com a nossa vida cotidiana: precisaríamos produzir menos lixo, na ausência dos garis; precisaríamos exercitar a paciência e a tolerância e nos acostumarmos com a possibilidade da queda da internet, da luz, do sinal do celular; precisarímos diminuir as nossas necessidades, racionar o nosso alimento, nos encolher do ponto de vista social e econômico.

Além disso, precisaríamos aprender a dividir e a receber: a partilhar com o nosso próximo os recursos de que dispomos com abundância e a receber, sem nos sentirmos humilhados, uma parte dos recursos de que o próximo dispõe em excesso. Quem muito possui deve, numa situação de real isolamento, compreender que a riqueza obriga à generosidade: a manutenção da vida das famílias pobres é uma responsabilidade de quem lhes pode ajudar. O exercício da fraternidade é o único caminho para que superemos sem convulsão social qualquer grande crise.

Finalmente, um verdadeiro isolamento nos levaria a descobrir que podemos viver uma vida menos exigente, menos dispendiosa, menos poluente. Façamos o isolamento, o isolamento de verdade, e o mundo – dentro e fora do homem – se tornará mais belo, mais justo, melhor.

* * *

Mas se a radicalização do isolamento for impossível, se a única quarentena possível for esta que temos, melhor seria simplesmente extingui-la. Porque, do modo como está posta, a campanha para que “fiquemos em casa” não passa de expressão ideológica de um privilégio de classe e revela a nova face da escravidão: a escravidão moderna em que a existência de alguém invisível, anônimo e miserável – um verdadeiro ninguém – é instrumentalizada em benefício do bem-estar dos novos senhores.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche