s
Iscas Intelectuais
Isca Intelectual sobre talento
Isca Intelectual sobre talento
O que tinham feito suas mãos?

Ver mais

Arremessando Alto (Hustle) na NetFlix.
Arremessando Alto (Hustle) na NetFlix.
Um filme para cima, focado na busca pelo sucesso mesmo ...

Ver mais

Planejamento Antifrágil – Aula gratuita!
Planejamento Antifrágil – Aula gratuita!
Planejamento Antifrágil é a capacidade de incorporar o ...

Ver mais

Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Ensaio sobre Palestras e Palestrantes
Depois de realizar mais de 1000 palestras no Brasil e ...

Ver mais

Café Brasil 828 – O catalisador
Café Brasil 828 – O catalisador
Todo mundo tem alguma coisa que quer mudar. Os ...

Ver mais

Café Brasil 827 – A complicada arte de ver – Revisitado
Café Brasil 827 – A complicada arte de ver – Revisitado
A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo ...

Ver mais

Café Brasil 826 – Os fatos? Ora, os fatos…
Café Brasil 826 – Os fatos? Ora, os fatos…
O mundo anda mesmo louco. Vira e mexe eu encontro ...

Ver mais

Café Brasil 825 – Precisamos falar sobre o medo
Café Brasil 825 – Precisamos falar sobre o medo
Coragem não é atributo apenas dos heróis. O medo é uma ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

LíderCast 233 – Flavia Zülzke
LíderCast 233 – Flavia Zülzke
Flavia Zülzke é Head de Marketing, Branding, ...

Ver mais

LíderCast 232 – Giovanna Mel
LíderCast 232 – Giovanna Mel
Hoje a convidada é Giovanna Mel, comunicadora e ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Os novos clubes de Lula
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há alguns dias, o convenientemente descondenado Lula da Silva afirmou: Se eleito, fechará todos os clubes de tiro do Brasil, substituindo-os por “clubes de leitura”. Primeiramente, seria ...

Ver mais

Tentação perigosa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tentação perigosa   “O tabelamento de preços é como o segundo casamento: é a vitória da esperança sobre a experiência.” John Kenneth Galbraith   Depois de quase trinta anos de relativa ...

Ver mais

A ignorância como motor do conhecimento e da ciência
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A ignorância como motor do conhecimento e da ciência “Para quem busca o conhecimento, surpresas são achados valiosos. A descoberta de um fato surpreendente leva à procura de novos fatos e suscita ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 7 – Silogismo Simples (parte 1)
Alexandre Gomes
Como mencionado na lição anterior, vamos agora tratar de silogismo – que é o raciocínio mais associado à lógica.   Definição: O silogismo é um ATO DE RACIOCÍNIO pelo qual a mente ...

Ver mais

Cafezinho 504 – (Des)honestidade intelectual
Cafezinho 504 – (Des)honestidade intelectual
Mesmo num debate entre pontos de vista diferentes, tem ...

Ver mais

Cafezinho 503 – Quantos anos tenho?
Cafezinho 503 – Quantos anos tenho?
Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o ...

Ver mais

Cafezinho 502 – Prenda o elefante!
Cafezinho 502 – Prenda o elefante!
Cinco fundamentos morais para o comportamento das ...

Ver mais

Cafezinho 501 – Libere o elefante!
Cafezinho 501 – Libere o elefante!
Na sociedade, o ginete são as minorias militantes que ...

Ver mais

Jean Wyllys, o animal político que cospe e foge

Jean Wyllys, o animal político que cospe e foge

Bruno Garschagen - Ciência Política -

E ao fazê-lo dentro do Parlamento tentando alvejar o deputado Jair Bolsonaro violou o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, segundo observou o advogado Taiguara Fernandes.

O Art. 3º., inciso VII, diz que deputados devem “tratar com respeito e independência os colegas, as autoridades, os servidores da Casa e os cidadãos com os quais mantenha contato no exercício da atividade parlamentar, não prescindindo de igual tratamento”. E o Art. 4 º, inciso I, define como “procedimentos incompatíveis com o decoro parlamentar, puníveis com a perda do mandato (..) abusar das prerrogativas constitucionais asseguradas aos membros do Congresso Nacional (Constituição Federal, art. 55, § 1º).”

No prefácio ao panfleto “Como conversar com um fascista”, de Marcia Tiburi, uma espécie de autobiografia e radiografia de sua própria mentalidade e da de seus colegas esquerdistas – como o próprio deputado -, Jean Wyllys critica aquilo que ele mesmo faz: “não se responsabiliza pelo que faz de ruim ou acha que o que faz de ruim não tem consequências para os outros; não reflete, não pensa”. (p. 19).

Jean Wyllys afirma ainda rejeitar aquilo que ele mesmo parece ser, ou seja, a representação da banalidade do mal encarnada pelo nazista Adolf Eichmann: “um imbecil que não pensava; que repetia clichês e era incapaz de um exame de consciência – e que, por tudo isso, banalizava o mal que praticava”. Aquele que banaliza o mal é, na autoclassificação de Marcia Tiburi e Jean Wyllys, alguém “carente de pensamento crítico e, por isso, insensível à dor do outro e às consequências de seus atos” e “burro na medida em que não acessa o campo do outro porque lhe falta conhecimento e imaginação para tal” (p. 19).

O deputado afirma no prefácio que é preciso “ter alguma compaixão pelo analfabeto político” e “insistir para que ele tenha acesso à educação de qualidade” (p. 21). Para o hoje deputado, educação de qualidade é fazer o que ele fez quando era professor do curso de Comunicação Social da Faculdade Jorge Amado, em Salvador (BA): “humilhar, perseguir e reprovar universitários”, chamá-los de incompetentes e de insuportáveis que “caíram na faculdade de paraquedas”, e recomendar que procurassem “outra profissão para seguir como porteiro, caixa de supermercado, vendedor (…) pois jamais seriam jornalistas”.

Jean Wyllys define-se no mesmo texto como um “animal político”. Político ele já é. Mas terá que melhorar bastante para ser considerado como parte da fauna.

Pela sua trajetória política, coroada pela cuspida na Câmara dos Deputados, Jean Wyllys é o exemplo claro de quem sai do anonimato e desponta para a torpeza. Foi da desonra ao cuspe num só golpe.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/sem-mimimi/jean-wyllys-animal-politico-que-cospe-foge-19124537.html#ixzz46JIG7y1Z

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen