s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Jean Wyllys, o animal político que cospe e foge

Jean Wyllys, o animal político que cospe e foge

Bruno Garschagen - Ciência Política -

E ao fazê-lo dentro do Parlamento tentando alvejar o deputado Jair Bolsonaro violou o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, segundo observou o advogado Taiguara Fernandes.

O Art. 3º., inciso VII, diz que deputados devem “tratar com respeito e independência os colegas, as autoridades, os servidores da Casa e os cidadãos com os quais mantenha contato no exercício da atividade parlamentar, não prescindindo de igual tratamento”. E o Art. 4 º, inciso I, define como “procedimentos incompatíveis com o decoro parlamentar, puníveis com a perda do mandato (..) abusar das prerrogativas constitucionais asseguradas aos membros do Congresso Nacional (Constituição Federal, art. 55, § 1º).”

No prefácio ao panfleto “Como conversar com um fascista”, de Marcia Tiburi, uma espécie de autobiografia e radiografia de sua própria mentalidade e da de seus colegas esquerdistas – como o próprio deputado -, Jean Wyllys critica aquilo que ele mesmo faz: “não se responsabiliza pelo que faz de ruim ou acha que o que faz de ruim não tem consequências para os outros; não reflete, não pensa”. (p. 19).

Jean Wyllys afirma ainda rejeitar aquilo que ele mesmo parece ser, ou seja, a representação da banalidade do mal encarnada pelo nazista Adolf Eichmann: “um imbecil que não pensava; que repetia clichês e era incapaz de um exame de consciência – e que, por tudo isso, banalizava o mal que praticava”. Aquele que banaliza o mal é, na autoclassificação de Marcia Tiburi e Jean Wyllys, alguém “carente de pensamento crítico e, por isso, insensível à dor do outro e às consequências de seus atos” e “burro na medida em que não acessa o campo do outro porque lhe falta conhecimento e imaginação para tal” (p. 19).

O deputado afirma no prefácio que é preciso “ter alguma compaixão pelo analfabeto político” e “insistir para que ele tenha acesso à educação de qualidade” (p. 21). Para o hoje deputado, educação de qualidade é fazer o que ele fez quando era professor do curso de Comunicação Social da Faculdade Jorge Amado, em Salvador (BA): “humilhar, perseguir e reprovar universitários”, chamá-los de incompetentes e de insuportáveis que “caíram na faculdade de paraquedas”, e recomendar que procurassem “outra profissão para seguir como porteiro, caixa de supermercado, vendedor (…) pois jamais seriam jornalistas”.

Jean Wyllys define-se no mesmo texto como um “animal político”. Político ele já é. Mas terá que melhorar bastante para ser considerado como parte da fauna.

Pela sua trajetória política, coroada pela cuspida na Câmara dos Deputados, Jean Wyllys é o exemplo claro de quem sai do anonimato e desponta para a torpeza. Foi da desonra ao cuspe num só golpe.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/brasil/sem-mimimi/jean-wyllys-animal-politico-que-cospe-foge-19124537.html#ixzz46JIG7y1Z

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen