s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Joaquim, o visionário

Joaquim, o visionário

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

O ex-ministro Joaquim Barbosa, de relevantes serviços prestados no julgamento do Mensalão, por vezes inova na forma com que lê o Brasil.
Tomo o caso dele ter dito que “é de chorar de vergonha” a forma do voto “Xuxa” ou “raivoso golpista” dos parlamentares, no último domingo, na votação que decidiu por ampla maioria a admissibilidade do impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
Joaquim se diz estarrecido. Não contente com sua percepção, busca na repercussão de veículos estrangeiros um legitimador para seu pensamento.
Síndrome de colonizado?
Estarrece-me a necessidade do uso do referencial estrangeiro pelo heroico (não é ironia) relator do Mensalão e ex-presidente do Supremo.
Por que é preciso levar em conta como se transitado em julgado fosse, inapelável, o que pensa a Economist, por exemplo, sobre a performance na hora de votar dos deputados brasileiros?
O que acrescenta?
Leituras sobre a economia brasileira fazem sentido porque a revista influencia investidores. E é boa porque produz reportagens abrangentes e se expõe ao opinar. Veículo de imprensa sem opinião faz pretenso jornalismo, o que não o impede, obriga a expor todos os pontos de vista e apurá-los.
Mas a frugalidade do estilo votante do parlamentar, embora seja motivo de pauta para a Economist, que é livre, por que a opinião da revista inglesa deve ser tão relevante pra nós?
Não sugiro aqui um autoisolamento. Mas mais parcimônia e menos deslumbramento com a imprensa estrangeira, neste caso em específico, faria bem.
Vejamos.
O ministro, ou qualquer outro que pense como ele tem todo o direito de manifestar-se, mas parece escorregar no complexo de “Cabral”: acabou de descobrir o Brasil.
Já escrevi sobre isso ontem. Está no post abaixo.
Fato é que não precisamos fazer mais nada para inglês ver ou ter a opinião deles como um definidor de conceito sobre nós. Até porque o “para inglês ver”  era de mentira e uma mentira que nos convencia. Deu errado porque postergamos nossas soluções historicamente e vive ainda vivemos de espantos e piadas sobre nós mesmos. Bastamo-nos na nossa estupidez.
Afirmo que não nos é necessário saber o que eles, os estrangeiros, pensam sobre assuntos eminentemente internos pra nos posicionar. Sabemos onde temos problemas, o que fazer e como melhorar. Sabemos o diagnóstico e o tratamento.
Faltamos, ainda, e apenas por nossa culpa, com a implementação do tratamento.
Parte começou a ser feito no último domingo, mesmo que de forma a saltar os olhos, dados os discursos heterodoxos, mas não ofensivos, tampouco inúteis.
Se você entende inglês e acompanhar políticos ingleses ou americanos vai se surpreender com o que e como dizem certas coisas. E no caso deles com arrogância de colonizadores ou imperialistas.
De qualquer forma, não é pra nos imiscuirmos na política alheia que estamos aqui.
Volto a nós.
Convenhamos que num país cuja educação, pública ou privada não tem gerado educados nos dois sentidos da expressão, e faz criar individualistas extremistas, soaria artificial discursos acadêmicos e de elevado altruísmo no plenário, mesmo que tenha a maioria acertado no voto, ciente do conceito, na escolha do essencial e que pode punir de forma severa uma autoridade que desrespeitou o orçamento público, feito de dinheiro de impostos do público, do cidadão.
Não é pra se orgulhar disso?
No mais, ali no Congresso está a representação da média brasileira. Os nobres deputados, e houve também moderados com discursos técnicos e bons, sejamos justos, são brasileiros. Todos são do Brasil. E foram eleitos. Por mais óbvio que pareça dizer isso, é necessário.
E fizeram o que a maioria queria. Democrático do ponto de vista da representatividade, insisto.
Por isso, essa surpresa brasileira com os próprios brasileiros beira o indecifrável e uma pretensão de superioridade segregacionista de quem se imagina do tipo “eu não faço parte disso”, pensamento bem pequeno burguês.
Um exame de consciência honesto pode revelar mais que risos com a graça alheia. Pode ser de riso nervoso de constrangimento pessoal e particular também.
Já o espanto de Joaquim Barbosa e sua necessidade de ver o que os estrangeiros disseram sobre isso, como uma forma de dar legitimidade à análise dele próprio, corre sério risco de parecer complexo de inferioridade mesmo.
Embora possa ter outros intuitos, por ora é só pretensioso.
E digo isso sendo um brasileiro nascido caipira no sertão de São Paulo e cidadão do mundo sem nenhuma espécie de xenofobia.
Longe disso! Ao contrário. Sou de um país que tem a grata mania de se abrir e receber bem quem e o que vem de fora.
Falta-nos que isso deixe de ser deslumbre e comece a ser por filosofia de aceitação de culturas e pensamentos diferentes e sensação de pertencimento igualitário e de parceria no mundo. Brasil igual aos outros.
Um país relevante e com voz.
Um Brasil global, garantidor de suas autonomias e aberto ao mundo, dar-nos-ia uma personalidade forte o suficiente para resolvermos os nossos problemas internos e nos relacionarmos com o estrangeiro com mais orgulho porque somos e estamos em processo de avanço.
Sinais de complexo de colonizado e a eterna mania de falar mal de si próprios, “se autoflagelar”, como disse Carlos Borges ao documentário “Orgulho de Ser Brasileiro”, que dirigi, estão fora de moda e não comovem gringos que esperam de nós personalidade, não coitadismo e autopiedade.
Avançamos. Pare de maltratar a sua cidadania. Use de si para aperfeiçoá-la.
Vamos tratar do essencial neste caso do impeachment e cuidar do básico no dia a dia?
Está ao alcance de todos.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto