s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Café Brasil 794 – O Paradoxo da Tolerância
Eu acho que você concorda que para ter uma sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Cafezinho 440 – Alta e baixa cultura
Baixa cultura é aquela que me faz bater o pé, mexer a ...

Ver mais

Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Cafezinho 439 – O melhor investimento da Black Friday
Uma coisa é comprar um televisor. Outra é adquirir cultura!

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington

John Williamson e o Consenso de Washington

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

John Williamson e o “Consenso de Washington”

“O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria da Conceição Tavares. O vídeo mais visualizados do YouTube brasileiro sobre o tema o define como: um acordo que une FHC, Ciro Gomes e Lula aos donos do capital internacional. Dito isso, o Consenso de Washington é uma babaquice, uma conspiração ou mais uma reencarnação do neoliberalismo? A resposta: nenhum dos três.”

Paulo Silveira

Faleceu no dia 12 de abril, aos 83 anos, em Maryland, nos Estados Unidos, o economista John Williamson, conhecido como o homem que cunhou o termo “Consenso de Washington”. Williamson se destacou com trabalhos inovadores nos campos de regimes cambiais, reformas monetárias e economia internacional em geral. Foi conselheiro do Fundo Monetário Internacional (FMI), entre 1972 e 1974, e passou parte da vida no Brasil, depois de casar-se com uma brasileira.

Tive oportunidade de conhecê-lo em 2003, quando esteve na FAAP, ministrando palestra na Semana da Economia. Na época, já trabalhava para o Institute of International Economics (atual Peterson Institute for International Economics), think tank que promoveu, em 1989, o seminário no qual foi publicada uma relação de reformas indicadas a países da América Latina, inclusive o Brasil, e que incluía:

  1. Controlar os déficits fiscais e evitar o imposto inflacionário;
  2. Priorizar o gasto público nas áreas de maior retorno econômico, p. ex., educação, saúde e infraestrutura;
  3. Reformar o sistema tributário, expandindo a base de incidência e cortando alíquotas marginais;
  4. Liberalizar as finanças, almejando o alcance de taxas de juros determinadas através dos mercados;
  5. Unificar as taxas de câmbio, atingindo níveis competitivos o suficiente para induzir o crescimento das exportações de bens não tradicionais;
  6. Substituir restrições comerciais por tarifas que, por sua vez, seriam progressivamente reduzidas;
  7. Abolir barreiras ao investimento direto externo;
  8. Privatizar empresas estatais;
  9. Abolir regulamentações prejudiciais à entrada de novas firmas ou à concorrência;
  10. Garantir o direito à propriedade, principalmente nos setores informais da economia;

Lembro-me que fiquei com a sensação de que aquela figura afável e tranquila contrastava com o barulho gerado por uma criatura que o tornou famoso – a expressão “Consenso de Washington” – que parecia lhe causar desconforto quando mencionada por interlocutores.

De fato, a expressão adquiriu dois significados além do original: a expressão passou a ser tomada também como o programa de organizações internacionais de Washington, em particular o FMI e o Banco Mundial, para os países que a elas recorriam; noutro sentido, passou a ser vista como a proposta neoliberal ou de fundamentalismo do mercado.

Recordo-me também que Williamson reconheceu que a lista de 1989 já não era adequada, pois 14 anos depois, o mundo havia mudado e uma nova agenda precisaria ser construída. Nessa nova agenda, Williamson mencionava quatro temas: (i) a necessidade de uma política fiscal anticíclica, ou seja, de cortar impostos e expandir gastos públicos numa fase recessiva, fazendo o contrário quando o crescimento se acelera; (ii) a necessidade de manter o câmbio competitivo e de aumentar a poupança interna; (iii) a necessidade de apoio do governo a um sistema nacional de inovação, direcionado a todos os interessados e não à empresa A ou B; (iv) finalmente, mostrava preocupação com a distribuição de renda, que não entrou na lista de 1989 por não haver ainda um consenso em Washington em torno de sua relevância.

A par dos aspectos incluídos nessa nova agenda, Williamson referiu-se à necessidade de uma melhora efetiva na educação, a uma reforma agrária (sem prejuízo dos direitos de propriedade), ao microcrédito e à redução do custo de criar empresas novas, tudo com a preocupação de tornar os pobres detentores de mais recursos com que possam trabalhar para sair da pobreza.

Como se vê, 18 anos depois, suas sugestões permanecem incrivelmente atuais.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referência webgráfica

SILVEIRA, Paulo. Consenso de Washington e neoliberalismo. Disponível em https://terracoeconomico.com.br/consenso-de-washington-e-neoliberalismo/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado