s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.
 
Digo isso porque percebo, em boa parte do campo crítico do qual participo, a incorporação da agenda ultraliberal: desde a queda do Muro, os metacapitalistas têm sequestrado cada vez mais a agenda das esquerdas. É impressionante como estamos adotando, sem nenhuma crítica, a ideologia dos nossos adversários; estamos defendendo as teses ultraliberais como se fossem a expressão da própria realidade.
 
* * *
 
O liberalismo não é, em primeiro lugar, uma doutrina política nem econômica. Essas doutrinas são subordinadas à sua metafísica, à metafísica sobre a qual se constrói a ideologia liberal.
 
A metafísica liberal é a da primazia do indivíduo diante de toda a coletividade. A essência do liberalismo está da afirmação da soberania do indivído. O fundamento da ideologia liberal é o egoísmo, o egocentrismo, a egolatria. O projeto liberal é o de tornar os indivíduos progressivamente independentes de todas as relações de classe, de religião, de família: é o projeto de atomizar o indivíduo, de fazer dele um átomo solto no vazio do universo, sujeito somente às suas próprias regras – desde que não violem a propriedade dos outros indivíduos.
 
Na visão de mundo liberal, o indivíduo deve ser essencialmente livre para definir o que deseja ser para si mesmo e para os outros. Não é o seu meio – social, profissional, religioso, familiar – que o constitui: o indivíduo é autoconstituído. Este é o lema implícito em todo o liberalismo: é o “eu” quem decide, é o “eu” quem estabelece. O “eu” não tem nenhuma predeterminação: ele se autodetermina enquanto age. Não é outra a raiz daquela ideologia norte-americana do “self-made man”, o homem que constrói tudo o que tem com o seu esforço, acreditando nada dever a ninguém, e depender somente de si. E há muitas outras ideologias constituídas a partir dessa visão de mundo fundamentalmente ególatra.
 
* * *
 
A metafísica liberal não é particularmente recente: podemos encontrar os seus primórdios já em Diógenes de Sinope, no século IV a.C. Para Diógenes, a vida social não é autêntica, e por isso é preciso rir – e cuspir – na sociedade, abandonando as convenções e vivendo de modo autônomo. A metafísica liberal está antecipada também em ambos os pólos da discussão metafísica do século XVII entre os racionalistas e os empiristas. Tanto Descartes quanto Locke supunham, independentemente do meio pelo qual se pode conhecer as coisas, uma substância a priori (com algumas marcas, para um; toda vazia, para o outro) que era o centro de recepção de todas as experiências, tanto mentais quanto sensoriais. Ambos eram, em suma, idealistas – e Berkeley simplesmente chegou às últimas conseqüências: somente podemos falar do mundo a partir das impressões que temos na mente. Não é à toa que o principal problema metafísico, tanto na filosofia de Descartes quanto na de Locke, é justamente a relação entre o mundo mental e o mundo fora da mente, que somente pode ser indiretamente acessado por meio das impressões cognitivas, isto é, internas.
 
De fato, o indivíduo da sociedade pós-capitalista acredita, num reflexo distante das teses de Descartes e Locke, que tem experiências da realidade quando explora a sua própria subjetividade (como, aliás, explica o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han). O mergulho em si mesmo, as experiências privadas do próprio self, solitárias e subjetivas, são entendidas pelo indivíduo do nosso tempo como as verdadeiras – e únicas possíveis – experiências da realidade.
 
* * *
 
Ora, amigos, se o indivíduo pode se autodefinir e escolher livremente a sua identidade, ele se torna parte, em última instância, de uma classe de um só: ele é tanto mais autêntico quanto mais atomizado for. Conseqüentemente, ele se liberta de todos os impedimentos que decorrem da consciência de classe, de meio social, de religião, de família. O parâmetro de valor se subjetiviza: uma experiência tem tanto mais valor quanto maior for o seu poder de autodescoberta, de autorrealização, de autosatisfação.
 
Em outros termos: o indivíduo da sociedade pós-capitalista é guiado unicamente pelos seus próprios impulsos e desejos subjetivos.
 
* * *
 
E com isso o indivíduo absolutamente livre, o indivíduo sem amarras, se torna o consumidor puro. Ele não tem entraves sociais: somente deve obediência aos seus próprios desejos.
 
O consumo é erótico; o império do metacapitalismo ultraliberal é o império do Eros, mas também o império do Narciso, porque nele o Eros satisfaz a si mesmo diante do espelho. O indivíduo se possui e consigo dá vazão aos seus desejos eróticos à medida que se torna um puro consumidor, um conscumidor sem consciência: ele vive para consumir.
 
Vivemos no reino do ultraliberalismo, amigos. E muitos dos participantes do campo crítico, muitos dos que juram compor a vanguarda da esquerda, estão, de fato, na vanguarda do ultraliberalismo, na vanguarda do metacapitalismo.
 
* * *
 
Para concluir, eu me lembro de uma ocasião em que participava de uma reunião de pesquisa de pós-graduação num instituto na UERJ. Uma mestranda, investigadora da questão de gênero, relatava que havia recebido o financiamento da Fundação Ford para a sua pesquisa – ela estava surpresa porque não esperava que o seu projeto fosse aprovado. E concluía: “é incrível como o metacapitalismo está financiando pesquisas que vão contra o próprio sistema liberal-capitalista”.
 
Ela era ingênua. Na verdade, o que estava acontecendo era justamente o contrário.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche