s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Legado olímpico deficitário nem sempre é ruim

Legado olímpico deficitário nem sempre é ruim

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Legado olímpico deficitário nem sempre é ruim

 Antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, publiquei um artigo bem amplo intitulado Olímpicas expectativas, em que analisava diversos aspectos relacionados ao evento. Como os Jogos ainda não acabaram, ainda não dá pra fazer um balanço completo, mas acho interessante compartilhar com os amigos uma breve reflexão acerca do legado olímpico.

Com a aproximação da Olimpíada do Rio de Janeiro, agora já em seu final, muito se falou sobre aspectos negativos dos dois grandes eventos esportivos internacionais realizados recentemente no Brasil, a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

O saldo financeiro definitivo de eventos dessa magnitude leva muitas vezes um tempo considerável para ser conhecido, tal a complexidade envolvida e o amplo e diversificado conjunto de instituições envolvidas no seu financiamento.

Apesar dessas dificuldades, a percepção geral é de que a esmagadora maioria das edições recentes desses eventos deixou um saldo financeiro negativo, sendo duas importantes exceções Barcelona, que sediou os Jogos Olímpicos de 1992, e Los Angeles, que sediou os Jogos Olímpicos de 1984, sendo estes últimos os únicos que foram financiados integralmente por meio de investimentos privados.

Há casos em que o saldo foi catastrófico, deixando uma conta enorme a ser paga pelas autoridades e, em última instância, pelas populações de cidades ou países que sediaram grandes eventos esportivos. Montreal e Atenas, que sediaram, respectivamente, as edições de 1976 e 2004 dos Jogos Olímpicos, são bons exemplos disso.

Há um caso, porém, que deve ser examinado a partir de uma ótica diferente, visto que muito mais do que obter superávit, o grande objetivo de Seul, ao se candidatar para sediar os Jogos Olímpicos de 1988, era o de promover a cidade e o país, até então pouco conhecidos internacionalmente.

Nessa perspectiva, os Jogos Olímpicos de Seul atingiram plenamente seu objetivo, uma vez que a Coreia do Sul conseguiu mostrar ao mundo que era capaz de promover um evento de magnitude mundial de forma extremamente organizada, sendo elogiada por unanimidade por todos os que estiveram presentes aos Jogos, quer como atletas, quer como torcedores ou dirigentes.

Prova disso é que poucos anos depois a Coreia do Sul associou-se ao Japão na organização da Copa do Mundo de Futebol de 2002, quando, uma vez mais, evidenciou sua capacidade de organização, aliada, nesta oportunidade, à ativa e alegre participação de sua população, que encantou o mundo torcendo por sua surpreendente seleção, que chegou entre os quatro finalistas.

Com a aproximação do final dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, independentemente dos resultados definitivos – tanto esportivos como financeiros – uma coisa se pode afirmar com certeza: o maior legado da Olimpíada será para o povo do Rio de Janeiro, que poderá desfrutar de consideráveis melhorias em regiões que foram revitalizadas, em novos meios de transporte e em novas atrações culturais que poderão ampliar ainda mais o interesse de turistas pela Cidade Maravilhosa. Para isso, as autoridades, tanto da cidade como do estado do Rio de Janeiro, precisarão levar a cabo inúmeras ações, no sentido de oferecer mais segurança, saúde e condições mínimas de trabalho para servidores que se encontram, atual e compreensivelmente, bastante desestimulados.

Iscas para quem quiser se aprofundar

Referência webgráfica

MACHADO, Luiz Alberto. Olímpicas expectativas. Disponível em http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/olimpicas-expectativas/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado