s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Licença Poética

Licença Poética

Chiquinho Rodrigues -

Reza a lenda que um dia João Gilberto, estando no consultório de um psicanalista (para uma eventual avaliação de sua sanidade), parou em frente de uma das janelas e, pensativo, vendo lá fora o vento balançando as copas das
árvores, teria comentado:

-Vejam que lindo… o vento está assanhando a cabeleira dos coqueiros!

E uma das enfermeiras (ou médico, sei lá) teria espantada observado:

– Mas, João, árvores não têm cabelo!

E o João com o tacape em riste, respondido:

– E tem gente que não tem poesia.

Pois é. Licença poética é foda!

Em nome dela escreveu-se muita coisa boa. Mas também tivemos (e ainda temos) que aguentar muita merda.

Algumas, são só frases de efeito e que não querem dizer mesmo muita coisa.

Mas têm outras, cara, que fazem brotar de verdade na gente aquele orgulho bom pela língua portuguesa.

Conheço muita gente, que como eu, (em busca da frase perfeita) dorme com lápis e papel colados à cabeceira da cama para poder registrar toda e qualquer ideia. Que pode vir a qualquer hora, no meio do sono, do banho ou
no escurinho do cinema.

Não vou fazer aqui nenhuma lista de frases boas e ruins não (até porque cada um tem seu grau de “poesia” pra enxergar cada uma delas). Só vou colocar algumas que gosto, acho bonitas, geniais, curiosas ou simplesmente
lembrei agora na hora de escrever. Coisas como:

Caía a tarde feito um viaduto.

Tua beleza é um avião.

Branca é a tez da manhã.

Mata-borrão do céu.

Ladeira da memória…

Cometas percorrendo o céu da boca…

Feito desgosto de filha.

Esse canto torto feito faca.

Na casa da paixão…

Um pedaço de Saigon

A luz dos olhos meus precisa se casar.

Vive morre pão…

Noites com sol…

Bebedeira louca… ou lucidez

Bloco dos Napoleões retintos…

Da sloper da alma.

Sons, palavras, são navalhas.

Você entrou em mim, como um sol no quintal.

Fica a ausência branca e marron.

A cuba-libre da coragem em minha mão…

Tios na varanda… jipe na estrada…

Se eu chorar e o sal molhar o meu sorriso…

Deixa as fraldas do vento…

Em vez de rosto a foto de um gol.

O vento cantando no arvoredo…

É o tempo, Maria, te comendo feito traça.

O sol se reparte em crimes.

Asa do meu destino…

Amar é perder o tom nas comas da ilusão.

O amor é a ausência de engarrafamentos.

E por aí vai.

A poesia permite isso. E tenho inveja (boa) de não ter criado quase noventa por cento das frases que eu citei aí.

Um dia desses ligou para mim o nosso amigo Nico Resende. E no meio da nossa conversa fiquei sabendo que ele é o autor da música título do novo álbum do Jorge Vercilo, Signo de Ar.

Aproveitando então que o Vercilo estava se apresentando aqui em Sampa, eu fui ao show dele. (pena eu não poder ter levado meu filho Bruno Henrique, ele tem só nove anos, mas já é super fâ do Vercilo).

O show é bom. E o cara compõe, toca e canta muito. Os músicos são competentes e o som estava bonito.

Mas no meio da apresentação me veio à lembrança um pedaço da conversa que eu tivera com o Nico pelo telefone, aonde ele chegou a me perguntar se eu tinha algumas letras prontas pra ele poder colocar música.

A partir daí me concentrei então no teor das letras (pra poder sacar qual a praia que eu deveria compor). Foi quando o Vercilo resolveu então apresentar a música do Nico (Signo de Ar).

A música é mesmo muito bonita, está bem cantada e o arranjo é bem esperto (a cara do Nico).

A letra tem frases bonitas, curiosas, de infinitos sentidos e efeitos. Coisas como: “As varandas do meu coração” … “Sorriso de constelação”…”Varal do verão”…

Se aquela enfermeira que atendeu o João Gilberto ouvisse essa canção,
provavelmente diria ao Nico:

– Porra velho! Coração não tem varanda!

Mas, deixa pra lá.

O show terminou. Fui pra casa inspirado e pensei em escrever algo pra ele, mas eu estava muito cansado e acabei pegando no sono com a tv ligada na bosta do Programa do Jô.

Seguinte: eu ainda não tive tempo de escrever nenhuma letra e nem nada especial pra mandar pro nosso amigo.

Portanto, queria poder usar este espaço aqui pra poder mandar algumas sugestões de frases, para que ele possa usar em suas próximas composições.

Usando (e abusando) da licença poética, e baseado em frases como “No varal do verão”… “Sorriso de constelação” e “As varandas do meu coração”, eu gostaria de sugerir algumas coisas como:

No hall dos seus pulmões….(que tal?)

Na sacada dos seus lábios…

Tardes de pleura…

Alpendre de suas bochechas…

No avarandado das suas córneas…

Quintal dos seus artelhos…

Periferia das suas rótulas…

Virilhas de outono… (bom título pra CD)

Safenas ao cair da tarde…

Quietude de panturrilhas… (boa esta, né?)

Adegas de mis nádegas… (se estiver de olho no Mercosul)

Porões do seu umbigo…

Coriza de minhalma…

Hérnias em setembro…

Sadjada de agrijones… (ainda pro Mercosul)

Verde que te quero fígado…

Limiar de sobrancelhas…

Primavera nasal…

Se alguém tiver mais alguma sugestão, (desse naipe) é só usar aqui o espaço que temos para comentários e ter a certeza que vamos sim fazer chegar até o Nico Resende.

Ele vai adorar. (Bom… neste ponto eu reli a matéria toda e comecei a ficar em dúvida se ele vai gostar das sugestões ou ficar meio puto comigo).

Contei que eu e ele ficamos quase uns vinte anos sem nos falarmos?

Pois é… estou com receio dos próximos vinte…

Olha Nico… pra eu escrever esta crônica, tive que reler e ouvir muita coisa que há anos não ouvia. (Caetano, Gil,
João Bosco, Aldir, Djavan, Vinicius, Jobim, Ivan, Belchior, Gonzaguinha, Lô Borges, Horta, Milton…).

E ao ouvir despertei sentimentos pela música brasileira que estavam meio atrofiados em mim.

Percebi então que é maior o número que gente boa que está quase indo embora, do que o número de gente boa que está chegando pra ficar.

E você sabe né?

Ficar triste nessas horas é muito fácil.

Então resolvi escrever umas besteiras só pra gente achar que é engraçado chamar mulher de cachorra.

Repare não velho… Mas às vezes, escrever é desopilar.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues