s
Iscas Intelectuais
Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Palestra Planejamento Antifrágil
Palestra Planejamento Antifrágil
Aproveite o embalo, pois além de ouvir a história, você ...

Ver mais

Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Café Brasil 781 – Stalinismo tecnológico
Se você não é do ramo do marketing, da comunicação, da ...

Ver mais

Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Café Brasil 780 – LíderCast Barone & Priester
Pronto. Chegou o dia de conversar com duas referências ...

Ver mais

Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Café Brasil 779 – Grávida? Você está demitida!
Há quatro anos, uma amiga me relatou uma história ...

Ver mais

Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Café Brasil 778 – Cringe: a maldição dos Millennials
Um novo termo entrou em evidência: o cringe. A tradução ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
Café Brasil 766 – LíderCast Ilona Becskeházy
E a educação brasileira, como é que vai, hein? Mal, não ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Olímpica expectativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Olímpica expectativa “O esporte tem o poder de unificar, passar uma imagem de paz e resiliência, e nos dá esperança de seguir nossa jornada juntos.” Thomas Bach (Presidente do Comitê Olímpico ...

Ver mais

Economia do crime
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia do crime  O crime compensa?  “Na faculdade, fui atraído pelos problemas estudados por sociólogos e as técnicas analíticas utilizadas pelos economistas. Esses interesses começaram a se ...

Ver mais

Reprise
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Reprise  Já vi esse filme outras vezes… e não gostei do final A combinação de novas denúncias de irregularidades envolvendo membros do governo, o andamento da CPI da Covid e a sucessão de ...

Ver mais

O infalível ministro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A piada é antiga. Dá pra contar, se a turma do politicamente correto ainda não inventou o crime de lusofobia: A famosa cena bíblica do apedrejamento da adúltera, quando o Mestre teria dito… ...

Ver mais

Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Cafezinho 408 – Correlações e causalidades
Preste muita atenção nos discursos dos educadores, dos ...

Ver mais

Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Cafezinho 407 – A teoria do valor subjetivo
Trocar um apartamento por um automóvel? Como assim?

Ver mais

Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Cafezinho 406 – Ressentimentos passivos
Eu escolhi participar ativamente, usando as armas que tenho.

Ver mais

Cafezinho 405 – O babaca
Cafezinho 405 – O babaca
Qual tipo de reação você acha que levo em consideração ...

Ver mais

Liga e desliga

Liga e desliga

Chiquinho Rodrigues -

Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela estava amando. Mas quando ela se enchia o saco do cara, era só girar o botão pro “desliga” e ela simplesmente deixava de gostar!

Esse papo saiu no meio de uma conversa com uma aluna minha de violão, o nome dela era Renata e devia ter mais ou menos uns 20 anos.

Além de surpreso, fiquei morrendo de inveja! (Não era a primeira vez que uma mulher entre 20 e 25 anos me dizia isso).

A surpresa foi porque sempre achei que o apaixonar pode sim acontecer em segundos. Mas o esquecer pode levar uma eternidade. (vide Florentino Ariza).  E a inveja foi porque percebi que esse botão, esse “acessório”, só consta nos modelos mais novos.

Difícil de se conformar, né?

Passei a minha vida inteira fazendo cagada por causa do meu coração.

Nunca ouvi a razão e nunca consegui controlar meus sentimentos. E agora, acabo descobrindo que existe um botão de “liga e desliga”!

Porra… quero um também!

Fui atrás então.

Acabei reencontrando a Guadalupe, aquela minha maluca que é numeróloga, astrolóloga, taróloga, psicóloga, exotérica, mexe com florais, yoga, feng chui, ufologia, é viciada em manual de instruções, pastel de feira, morou no Tibet, casou e separou umas cinco vezes com o mesmo marido, (que é padre e gay!),  já passou e largou a fase da maconha, coca, LSD, chiclete e hoje é ponta esquerda do time de futebol feminino do Parque da Moóca.

Pois bem! Com um currículo desses… só ela mesmo pra resolver meu problema!

No começo ela achou que eu estivesse brincando. Mas depois leu no meu olhar o desespero, quando eu disse que precisava achar esse botão de “liga e desliga” o mais rápido possível. (Nem que estivesse funcionando só a função “desliga”). Pois meu coração estava já meio cansado e naquele momento precisando um pouco de paz e conforto.

– Olha Chico – disse ela, acendendo um incenso de cravo da Índia – esse “botão” não é difícil de encontrar não! Está cheio deles no mercado. Mas só servem pros modelos mais novos. Nos mais antigos não dá pra fazer nem uma gambiarra. Você deveria ter feito vários upgrades no seu coração durante os últimos anos pra poder então agora receber esse tipo de acessório.

– Qual outra saída então?

– Você já pensou em… reposição?

Reposição? Eu já tinha ouvido muito essa expressão quando fazia vídeos para o mercado de autopeças e para a multinacional Dana.

Foi só a Guadalupe ter dito isso que eu logo me imaginei entrando numa loja e pedindo ao balconista:

– Bom dia! Eu gostaria de um coração novo.

– É pro senhor?

– É sim…

– Qual o ano e modelo?

– 1950. Standart…

– A álcool ou drogas?

Pensei em algumas mulheres que tive e disse:

– Drogas.

– Hum… – disse ele olhando para a tela do computador – esse é um modelo muito antigo, careta, crédulo, romântico e quase em extinção. Esse nós não temos mais. Só trabalhamos praticamente com novos modelos.

– O que faço então?

-Talvez o senhor encontre algo em bom estado em algum ferro velho ou desmanches.

Vi então que não era por aí. Pensando nisso tudo perguntei pra Guadalupe se era esse tipo de reposição que ela estava sugerindo e ela esclareceu:

– Não Chico! É um outro tipo de reposição. Veja bem… se o seu coração é antigo, temos que fazer tudo pelo método antigo. Isto é, a reposição de que estou falando não é do seu coração propriamente dito. Mas sim, do que existe dentro dele. Repor é trocar o que já existe por algo novo. Para esquecer um velho amor… só substituindo por outro! É o método antigo. Uma reposição.

Caramba! Já estava difícil eu imaginar um transplante.(mas mesmo assim eu estava topando). Porém, pior que isso era ter que trocar o que estava dentro dele! Isso era simplesmente substituir. Trocar de gostares.

Fui pra casa puto da vida! Tinha gasto uma grana que ia me fazer uma falta danada. Pois além de me cobrar a consulta, a Guadalupe acabou me empurrando uns florais, um baralho de tarô, incenso, velas, castiçais e dois ingressos pro jogo dela no domingo.

Chegando em casa liguei o computador.

Resolvi deixar por enquanto a Norma Finkel de lado e lhe escrever sobre isto. E foi neste ponto que eu vi não que não tinha sequer um final decente, nem algo filosófico, nem uma moral de história e nem nada pra terminar isto aqui.

Mas não esquentei, deixei quieto.

Fui para o banheiro e de frente para o espelho tirei a camisa.

Fiquei lá que nem bobo olhando pro meu peito tentando achar algum compartimento secreto para se trocar as pilhas ou algo assim. Procurando uma maneira inteligente de colocar um botão ou uma alavanca, sei lá. (pensei até em desenhar um botão power on & off pra me sentir mais moderno mas achei meio ridículo).

Então tomei um banho, comi alguma coisa e assisti um pedaço do Jô (que pra variar tava uma merda!).

E com a televisão ainda ligada peguei no sono e dormi…

… com as mesmas incertezas de sempre.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues