s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil – A chamada
Café Brasil – A chamada
Meu conteúdo vale muito desde que seja de graça.

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem
Café Brasil 745 – Superhomem
O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E ...

Ver mais

Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Você já ouviu alguns ditados como “faça o que digo, não ...

Ver mais

Café Brasil 743 – A inveja
Café Brasil 743 – A inveja
Olha, tá pesado, viu? A cizânia plantada na sociedade ...

Ver mais

LíderCast 210 – Sarah Rosa
LíderCast 210 – Sarah Rosa
“Atriz pornô e acompanhante” como ela mesma se define. ...

Ver mais

LíderCast 209 – Gabriel Lima
LíderCast 209 – Gabriel Lima
CEO da Enext e uma das mais jovens referências nos ...

Ver mais

LíderCast 208 – Alon Lavi
LíderCast 208 – Alon Lavi
Bacharel em Engenharia Biotecnológica na Universidade ...

Ver mais

LíderCast 207 – Danilo Balu
LíderCast 207 – Danilo Balu
escritor, formado em educação física, corredor, que ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Vacinas para quem precisa
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, o assunto não é a vacina contra a Covid-19. Por dois motivos: Primeiro, tem gente demais dando opinião sobre isso, e a maioria totalmente leiga no assunto. A coisa virou briga política, e ...

Ver mais

A montanha-russa peruana
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A montanha-russa peruana Peru em flashes  “Desde a década de 1970, a democracia na América Latina cresceu num clima internacional favorável, mas suas vantagens são prejudicadas pela fraqueza de ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.   Digo isso porque percebo, em boa ...

Ver mais

A gangorra da concentração no setor bancário
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A gangorra da concentração no setor bancário  “Concorrência é como um jogo de tênis. Não tem contato físico. Não podemos impedir que ela crie jogadas e produza. Temos que ser eficientes em nosso ...

Ver mais

Cafezinho 337 – Erebus e Terror
Cafezinho 337 – Erebus e Terror
A Expedição Franklin, no final do século 19, apesar de ...

Ver mais

Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Não dá pra provocar a sorte. Mas dá pra dar uma chance ...

Ver mais

Cafezinho 335 – Identidade
Cafezinho 335 – Identidade
Não me reconheço mais neste povo incompleto e perdido, ...

Ver mais

Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Eu vi Rivellino jogar. E isso me afastou do futebol.

Ver mais

Liga e desliga

Liga e desliga

Chiquinho Rodrigues -

Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela estava amando. Mas quando ela se enchia o saco do cara, era só girar o botão pro “desliga” e ela simplesmente deixava de gostar!

Esse papo saiu no meio de uma conversa com uma aluna minha de violão, o nome dela era Renata e devia ter mais ou menos uns 20 anos.

Além de surpreso, fiquei morrendo de inveja! (Não era a primeira vez que uma mulher entre 20 e 25 anos me dizia isso).

A surpresa foi porque sempre achei que o apaixonar pode sim acontecer em segundos. Mas o esquecer pode levar uma eternidade. (vide Florentino Ariza).  E a inveja foi porque percebi que esse botão, esse “acessório”, só consta nos modelos mais novos.

Difícil de se conformar, né?

Passei a minha vida inteira fazendo cagada por causa do meu coração.

Nunca ouvi a razão e nunca consegui controlar meus sentimentos. E agora, acabo descobrindo que existe um botão de “liga e desliga”!

Porra… quero um também!

Fui atrás então.

Acabei reencontrando a Guadalupe, aquela minha maluca que é numeróloga, astrolóloga, taróloga, psicóloga, exotérica, mexe com florais, yoga, feng chui, ufologia, é viciada em manual de instruções, pastel de feira, morou no Tibet, casou e separou umas cinco vezes com o mesmo marido, (que é padre e gay!),  já passou e largou a fase da maconha, coca, LSD, chiclete e hoje é ponta esquerda do time de futebol feminino do Parque da Moóca.

Pois bem! Com um currículo desses… só ela mesmo pra resolver meu problema!

No começo ela achou que eu estivesse brincando. Mas depois leu no meu olhar o desespero, quando eu disse que precisava achar esse botão de “liga e desliga” o mais rápido possível. (Nem que estivesse funcionando só a função “desliga”). Pois meu coração estava já meio cansado e naquele momento precisando um pouco de paz e conforto.

– Olha Chico – disse ela, acendendo um incenso de cravo da Índia – esse “botão” não é difícil de encontrar não! Está cheio deles no mercado. Mas só servem pros modelos mais novos. Nos mais antigos não dá pra fazer nem uma gambiarra. Você deveria ter feito vários upgrades no seu coração durante os últimos anos pra poder então agora receber esse tipo de acessório.

– Qual outra saída então?

– Você já pensou em… reposição?

Reposição? Eu já tinha ouvido muito essa expressão quando fazia vídeos para o mercado de autopeças e para a multinacional Dana.

Foi só a Guadalupe ter dito isso que eu logo me imaginei entrando numa loja e pedindo ao balconista:

– Bom dia! Eu gostaria de um coração novo.

– É pro senhor?

– É sim…

– Qual o ano e modelo?

– 1950. Standart…

– A álcool ou drogas?

Pensei em algumas mulheres que tive e disse:

– Drogas.

– Hum… – disse ele olhando para a tela do computador – esse é um modelo muito antigo, careta, crédulo, romântico e quase em extinção. Esse nós não temos mais. Só trabalhamos praticamente com novos modelos.

– O que faço então?

-Talvez o senhor encontre algo em bom estado em algum ferro velho ou desmanches.

Vi então que não era por aí. Pensando nisso tudo perguntei pra Guadalupe se era esse tipo de reposição que ela estava sugerindo e ela esclareceu:

– Não Chico! É um outro tipo de reposição. Veja bem… se o seu coração é antigo, temos que fazer tudo pelo método antigo. Isto é, a reposição de que estou falando não é do seu coração propriamente dito. Mas sim, do que existe dentro dele. Repor é trocar o que já existe por algo novo. Para esquecer um velho amor… só substituindo por outro! É o método antigo. Uma reposição.

Caramba! Já estava difícil eu imaginar um transplante.(mas mesmo assim eu estava topando). Porém, pior que isso era ter que trocar o que estava dentro dele! Isso era simplesmente substituir. Trocar de gostares.

Fui pra casa puto da vida! Tinha gasto uma grana que ia me fazer uma falta danada. Pois além de me cobrar a consulta, a Guadalupe acabou me empurrando uns florais, um baralho de tarô, incenso, velas, castiçais e dois ingressos pro jogo dela no domingo.

Chegando em casa liguei o computador.

Resolvi deixar por enquanto a Norma Finkel de lado e lhe escrever sobre isto. E foi neste ponto que eu vi não que não tinha sequer um final decente, nem algo filosófico, nem uma moral de história e nem nada pra terminar isto aqui.

Mas não esquentei, deixei quieto.

Fui para o banheiro e de frente para o espelho tirei a camisa.

Fiquei lá que nem bobo olhando pro meu peito tentando achar algum compartimento secreto para se trocar as pilhas ou algo assim. Procurando uma maneira inteligente de colocar um botão ou uma alavanca, sei lá. (pensei até em desenhar um botão power on & off pra me sentir mais moderno mas achei meio ridículo).

Então tomei um banho, comi alguma coisa e assisti um pedaço do Jô (que pra variar tava uma merda!).

E com a televisão ainda ligada peguei no sono e dormi…

… com as mesmas incertezas de sempre.

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues