s
Iscas Intelectuais
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Café Brasil 761 – O viés nosso de cada dia
Você já ouviu falar em autoilusão? A forma como nós ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Exemplos positivos da sociedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Exemplos positivos da sociedade O início do outono foi marcado pela publicação de dois documentos apresentados por diferentes segmentos da sociedade com considerações críticas e sugestões para o ...

Ver mais

Efeito da pandemia na economia mundial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Efeito da pandemia na economia mundial “O PIB brasileiro se apresentou melhor do que o de muitos países da Europa, por exemplo. No início da pandemia, a expectativa era de que o PIB brasileiro ...

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Cafezinho 373 – oladocheio.com
Cafezinho 373 – oladocheio.com
Venha para o lado dos que querem construir.

Ver mais

Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Cafezinho 372 – (des)Equilíbrio
Após anos de condicionamento recebendo más notícias, ...

Ver mais

Mainstream

Mainstream

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Mainstream

Tema atual e oportuno

 “As indústrias criativas não são mais hoje em dia um tema exclusivamente americano: são um tema global.”

Frédéric Martel

Acabo de ler Mainstream. Concluído em 2010 e lançado no Brasil em 2012, o livro me havia sido recomendado por dois grandes professores, Jair Marcatti e Martin Cezar Feijó. Trata-se de uma espetacular análise do que acontece na guerra global das mídias e das culturas (subtítulo do livro) e oferece uma visão apurada de um processo de mudança comportamental em curso no mundo todo, das culturas e mídias tradicionais (mainstream) para mídias alternativas e menos populares graças ao aparecimento das plataformas digitais.

O livro foi escrito pelo jornalista e pesquisador Frédéric Martel, que, durante cinco anos, viajou pelo planeta, visitando as capitais do “entertainment” com o objetivo de entrevistar mais de 1.250 protagonistas das indústrias criativas em 30 países, além de conhecer in loco estúdios de cinema, rádio e TV, gravadoras, editoras, agências de publicidade e universidades.

Considerando que o autor viajou por vários países para chegar ao texto definitivo, muitos aspectos acabam por prender a atenção do leitor. Alguns desses aspectos dizem respeito a peculiaridades da cultura de cada país visitado. Um dos que mais me chamaram a atenção refere-se à China: “Na China, é preciso saber esperar e voltar a fazer a mesma pergunta periodicamente, em todas as etapas de uma entrevista, sem insistir, mas sem nunca desistir, até finalmente obter a resposta”. Quem já teve a chance de conhecer a China sabe que é exatamente assim.

A fim de aguçar a curiosidade, reproduzo mais três trechos que também atraíram minha atenção de forma especial. O primeiro deles refere-se a Bollywood, a indústria cinematográfica da Índia, e sua estratégia para conquistar o mundo:

A Índia tem uma das economias mais dinâmicas do mundo, com um crescimento anual entre 6% e 8%. No setor das indústrias criativas e do cinema, o crescimento é ainda mais espetacular, superando 18% ao ano. “Nosso futuro está aberto, somos o segundo país mais populoso do mundo”, insiste Amit Khanna [diretor-presidente da Reliance Entertainment, uma das mais poderosas multinacionais indianas do setor das indústrias criativas e da mídia], que quer romper com a imagem do cinema indiano das décadas de 1960 e 1970, apreciado pela crítica e os festivais internacionais, como cinema do Terceiro Mundo, mas não levado muito a sério como indústria e como mercado.

O segundo refere-se à Rotana, grupo de mídia e entretenimento de Al Waleed, príncipe de sangue e membro da família real da Arábia Saudita:

A Rotana especializou-se em dois setores paralelos que contribuem para esse monopólio. Primero a Internet: o grupo investiu milhões de dólares em sites ultramodernos e na IPTV, a televisão por Internet. “Consideramos que a cultura e a informação, a música, os filmes, a televisão e os livros vão se tornar inteiramente digitalizados. Tudo vai se transformar completamente. É o que eu chamo de ‘telecotainment’, a mistura das telecomunicações com o entretenimento. Não haverá mais discos, livros, jornais, televisões, apenas telas ligadas à Internet”.

O terceiro, por fim, já na parte conclusiva do livro, diz respeito à relação entre arte, cultura e economia, tema extremamente sensível para muitos atores da economia criativa, no qual a influência da Europa, que foi dominante por muito tempo, vem sofrendo acentuado declínio:

Será que a cultura, para ser valorizada, precisa estar necessariamente “fora” da economia e do mercado? Não é fato que setores inteiros da arte, na própria Europa, são regidos e produzidos pelo mercado (grande parte do cinema, da edição, da música, mas também da arte contemporânea)? Em si mesmo, assim, o mercado não seria bom nem mau para a cultura. Depende. É preciso analisar essas questões de maneira menos ideológica do que se tem feito até agora. As indústrias criativas valorizam os números, e não as obras, e não se pode discutir coma Billboard, a Variety ou a Nielsen Soundscan. É sobre essas mudanças de paradigma que os europeus precisam refletir.

Além desses três aspectos, o autor aborda muitos outros extraordinariamente atuais no fascinante mundo das mídias e das culturas, razão pela qual a leitura de Mainstream é extremamente atual e oportuna.

Permito-me uma última observação. Da época da publicação do livro para cá, a transição em direção à digitalização e ao uso de plataformas digitais avançou muito, passando a ter influência cada vez maior em todas as áreas, inclusive na política. Por essa razão, a ausência de referências a fenômenos como relações políticas internacionais, campanhas digitais e fake news deixa um gostinho de “falta alguma coisa” aos que se interessam pelo assunto.

Isca para ir mais fundo no assunto

Referência bibliográfica

MARTEL, Frédéric. Mainstream: a guerra global das mídias e das culturas. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado