s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Mandioca para todos!

Mandioca para todos!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                        Te cuida, Mulher Melancia. Vocês também, Mulher Melão e Mulher Morango. Tremei, todas as Mulheres-Algo, pois brota do chão a mais nova tendência feminina para o fim de feira ao qual o Brasil foi relegado: A Mulher Mandioca.

                        Dilma voltou de seu improdutivo passeio nos EUA com algumas certezas enfiadas naquela terra de ninguém que traz entre as orelhas e ousa apelidar de cérebro: Ela é simplesmente o máximo e o mundo, principalmente os americanos, tem muito a aprender com ela. É mandioca demais pra nossa barraquinha de feira.

                        Ela decolou daqui pouco se lixando com o barranco que estamos rolando, sem esperança de um mísero galhinho que nos ampare. E o chão duro ainda tá longe.

                        É impressionante (mesmo para os mais empedernidos puxassacos e intere$$ados), até mesmo para Jô Soares, nomeado Elogiador Geral da República e condecorado pela cara de pau demonstrada na sua entrevista-palanque, a forma como Dilma simplesmente ignora a realidade. Claro, a aversão da esquerda caviar aos fatos é conhecida; Lênin, sua múmia-mor, já dizia que a diferença entre mentira e verdade é apenas um conceito burguês. Quero ver quem, do atual desgoverno, vai ter coragem de explicar isso aos trabalhadores que ficarão sem abono este ano por pura falta de dinheiro para pagar o benefício. Enfim, mais do Dilmismo, essa praga, essa peste negra que assola o País. E madame passeia nos EUA, gostosamente instalada numa suíte de US$ 11 mil a diária. Que coisa meiga.

                        A despedida antes das férias ao estilo Rainha de Copas foi inesquecível; será sempre lembrada como a presidente que louva a mandioca (os trocadilhos estão em êxtase) e criou uma tal de mulher sapiens, algo que nem mesmo o mais heterodoxo antropólogo saberia definir de onde surgiu. Sua única atitude esperta (tão esperta quanto calhorda) foi excluir Aluízio Mercadante do convescote internacional. Afinal, o sujeito está enrolado até o pescoço com as delações premiadas da Operação Lava Jato e madame não queria explicar esses detalhes sórdidos. Dá muito trabalho, mesmo para uma mulher sapiens, enfrentar jornalistas num país sério.

Em suas férias no império do mal, no qual todo comunista se rende às delícias do consumismo e do capitalismo podre, a Mulher Mandioca não deixou por menos, e deu aulas de arrogância explícita, como se estivesse aqui na Banânia. Ficou muito irritada com essa mania americana de ter de responder a perguntas de jornalistas, ora veja que ousadia!

                        De resto, disse todas as bobagens possíveis, dignas de anedota, desenvolvendo novos ramos do Dilmês, a língua que criou para dizer muita besteira sem explicar fato algum. Coisa de hospício. Deu ao mundo a certeza de que não passa de uma irresponsável que conseguiu destruir a economia e o sistema político de um dos maiores países do mundo. Dilma é uma piada, e de mau gosto. Mesmo os 9% que (ainda) a apóiam não conseguem, nem com muita mandioca (em ambos os sentidos), demonstrar que seu fracasso retumbante é apenas um sucesso com pouca publicidade.

                        O Brasil ainda não acabou. Mas Dilma retorna à presidência do bordel com a mesma certeza com a qual viajou: Tudo está bem, ela é simplesmente o máximo, e esses 91% que a reprovam não passam de uma elite fascista, sexista, maldosa, que odeia os pobres.

                        A mandioca, com areia grossa, vai ser o prato mais servido na porta dos fundos de qualquer dos percentuais representativos.

                        Saúdem, pois, essa conquista que ilustra bem o passado e decora nosso futuro – A Mandioca: 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes