s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Mas por que justamente o Bolsonaro?

Mas por que justamente o Bolsonaro?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

Por que foi o Bolsonaro o escolhido pelos eleitores, e não o Alckmin, o Amoedo ou o Meirelles?

Pertenço ao grande campo das esquerdas e, para mim, é muito claro o porquê da ascensão da sua candidatura.

Nós não estamos conseguindo nos contrapor a ela – como também não conseguiram os outros candidatos anti-PT – porque não entendemos parte do problema.

Não é por meio de Foucault e Derrida que se pode compreender completamente o que está acontecendo; há um lado da questão que é mais simples e mais primal. Para lidar com ele, é preciso simplificar: urge voltarmos a um Hobbes.

Hobbes cria a doutrina do contratualismo ao notar que a razão essencial da vida em sociedade é a proteção física da própria vida.

Ele argumenta que, em nome da segurança, as pessoas estão dispostas a abrir mão de tudo – até de sua liberdade política. Em nome da preservação da vida – a sua e a da sua família -, os cidadãos tornar-se-ão, de bom grado, súditos de um tirano. Vimos isso acontecer há alguns anos em bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro, quando as milícias paramilitares expulsaram os assaltantes e traficantes e foram saudadas como forças libertadoras por parte da população.

Pois bem: nós, do campo das esquerdas, não percebemos que o problema fundamental de qualquer sociedade não é a educação, nem a saúde pública, o combate à corrupção, a economia, a igualdade civil ou as liberdades políticas: é, como diz Hobbes, a segurança.

Ora, todas as pesquisas de percepção da conjuntura indicam que o povo tem medo de andar nas ruas e considera que não há punição adequada para os crimes que sofre. Em qualquer lugar do Brasil, em todas as classes sociais. Ou seja: o povo acredita estar à beira da anomia.

O que permitiu a criação da onda Bolsonaro não foi, em primeiro lugar, o discurso (controverso) da incorruptibilidade nem a tríade machismo-rascismo-homofobia.

O que levantou a sua candidatura foi a promessa de aumentar a segurança – ou, no mínimo, a de permitir que cada um possa fazer a sua proteção armada. E o julgamento (correto ou não, o que importa neste momento?) de grande parte da população de que as políticas de segurança das esquerdas são as maiores responsáveis pelo aumento da violência urbana.

Em outras palavras: não adianta somente discutirmos economia, projetos educacionais, incentivo à ciência, privatização. Quem se percebe à beira da guerra civil não está preocupado com questões de longo prazo; o que importa é não correr o risco de ser preso ao dar um tiro em quem pretende sequestrá-lo ou invadir a casa em que mora a sua família.

Nessas horas mais brutas, não basta ler Foucault: é preciso ler Hobbes também.

O Bolsonaro percebeu isso, mas as esquerdas – assim como os outros candidatos anti-PT -, não. E isso pode levá-las a um retrocesso inimaginável pelos próximos anos.

* * *

Em tempo: hoje em dia, as milícias que “limparam” a Zona Oeste do Rio… pensando bem, deixa pra lá.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche