s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

McCarthy não; Nuremberg sim.

McCarthy não; Nuremberg sim.

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Luis Fernando Veríssimo é lulista cinicamente disfarçado de isentão. O escritor descobriu ser esquerdista só depois do fim da ditadura militar, tempo em que ganhou muito, mas muito dinheiro mesmo, com seus livros. Quando descobriu-se lulista convicto, passou a reescrever suas ideias de forma suave, sua especialidade como mestre das palavras, camuflando seu esquerdismo caviar, de butique, através do qual defende o comunismo (mas só para os outros), enquanto usufrui das benesses do capitalismo sujo, decadente, desigual, selvagem, que ele tanto abomina da boca pra fora. Ou seja, a imagem perfeita do camarada padrão da esquerda, e obrigatório no lulismo, esse stalinismo moreno da vanguarda do atraso, que trata como “progressistas” dogmas derrubados no século XIX pela evidência do silogismo de sua fonte – e de seus resultados devastadores que deveriam ter sido derrubados junto com o muro de Berlim.

Em texto recente, Veríssimo seguiu essa modinha ridícula de tachar como nazista qualquer um que não se ajoelhe diante do altar de missa negra lulista: Alegou haver uma caça às bruxas ameaçando os pobres, inocentes e incorruptíveis lulistas infiltrados no governo e nas estatais satélites, num escandaloso cabidão de empregos que pode ultrapassar 25 mil vagas. Cinicamente, sob o disfarce de praticamente perseguido por defender os desvalidos de extrema esquerda, claras “vítimas” dos desmandos de um governo que nem ao menos começou (!), sugeriu que os vampiros reaças/nazistas, que aí vêm marchando com sede de sangue digna de Calígula, identifiquem suas pobres vítimas com uma estrela vermelha, alegando que isso já funcionou no passado. A referência pseudo-intelectual aos campos de concentração que vitimaram a inocente população judia durante a 2ª Guerra Mundial (com apoio entusiasmado da comunista URSS) é mais do que nojenta; é mentirosa, e já abordamos o caso aqui:  http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/sempre-sempre-godwin/

Outros coleguinhas “intelectuais” (aqui na Banânia “intelectual” é um título outorgado – muitas vezes auto outorgado – por mérito ideológico, não por intelecto), alimentados pelo mesmo cinismo, pretendem comparar um governo democraticamente eleito, que nem ao menos iniciou os trabalhos, com o Macarthismo dos anos 50 nos EUA; não sabem nem o que isso significa, mas acusam o governo eleito de criminoso e ponto final. Também fingem ignoram que não há caça às bruxas como o biruta McCarthy tentou fazer, mas sim uma identificação (necessária) dos ocupantes de lugares-chave do governo que usam seus cargos em benefício de si e de sua alucinada seita, desmoralizando o Brasil no exterior. Se querem dar um nome justo a essa procura, e se há que julgar essas pessoas pelo que fizeram no atacado e continuam fazendo no varejo, a lulada poderia lembrar-se de outro fato histórico; não há nada de Macarthismo, mas pode haver muito de Tribunal de Nuremberg (1945/1946), que identificou, prendeu, julgou e condenou muitos criminosos nazistas que tentavam se ocultar da justiça. Exagero? Foi a esquerda lulista, fragorosamente derrotada nas eleições, que começou com essa besteira.

O fato de os lulistas, capitaneados por sua entidade máxima enjaulada em Curitiba, se acreditarem acima do bem e do mal, não faz desaparecer magicamente os crimes cometidos por essa tigrada sob a desculpinha cafajeste de “proteger” o povo. Deus tá vendo, e as planilhas da Odebrecht também.

Joseph McCarthy era doido e usou seu mandato de senador (1947-1957) para acusar injustamente seus desafetos, acusando-os de serem comunistas. Diferentemente, o Tribunal de Nuremberg seguiu a lei para julgar e condenar monstros que brandiam o cinismo como principal arma para justificar ou negar seus crimes, alegando, por exemplo, que só cumpriam ordens, ou que apenas defendiam seu povo oprimido pelo inimigo. Qualquer semelhança não é mera coincidência, né, camaradas companheiros?

Ah sim, senhor Veríssimo: As pobres vítimas do nazismo foram obrigadas a usar as humilhantes estrelas amarelas para serem identificados e dizimados. Já seus amiguinhos lulistas ostentam orgulhosamente suas estrelas vermelhas, justamente para serem afrontosamente identificados, e se locupletar com essa seita pretensamente salvacionista que resulta apenas arrivista.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes