Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

McCarthy não; Nuremberg sim.

McCarthy não; Nuremberg sim.

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Luis Fernando Veríssimo é lulista cinicamente disfarçado de isentão. O escritor descobriu ser esquerdista só depois do fim da ditadura militar, tempo em que ganhou muito, mas muito dinheiro mesmo, com seus livros. Quando descobriu-se lulista convicto, passou a reescrever suas ideias de forma suave, sua especialidade como mestre das palavras, camuflando seu esquerdismo caviar, de butique, através do qual defende o comunismo (mas só para os outros), enquanto usufrui das benesses do capitalismo sujo, decadente, desigual, selvagem, que ele tanto abomina da boca pra fora. Ou seja, a imagem perfeita do camarada padrão da esquerda, e obrigatório no lulismo, esse stalinismo moreno da vanguarda do atraso, que trata como “progressistas” dogmas derrubados no século XIX pela evidência do silogismo de sua fonte – e de seus resultados devastadores que deveriam ter sido derrubados junto com o muro de Berlim.

Em texto recente, Veríssimo seguiu essa modinha ridícula de tachar como nazista qualquer um que não se ajoelhe diante do altar de missa negra lulista: Alegou haver uma caça às bruxas ameaçando os pobres, inocentes e incorruptíveis lulistas infiltrados no governo e nas estatais satélites, num escandaloso cabidão de empregos que pode ultrapassar 25 mil vagas. Cinicamente, sob o disfarce de praticamente perseguido por defender os desvalidos de extrema esquerda, claras “vítimas” dos desmandos de um governo que nem ao menos começou (!), sugeriu que os vampiros reaças/nazistas, que aí vêm marchando com sede de sangue digna de Calígula, identifiquem suas pobres vítimas com uma estrela vermelha, alegando que isso já funcionou no passado. A referência pseudo-intelectual aos campos de concentração que vitimaram a inocente população judia durante a 2ª Guerra Mundial (com apoio entusiasmado da comunista URSS) é mais do que nojenta; é mentirosa, e já abordamos o caso aqui:  http://portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/sempre-sempre-godwin/

Outros coleguinhas “intelectuais” (aqui na Banânia “intelectual” é um título outorgado – muitas vezes auto outorgado – por mérito ideológico, não por intelecto), alimentados pelo mesmo cinismo, pretendem comparar um governo democraticamente eleito, que nem ao menos iniciou os trabalhos, com o Macarthismo dos anos 50 nos EUA; não sabem nem o que isso significa, mas acusam o governo eleito de criminoso e ponto final. Também fingem ignoram que não há caça às bruxas como o biruta McCarthy tentou fazer, mas sim uma identificação (necessária) dos ocupantes de lugares-chave do governo que usam seus cargos em benefício de si e de sua alucinada seita, desmoralizando o Brasil no exterior. Se querem dar um nome justo a essa procura, e se há que julgar essas pessoas pelo que fizeram no atacado e continuam fazendo no varejo, a lulada poderia lembrar-se de outro fato histórico; não há nada de Macarthismo, mas pode haver muito de Tribunal de Nuremberg (1945/1946), que identificou, prendeu, julgou e condenou muitos criminosos nazistas que tentavam se ocultar da justiça. Exagero? Foi a esquerda lulista, fragorosamente derrotada nas eleições, que começou com essa besteira.

O fato de os lulistas, capitaneados por sua entidade máxima enjaulada em Curitiba, se acreditarem acima do bem e do mal, não faz desaparecer magicamente os crimes cometidos por essa tigrada sob a desculpinha cafajeste de “proteger” o povo. Deus tá vendo, e as planilhas da Odebrecht também.

Joseph McCarthy era doido e usou seu mandato de senador (1947-1957) para acusar injustamente seus desafetos, acusando-os de serem comunistas. Diferentemente, o Tribunal de Nuremberg seguiu a lei para julgar e condenar monstros que brandiam o cinismo como principal arma para justificar ou negar seus crimes, alegando, por exemplo, que só cumpriam ordens, ou que apenas defendiam seu povo oprimido pelo inimigo. Qualquer semelhança não é mera coincidência, né, camaradas companheiros?

Ah sim, senhor Veríssimo: As pobres vítimas do nazismo foram obrigadas a usar as humilhantes estrelas amarelas para serem identificados e dizimados. Já seus amiguinhos lulistas ostentam orgulhosamente suas estrelas vermelhas, justamente para serem afrontosamente identificados, e se locupletar com essa seita pretensamente salvacionista que resulta apenas arrivista.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes