s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Meio que por Acaso

Meio que por Acaso

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

Meio Que Por Acaso

acaso

Foi assim, meio que por acaso, que o técnico de celular se tornou estilista do funk e hoje exporta suas roupas para Nova Iorque. Foi assim, meio que por acaso, que eu há mais de dez anos resolvi escrever textos falando sobre o cotidiano e enviado-os por e-mail para um grupo seleto de amigos, e hoje escrevo textos e mais textos. Foi também assim, meio que por acaso, que ela começou a fazer unhas ou brigadeiros para ajudar a família, e hoje tem suas próprias empresas.

Há quem planeje carreiras e até horários para descanso de forma meticulosa criando planilhas e agendando minutos. Outros começam as coisas assim: meio que por acaso.

Muitas coisas são feitas no momento de descanso, onde a criatividade corre solta. É aí que o talento se expande e o reconhecemos, também meio que por acaso.

É o rapaz que desenha depois de voltar do trabalho enfadonho, é o outro que escreve e tem um blog, é a moça que é líder nos esportes… É uma brincadeira que pouco a pouco vai se tornando realidade. É aquilo que nos dá prazer, tesão, e nunca cansa. Seria o lugar real do trabalho em nossas vidas. É nossa alma clamando por fazermos algo que nem sequer percebemos fazer. Apenas o fazemos. Isso não é uma delicia?

Quantos frutos não nascem destas coisas feitas meio por acaso?

Quando as pessoas reclamam nas sessões de coaching ou psicoterapia dos trabalhos chatos ou estressanes que tem, sempre lhes faço a mesma pergunta: Porque você não faz o que gosta?

Normalmente a pergunta é entendida literalmente, a pessoa entende que eu esteja sugerindo que ela mude de emprego ou coisa do gênero. Há muitos anos escrevi sobre isso, e lembro dos comentários a meu texto – a maioria deles dizia que aquilo que eu propunha era romântico e inviável. Uma pena!

Mas do que eu falava? Dizia que no nosso tempo livre podemos fazer o trabalho que quisermos, já que ele não parece trabalho. Podemos pintar, escrever, estudar, interpretar, cantar, e sei lá mais o quê. Podemos também ter uma atividade voluntária através daquilo que nos faz bem. O que as pessoas não entendem é que nestas atividades que fluem como água estão escondidos os nossos verdadeiros talentos profissionais. Aqueles que ficam escondidos, muitas vezes atrás das portas dos grandes edifícios empresariais, que deixam nossos talentos nas ruas ao invés de aproveita-los.

O trabalho deve ser a expressão da alma, disse certa vez Moreno, o criador do Psicodrama. E quanto mais distantes estamos de nossa alma, maior também será o nosso adoecimento. Trabalhos nos tempos primitivos era subsistência, mas também expressão.

Já notei, por exemplo, que quando eu fico muito tempo sem dar aulas, cursos ou palestras vou ficando apagada, meio doente. Ao passo que já fui dar aulas, cursos e palestras muito doente, e sai do local curada. Sim, curada! É como se lá naquele local mágico e estando onde gosto de estar, junto às pessoas, eu esquecesse de tudo. E como se este prazer imenso, que só a troca cara a cara com os humanos proporciona, me fizesse tão bem que eu me curasse , contrariando até os médicos que diziam para eu ficar quieta e de cama.

É assim que funciona o meio por acaso. Ele não está atrelado a uma atividade extra para ganhar dinheiro. Ele ocorre aos poucos. No momento em que a maioria dorme, o outro sonha acordado e percebe o que nasceu ou está predestinado para realizar. Talvez até ele nunca ganhe um centavo com isso, mas com certeza transformará a sua vida e a dos outros. Pode até ser que se torne um milionário. A verdade é que quem funciona do jeito “meio por acaso” não está pensando nisso. Quer apenas fazer o que sente que precisa fazer, e mais nada.

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella