s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Meras coincidências

Meras coincidências

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Desde o início do “programa” Lula de perdão de dívidas de países africanos, sempre pareceu muito estranha essa “benemerência” desinteressada, como se o Brasil fosse riquíssimo, com muita grana pra gastar com esmola aos pobres. Qual seria o motivo dessa repentina “bondade” com o lado de lá do Atlântico, dessa tão desinteressada benemerência?

Lula alegava uma tal “dívida histórica” com a África, motivos “estratégicos” e outras besteiras esquerdistas sem o menor fundamento. Não colava. E, principalmente, não cheirava bem. Essa gracinha começou em 2003, com Lula, e seguiu até 2013, com a mamulenga afastada. Os países-alvo desse presente dos deuses eram: Congo-Brazzaville, Sudão, Gabão e Guiné Equatorial, como noticiou o jornal O Globo em agosto de 2013: http://oglobo.globo.com/mundo/com-anistia-brasil-beneficia-paises-africanos-acusados-de-corrupcao-9345651

Alguns apontavam como motivo dessa esbórnia financeira o interesse nacional em chegar ao Conselho de Segurança da ONU com os votos desses países; outro sonho megalômano do dupla que destruiu o País – acreditar que uns agrados a países quebrados e ditaduras insignificantes colocariam o Brasil no topo da ONU, e ele no cargo de secretário-geral da entidade! Que pesadelo mais “megalonanico”, como diria Reinaldo Azevedo.

Mesmo admitindo-se essa estupidez abissal, a conta não fechava. Lula e sua gangue nunca deram ponto sem nó. Nunca. Se há algum favorecimento, mesmo disfarçado, eles exigem contrapartida. Sem exceção.

O valor presenteado chegava (à época) a um bilhão de dólares. Atenção: US$ 1.000.000.000,00! Ou quase 4 vezes isso em Reais! Um Kilimanjaro de dinheiro. Dado, de presente, a fundo perdido? Coisa de hospício… ou haveria alguma outra malandragem escondida sob o verdejante tapete africano?

Sim, havia: esses países, entre outros (como Angola e Moçambique) tinham muito mais em comum do que apenas a geografia africana. Todos eram (são) ditaduras corruptas, sanguinárias, podres. E, numa coincidência incrível – ora vejam só! – são justamente esses países que estão envolvidos até o pescoço com as obras executadas pelas empreiteiras investigadas (algumas condenadas) na operação Lava Jato, bem como toda a lavagem do dinheiro roubado da Petrobrás! Olha só, que coincidência impressionante!

Quando o maior desvio de dinheiro público da História humana foi noticiado, já era tarde; as ligações dessa trama imunda vieram à tona no mar de lama. Os países premiados com o perdão das dívidas (perdão esse tão ilegal, criminoso, quanto imoral) são os mesmos que mantiveram relações inconfessáveis com a lavagem internacional da montanha de grana roubada aqui; tudo revelado pela Lava Jato. Foram 12 países africanos, além de Cuba, Venezuela e Bolívia. Onde teve o tal perdão, teve maracutaia grossa com as empreiteiras do Petrolão. Tudo, obviamente, uma coincidência enorme, claríssima, evidente. Nem pensar que Lula bolou um plano multinacional para desviar dinheiro; isso é maldade dos coxinhas. Aham. Tá lá em Cuba o porto de Mariel pra provar isso, ou o metrô de Caracas, ou as estradas e ferrovias bolivianas. A grande maioria dessas obras dadas de presente aos cúmplices foi “combinada” através do ex-neolobista Zé Dirceu, olha que outra coincidência fantástica.

A lulada diz que tudo isso é bobagem, que a África é “estratégica”, e é muito mais importante manter laços íntimos, embaixadas e negócios com esses países do que com Europa e Estados Unidos. Palavras de Marco Aurélio top-top Garcia, o rei do terceiro-mundo bolivariano.

O ditador da Guiné Equatorial (na foto com Dilma) e sua família, os Obiang, comandam uma população faminta, miserável, como se fossem seus escravos. Numa única noite, o filho do ditador nojento, Teodorín, esbanjou num leilão de objetos caríssimos em Paris o dobro do que lhes foi presenteado por Lula e sua turma. E nós pagamos mais essa conta. Para conferir essa história de terror: http://www.implicante.org/blog/dilma-anistiou-divida-da-guine-equatorial-ditadura-sangrenta-que-patrocinou-a-beija-flor/

Essas ações casadas entre amigos “progressistas”, na base do “eu tapo seu buraco e você tapa o meu”, no bom e no mau sentido, são a prova cabal da criminalidade instalada no governo federal, sem nenhum pudor, por 13 anos. E sempre com aquela conversinha canalha de “herança maldita” de FHC, uivando de ódio contra as privatizações que salvaram o País. Pois até isso essa horda fez. Vendeu ativos da Petrobrás a preço de banana, em troca das imundícies negociadas com Cristina Kirchner, a versão Barbie Idosa Del Tango de Dilma: http://www.oantagonista.com/posts/a-petrobras-e-os-hermanos

Nem vamos mencionar a refinaria dada para a Bolívia, quando o narcopresidente Evo Morales mandou seu exército brancaleônico, com armamento emprestado da Venezuela, invadir as instalações da Petrobrás de lá em 2006. Uma vergonha sem par: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u95508.shtml

Em países decentes, não riem de nós pelo que somos. Riem do que fazemos. E do que deixamos fazer. Vamos ver até quando seremos piada do mundo. Infelizmente, não falta enredo pra piada. A Olimpíada pode ser a maior de todas.

Ou vai ver que tudo não passa apenas de uma enorme coincidência. Coxinhas maldosos!

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes