s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Minha viagem pela Economia

Minha viagem pela Economia

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Minha viagem pela Economia

“Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.”

Roberto Campos

Em março de 1974 embarquei numa viagem na estação Mackenzie, que ainda não era a do metrô, ainda que em setembro daquele ano fossem iniciadas as operações comerciais do metrô de São Paulo, com o trecho Jabaquara-Vila Mariana, da então linha Norte-Sul.

Aquela viagem me conduziu a uma profissão repleta de desafios e oportunidades, que tem como uma de suas principais características a de abrir a possibilidade de atuar num leque muito amplo de ocupações[1].

Percorri algumas dessas possibilidades e me permito discorrer brevemente sobre elas a seguir.

A primeira foi a academia, na qual permaneci por mais tempo e com maior assiduidade. Apesar de me formar pela Faculdade de Economia do Mackenzie, foi na FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado) a que me dediquei com maior intensidade, ocupando, além da função de professor, a de chefe de departamento, vice-diretor e diretor da Faculdade de Economia, permanecendo ligado à instituição por 36 anos, de 1981 a 2017. Paralelamente à FAAP, ministrei aulas nos cursos de graduação das Faculdades de Economia do Mackenzie e da São Judas Tadeu.

No exercício da docência, ministrei aulas de diversas disciplinas nas áreas de economia, metodologia científica, ciência política, criatividade e economia criativa, tanto em nível de graduação como de pós-graduação. A maior concentração dessas aulas foi das disciplinas do núcleo histórico do curso de Ciências Econômicas: História Econômica Geral (HEG), Formação Econômica do Brasil (FEB) e História do Pensamento Econômico (HPE).

Também tive oportunidade de atuar em think tanks, começando pelo Convívio – Sociedade Brasileira de Cultura, no qual adquiri enorme experiência nos cursos de formação política para estudantes e lideranças sindicais realizados em todo o território nacional, passando pelo Instituto Liberal, pelo Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial e pela Fundação Espaço Democrático.

Além dessas atividades estreitamente ligadas à área intelectual, mantive sempre um pé no setor empresarial, quer diretamente, quer em atividades de assessoria ou consultoria. Iniciei minha carreira profissional no Escritório Técnico Eurico Meili, como controller financeiro de projetos em engenharia e arquitetura e estive por alguns anos na Eletros – Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos.

Dediquei-me também por um longo período às entidades de representação dos economistas, começando como diretor-técnico do Sindicato dos Economistas, prosseguindo no Conselho Regional de Economia de São Paulo, onde ocupei a presidência no biênio 2000-2001 e concluindo no Conselho Federal de Economia, em que fui eleito para três triênios.

Por um breve período de quase dois anos, atuei no setor público, como assessor especial da presidência da São Paulo Turismo.

De todas essas experiências, guardo boas lembranças e a certeza de que a rigorosa e abrangente formação como economista me forneceu uma base sólida e um ferramental teórico mais do que suficiente para enfrentar os desafios de todas essas ocupações.

Mais recentemente, peguei uma nova ramificação na estrada dessa extensa viagem e aventurei-me a escrever alguns livros, dando continuidade a uma prática iniciada na Agência Planalto e continuada em diversos outros lugares nos quais elaborei centenas de artigos, artigos científicos e capítulos de livros. Os dois últimos exemplos (até agora) foram Das quadras para a vida, escrito em parceria com meu filho, e Viagem pela Economia, lançado exatamente há um ano. Essa atividade tem me proporcionado grande alegria, por meio do reconhecimento de leitores de diferentes partes do País.

Aliás, se me perguntassem qual a maior riqueza proporcionada pela profissão, eu não teria nenhuma dúvida em responder: o enorme contingente de amigos amealhados entre  alunos, professores, companheiros de trabalho nas empresas e nas entidades representativas e nas centenas de palestras em eventos nacionais e internacionais.

Por tudo isso, é com muito orgulho que comemoro na data de hoje o Dia do Economista, desejando felicidades a todos(as) que, como eu, abraçaram esta valorosa profissão.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas

MACHADO, Luiz Alberto; MACHADO, Guga. Das quadras para a vida: lições do esporte na vida pessoal e profissional. São Paulo: Trevisan, 2018.

MACHADO, Luiz Alberto; Viagem pela Economia. São Paulo: Scriptum, 2019.

[1] No meu livro Como enfrentar os desafios da carreira profissional (Trevisan, 2012), há um subcapítulo focalizando a diferença entre profissão e ocupação, por muitos desapercebida.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado