s
Iscas Intelectuais
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Moralidade e Capitalismo – parte 1

Moralidade e Capitalismo – parte 1

Alessandro Loiola -

Durante milênios, as sociedades caracterizaram-se majoritariamente por uma cultura agrícola de subsistência, com poucas cidades, poucas estradas, poucos sistemas de comunicação, pouco uso de dinheiro, pouca alfabetização e pouco comércio.

Apesar das idas e vindas dos Impérios Persa e Romano, do longo período do Califado e da aparência eterna das dinastias Chinesas, as sementes do que conhecemos como capitalismo foram plantadas pelo incremento dos mercados na Europa durante os séculos XIV e XVI.

Uma série de eventos cumulativos aqueceu o forno para o longo cozimento de 400 anos do capitalismo, tais como o crescimento da agricultura e da indústria a partir do século IX; a reconquista das rotas do Mediterrâneo (até então sob posse dos Califas); a queda abrupta e substancial na população agrícola no período que se seguiu à Peste Negra (que resultou em pressões sobre o sistema de produção feudal e alterou a balança de poder); as transformações ideológicas da Renascença e da Reforma; as grandes navegações; as guerras religiosas na Alemanha e na França; e as Revoluções na Holanda, Inglaterra e França.

Durante este tempo, o Estado da China mantinha o monopólio da economia e a Rússia convulsionava sob a fusão de duas tradições tirânicas – o absolutismo ortodoxo religioso e o despotismo tártaro -, o que inibiu o florescimento da economia de livre mercado nestas regiões. Na Europa Ocidental, por outro lado, o colapso completo da autoridade romana e as invasões bárbaras fraturaram a ordem vigente, permitindo a aparição do capitalismo.

À primeira vista, como o capitalismo baseia-se no livre comércio e este tende a treinar as pessoas para se preocuparem principalmente – ou apenas – com o progresso material, ele não parece necessariamente levar à evolução Moral. No capitalismo, as pessoas não buscam pela Verdade, ou pela beleza, pela honra, pela coragem ou pela sabedoria. Elas buscam conforto. Neste sentido, uma sociedade capitalista não difere muito de uma sociedade comunista: em ambas, a motivação dos indivíduos é atingir um determinado padrão material de vida – e só.

Segundo Max Weber, o ser humano não quer “por natureza” ganhar dinheiro e sempre mais dinheiro, mas simplesmente viver, viver do modo como está habituado a viver e auferir o necessário para tanto. Onde quer que o capitalismo moderno tenha dado início à sua obra de incrementar a “produtividade” do trabalho humano pelo aumento de sua intensidade, ele se chocou com a resistência infinitamente tenaz desta filosofia pré-capitalista, e choca-se ainda hoje por toda parte, tanto mais quanto mais atrasada é a mão-de-obra da qual se vê depender.

Maximilian Carl Emil “Max” Weber (1864–1920) – ou simplesmente Max Weber – é certamente um dos sociólogos mais influentes do século XX, junto com Karl Marx e Emil Durkheim, e suas teses o levaram a ser considerado um dos fundadores da Modernidade.Weber nasceu e foi criado em uma família próspera, cosmopolita e culta, e casou-se com uma intelectual pioneira dos movimentos ativistas pelos direitos femininos.

Em 1897, a morte de seu pai causou-lhe um colapso nervoso, levando-o a retirar-se da vida acadêmica em 1903. Com o início da Primeira Guerra Mundial, o envolvimento de Weber com a vida pública passou por uma reviravolta: inicialmente um fervoroso nacionalista e apoiador do conflito, o anteriormente pitiático Weber aos poucos se desiludiu com a política de guerra alemã, tornando-se um dos mais ferozes críticos do Kaiser.

Com a derrota da Alemanha em 1919, Weber foi alçado à fama como um líder intelectual, com excelentes credenciais democráticas e liberais. Contudo, sua oposição à Revolução Germânica e ao Tratado de Versalhes tornaram a ideia de uma carreira política insustentável e Weber retomou suas atividades acadêmicas, escrevendo vigorosamente. Infelizmente, este novo ciclo criativo foi interrompido em 1920, quando o surto de Gripe Espanhola levou-o à morte aos 56 anos de idade, por pneumonia, em Munique.

Confuso, prolixo e impreciso como parece ser de praxe em todo filósofo alemão, Weber foi inacreditavelmente explícito ao apontar que a ideia singular da profissão como um dever, uma obrigação que o indivíduo deve sentir, é característica da ética social da cultura capitalista. “O ganho desbragado sem vínculo interno com norma alguma” – afirmou ele no cansativo A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo –“sempre existiu em todos os períodos da história, onde quer e como quer que de fato fosse possível”.

“Quando o salário é insuficiente, a produtividade do trabalho cai e, no longo prazo, promove uma verdadeira seleção dos mais incompetentes” – escreveu Weber.Por isso, você deveria desistir de tentar debitar este pecado na conta do capitalismo: a ganância é parte de nossa natureza. Aceite este fardo com gratidão.

Por trás das forças condutoras da história, portanto, espreita uma ambição pueril que nos faz engendrar maneiras cada vez mais industriosas para resolver a penúria à nossa volta em busca de comodidade, influência, fama ou lucro.Escondido à sombra desta avareza, o mercado nos seduz com uma aptidão inevitável para o metacapitalismo proporcional ao amor que os Estados, democráticos ou não, nutrem em se deteriorar em Plutocracias.

Não surpreende, portanto, a facilidade com que a retórica das soluções pragmáticas do Realismo Moral de cunho socialista-comunista causa encantamento: seus “imperativos categóricos” e suas “verdades substantivas” são fundamentados em operações aritméticas simples, básicas, de resultados inteiros e sem casas decimais. Não existem variáveis, não existe heterogeneidade no comunismo – tudo é monoteísmo ideológico absolutista. Mas não é mais ou menos assim também que o opera o capitalismo democrático liberal?

Elimine-se do enunciado do problema comunista o termo “coletividade”, substituindo-o por “lucro”, e o resultado será tão idêntico quanto um gêmeo univitelino: todas as ações devem ter como objetivo o fomento do desenvolvimento e a proteção do bem-maior para a coletividade / o lucro. É em nome da coletividade / do lucro que as leis devem ser elaboradas; a política, construída; o cidadão, instruído; as instituições, preservadas; o futuro, planejado.

Vistos por esta ótica, comunismo e capitalismo são como Caim e Abel, Harry Houdini e Hardeen, Fredo e Michael Corleone, Mufasa e Scar, Cláudio e Hamlet – competem entre si, odeiam-se, vilipendiam-se, mas pertencem à mesma exata linhagem. Aqueles que advogam o capitalismo democrático e liberal citam os EUA – a nação mais rica do mundo atual e uma potência militar inquestionável – como exemplo de liberdade, dividendos e bonança. Aqueles que defendem o comunismo coletivista e ditador podem citar a China – segunda maior economia do planeta e com uma população equivalente a quatro EUA – como exemplo de objetividade, planejamento e disciplina.

Ao final do embate, com direito a graves acusações Morais e meia dúzia de xingamentos bilaterais, sobram silogismos de ambos os lados na mesma medida em que faltam entendimentos racionais entre as partes. A tirania opressiva do Grande Irmão está para o socialismo comunista assim como a ansiedade pelo Sucesso está para o capitalismo democrático- mas nenhum deles ousar apontar o dedo para os podres da família.

As defesas Morais do Capitalismo foram semeadas por John Locke, Adam Smith, Ludwig von Mises e Ayn Rand, entre outros medalhões da filosofia, e podem ser reunidas em seis argumentos principais:

1 – LIBERDADE

2 – DIGNIDADE

3 – DISPERSÃO DO PODER

4 – HUMANITARISMO

5 – RESPONSABILIDADE

6 – PRAGMATISMO

(continua num próximo post)

Ver Todos os artigos de Alessandro Loiola